sábado, 19 de maio de 2012


….

…Espera longa
Num silêncio apagado
Onde as noites se confundem
Com dias tristes

Lençóis numa cama feita
E um telefone sem tocar
Porque a espera é longa….


Fátima Porto

MEDOS...




Como seria bom esconder-me
enroscada em teus braços
como uma criança abandonada
precisando de amor
do calor de um corpo
e deixar render
à proteção, ao amor, carinho
de uns braços fortes de paixão
enquanto os vendavais,
as tormentas,
passam ao lado sem me tocar.....

Estou e sou protegida
Eu quero ser protegida

Eu não sou forte
magoaram-me
feriram-me muito forte
e tudo ficou escuro
e apenas choro
choro

Quero-te sentir
no apertar do meu corpo
em teus abraços cheios de paixão
as tuas mãos em caricias
meigas , suaves, como tu...
serenas e calmas

Beijando e protegendo
boca que nunca beijei
e bebendo esses beijos
de loucura e um querer
deixando-me levar ao encontro
da ansia ate ao êxtase total...






Fátima Porto

sexta-feira, 18 de maio de 2012


( ::: )

…Lágrimas
Quantas já foram derramadas
Engolidas
No quarto escuro da solidão
Com vergonha de alguém ver

Lágrimas
Sentimentos doridos no silêncio
Mas que ao calor do sol
São consumidas por um sorriso

Lágrimas escondidas…


Fátima Porto

AH COMO QUERO...




Como quero beijar a tua boca
Não só uma vez
Mas as vezes que o meu coração pedir

Como quero sentir teu aroma
Aquele que teu corpo exala

Como quero tocar teu corpo
Conforme vejo em sonhos

Como quero ouvir tua voz
Bem perto do ouvido
Sussurrando palavras de carinho

Como quero olhar teus olhos
Bem dentro da alma
No calor do respirar

Como vento sem destino
Meu corpo clama
Como te quero
Minh’alma chama
Como barco sem leme
Te desejo…

Fátima Porto

(…)

…Meu peito desfaz-se
Nos céus de tormentas
Soltando-se em tristezas e mágoas
Das feridas que sagram

Voem para longe
Sentimentos que atormentam
E que esventram minh’alma…


Fátima Porto

QUANDO...




…Quando a saudade chega
Uma lágrima rola
As palavras calam no silêncio
O corpo arrefece
Sentindo a falta d’um carinho

Tudo se torna ausente no presente
Até as mãos e o regaço
Outrora cheios de tudo
Agora estão vazios de nada…


Fátima Porto

quinta-feira, 17 de maio de 2012

SALTO PARO O AMOR




Salto desta angústia
Como as lágrimas que rolam
Com o sabor a sal do mar
Que se estende nas areias da praia

Salto deste receio
E saio para a rua em dia de chuva
Deixando molhar-me até à alma
Lavando toda a tristeza

Salto desta mágoa
Fazendo reviver meus sonhos
E deixando entrar o sol em mim

Salto do meu silêncio
Deste desânimo que me isolou
Soltando meus cabelos
Fazendo meu coração sorrir

Meu amor está a chegar
Vou saltar para os seus braços
E esquecer a ausência…


Fátima Porto

MÁGOA POR ENTRE OS DEDOS




Desfaço lentamente
Com mágoa por entre os dedos
A flor imaginada na entrega
Algum dia dada por ti

Flor de sorrisos ocos
De odor que embriagou sentimentos
E que se esmoreceu como o vento

Pétala a pétala cai por terra
Momentos lindos, de encantar
Pisados, calcados
Nesta tristeza incontida

Minha mão fecha-se
Derramando todo um sofrimento
Não de raiva nem de ódio
Mas dorido bem profundo
Que faz estalar todos os ossos

Porque me querem assim
E me dói tanto a Alma?..


Fátima Porto

SUAVE EM TI




Docemente
Percorro o teu corpo
Pé ante pé
Degustando cada detalhe

Fragâncias de uma paixão
Espalham-se pelo ar

Como os corpos se colam
Num descobrir cego
Das vontades que extravasam
Mansamente ansiadas

Braços como raízes que entrelaçam
Num afagar almejado
Silenciado nos beijos meigos
Saboreados lentamente
Sem tempo no tempo

Não existe um mundo lá fora
Apenas o nosso, serenamente…


Fátima Porto

quarta-feira, 16 de maio de 2012




:;:;:;

…Onde vou?
Em busca da Felicidade
Outrora perdida

Porque vou?
A vida sorriu para mim
E eu
Vou sorrir para a Vida!...


Fátima Porto

AI MAMÃ UÉ




Vida
Que passa no tempo
Na solidão perdida no presente
De lágrimas secas
Onde o capim não cresce

Ai mamã ué
Que silêncio triste
Sem danças nem missangas
Com as marimbas tocando
D’um compasso certo

Terra grande
Choro minhas mágoas
Numa cubata vazia
Com a esperança na alma
Das rugas criadas

Nem pó se levanta
Da terra crispada
Tamanha é dor

Ai mamã ué…

Fátima Porto
Fotografia : Adalberto Gourgel




….

…Lentamente
Como brisa que passa
Os pensamentos voam
Um a um

Perdem-se no ar
Para não voltarem…


Fátima Porto

QUIMERAS VÃS




Sobe o céu vermelho
Cabelos soltos ao vento
Com os olhos postos no infinito
Sinto uma chaga rasgar o peito

É fusão de tristeza e nostalgia
Em que rolam lágrimas silenciosamente
Nos pensamentos que fogem de mim
Em várias direções

Ah como gostava de estar onde não estou
Encurtar distâncias no espaço e tempo
E no ponto mais alto abrir os braços
Alcançar o que não consigo

Gritar bem alto quimeras vãs
Que torturam minha alma
Numa solidão escura, sufocada

Mortifico meus sentimentos nesta dor
O silêncio é minha companhia…


Fátima Porto

ALMA QUE VÊ




Quero falar
Queremos dizer sentimentos tolhidos
Mas não nos deixamos

Ficará para mais tarde
Pois agora vamo-nos olhar
E existe tanto para falar em silêncio

Nossas mãos não são suficientes para calar
Apenas beijos meigos e saudosos
Ansiosos de tanto querer

Olho-te na alma
E vejo o que nem imaginas
Mas calo porque serás tu a dizê-lo
Um dia olhando a minha alma…quem sabe

Aprendi
Pois é esperando no silêncio
Com tristeza e vendo de longe
Que a minha estrela poderá brilhar…

Fátima Porto

terça-feira, 15 de maio de 2012

PRESSENTIMENTO




Tua mão que se estende
A minha que a procura
Teu corpo nu
Que aquece o meu na paixão
Acende a chama
Num desejo
De sentir anseio
Sem te ver

Meus olhos cegos
Pressentem
O que a alma
Sussurra de mansinho

Que doce ardor
Meu peito carrega
Por tua ausência

Em noites sonhando
De saudades em silêncio
Por não ver
Quem tanto desejo
Onde apenas resta o desalento…


Fátima Porto

segunda-feira, 14 de maio de 2012





….

…Que vazio e tristeza
Como eu queria que estivesses comigo
Sempre que preciso d’um abraço!...


Fátima Porto