sábado, 25 de junho de 2011

CRISTO PREGADO


Nuvens negras cubriram o céu
raios atravessaram-no
o ribombar das trovoadas
estremeçeram todos os homens
ao seres pregado na cruz
Ó Cristo
Tiveste pena de quem tanto
te maltratou
apredrejou
cuspiu
mentiu
E ainda te puseram
um cravo em cada mão
e outro nos pés
e uma coroa de espinhos
Espinhos que representam
o ódio dos homens
a mentira dos homens
a maldade dos homens
Mas entre o céu negro
e raios a rasgarem-no
Tu é que foste pregado
Ó CRISTO

CORRIDA DO TEMPO


PÁREM
Parem os relógios
Páre o tempo tambem
as horas
minutos
segundos
A vida corre
em turbilhão
o tic tac
não pára
Não existe silêncio
E os ponteiros continuam a girar
no seu compasso
como uma bola de sabão
gira pelo ar
até rebentar
Tudo gira
rodopia
mesmo num compasso de dança
E o tempo nao pára
nem mesmo
por um segundo...

PARAÍSO


Lonjura de tempos
Beleza no olhar
Mas que tudo se perde
Às mais belas flores
De mais doce encanto
Com seu perfume
Ficam de pé
Apenas as mais singelas
Não por serem fracas
Mas porque não representam
Algum perigo
De quem as quer recolher
Tão triste o Paraíso
Apenas com estas simples
E com aridez em volta

CORAÇÃO TRISTE


Dizem que o coração
não sente
apenas é um orgão
que temos no nosso corpo
Então como podemos dizer:
Dói-me o coração,
feriram os meus sentimentos
O meu coração está triste
Ou ate mesmo
Maltrataram o meu coração
e sinto-o
triste
amargurado
enxuvalhado
amesquinhado
Porque dizemos isso?
Na realidade
é um sentimento forte
e que o coração
sente
não fazendo dele
um simples orgão vital
para todos os Seres
Coração estás bem?!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

ABRAÇO DE SAUDADE


Como sinto ainda
O calor do teu abraço
Corpos juntos
Corpos colados
Braços enlaçados
Onde as palavras ficaram mudas
E antes do desenlace
Já existe a saudade
De tanto querer
Do enorme desejo
Por isso
Ainda hoje sinto teu abraço
Meigo, suave

Dá-me um abraço
Que eu estou tão só
Nesta saudade
Não quero mais nada
Que o teu abraço

DONOS DA SELVA


De olhar atento
Sangue correndo nas veias
Com calma necessária
De um guerreiro
Vai observando, atento
A sua vítima
Estuda os seus passos
Costumes
E talvez suas fraquezas
Poderá levar horas
Dias
Ou ate semanas
Até se realizar o ataque
A presa já está escolhida
Está vulnerável
Mas tem que se ter cuidado
A caçada pode ser em vão
E o dono da selva
Não é isso que pretende
Lambe os beiços
Sentindo o sabor da presa
Se tivesse mãos
Esfregava-as
Cantando vitória
Porque seria mais uma
Mas pensando bem
O nosso Mundo
É uma grande Selva
Onde as “presas” fracas
Ficam à mercê dos caçadores
De várias “caras”
Para que na hora “H”
Consumam o intento.
Triste é, quando comparamos
O Reino Animal ao Reino Humano
Só que o Reino Animal
É superior
Porque só tem uma”cara” (focinho)

quinta-feira, 23 de junho de 2011

UM BANHO


Tantos beijos
que damos
depois de um dia trabalho
sussurrando
coisas lindas
deliciosas
Vamos para nosso banho
banho relaxante
que junta nossos corpos
em nossa nudez
maravilhosa
em que cheiros
se cruzam
e enebriam
Doce,seguro teu pescoço
puxando-te para mim
porque te quero
intensamente
e ali mesmo
começando no banho
onde te entregas
e o encaixe é perfeito
o desejo é mútuo
e sem falar
os corpos ardem
pulsam
desejam
querem
e são um só
vibrando
loucos
parcendo sequiosos
em beijos sedentos
dando-se o êxtase
parecendo levar-nos ao paraíso
e ficamos de mãos dadas
como se continuassemos
a ser um só
no banho

MEU CORPO


Com toques suaves
te delicias
suavemente em mim
Quanta música
pela ponta dos teus dedos
percorrendo
o teclado imaginário
existente
Um Danúbio Azul
onde àguas deslizam
calmas
seremas
Um Baile dos Cisnes
sentindo a leveza
do voo do desejo
Um Beijo Roubado
doce e terno
E porque não I have a dream
em tons suaves
mas tambem graves
mostrando o querer do sonho
Ou como Chico Buarque diz:
Chega de saudade
porque mata aos poucos
quem ama tanto
tanto desejo
querer
em tanta música
no meu corpo

quarta-feira, 22 de junho de 2011

CALOR DA ALMA


fogo
bombeiros
sopro
apagado
bem do fundo alma
que em mim habita perdida
leve como uma pena
que me leva até ti
como uma brisa suave
pousando em teus peitos
dando um certo calor
ao meu desejo ardente
de um certo olhar
com lágrimas soltas ao vento
lágrimas já secas
pelo calor de meu beijo!


PARCERIA FÁTIMA PORTO|ANGELO VAZ

terça-feira, 21 de junho de 2011

FÚRIA


Tempestades
furacões
ventos
raios
ondas gigantescas
que engolem
tudo o que apareçe
varrem
distróiem
causam pânico
em turbilhões
de àgua
revoltada
Trovões
Raios
clareiam um céu negro
onde tudo escureçe
de novo
Ensurdeçedor
rimbombar dos trovões
com o estoirar
das ondas
onde a mão da Natureza
nada suaviza
nem o Homem qualquer
Poder
apenas um simples
espectador
a ver tanta dor...