sábado, 3 de dezembro de 2011

SOLIDÃO



Desespero…
Minha alma dói
Em solidão
Contenho lágrimas
Observando a vida
Sem sentir a brisa
Que toca de mansinho

Quero ir e seguir
Caminhos distantes
Sem forças
Como uma flor a murchar

Uma lágrima caprichosa
Faz-me turvar o olhar


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

NADA


Pulo cercas
Escancaradas
Estradas desertas
Em meu redor
Mortiço e velho
Sem vida
À espera da boa nova

Corro do nada
Para o vazio de mim
Como as arvores despidas
Num céu sem estrelas
Enrolada em nós
Sem pontas…

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

TORMENTA

Cansada
Por palmilhar
Entre becos e trilhos
De nada
Vagueio sozinha
Sem direcção
Com a alma transformada em pó
E o coração dilacerado

Raios
E ventos
Levem meus pensamentos
Deixem-me ficar só…

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

DEBAIXO DE VÉU



Doce e puro véu
Que cobres meu corpo
Em letras e palavras
Deixa minha alma
No desvario das estrelas
Agachar-me sem forças
Pelo obscuro da noite
Sem olhos para ver a Lua…

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

UMA FLOR



A flor que tu me deste
Minha alma emudeceu
Os olhos ficaram rasos
De lágrimas que não chorei

É uma jóia rara
De aroma inebriante
Desnudou meu espírito
Aqueceu meu corpo inteiro

Prendo bem junto a mim
Como querendo beijar
Sinto que a flor és tu
No calor do meu abraço

AFAGO



Fui para o monte mais alto
À tardinha, ao sol-pôr
Deixei cabelos ao vento
A brisa tocou no rosto
Imaginei carícias tuas
Leve afago num beijo

Querendo que o vento me levasse
Soltei minha fantasia
Nas asas da imaginação

terça-feira, 29 de novembro de 2011

AREIAS DO TEMPO


Tempo
Que passou no tempo
Sem nunca parar
Trazendo à memória
Tempo esquecido
Nunca perdido

Remoinhos de ventos
Tentando parar
O tempo presente
Com areias no ar
Escritas sem tinta
Dum livro futuro

Fio que corre
Marcando o tempo
Apagando o passado
Na existência do destino
Da presença do verbo Amar…


Poema editado no Jornel O REBATE de Macaé - Brasil

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

FUMO DA IMAGINAÇÃO


Fumo
Que se levanta
P'la imaginação
Do desejo
Num abraçar
E querer

Fumo
Que perfuma
E faz levitar
Odor de corpos
Suados
Amados

Fumo
Do calor de um beijo
Selo de união
Onde línguas sôfregas
Tacteiam suavemente
No ardor do seu bailado

Fumo
D'amantes queridos
Envolvidos
Esquecidos
Do Mundo e do tempo…



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

DESEJOS AQUECIDOS


Desnudada
Aquecida
Por abraços de amor
Beijos na alma

Lembranças ao pôr-do-sol
Quente até às entranhas
Dois corpos nus
Entrelaçam
Encaixam
Vibram

Desejos
Num olhar vago
Perdido na imaginação
Da espera contida
Ansiada
De um nada…


Poema editado no Jorna O REBATE de Macaé - Brasil