sexta-feira, 30 de novembro de 2012

SERENAMENTE EM TI





Docemente
Percorro o teu corpo
Pé ante pé
Degustando cada detalhe

Fragrâncias de uma paixão
Espalham-se pelo ar

Como os corpos se colam
Num descobrir cego
Das vontades que extravasam
Mansamente ansiadas

Braços como raízes que entrelaçam
Num afagar almejado
Silenciado nos beijos meigos
Saboreados lentamente
Sem tempo no tempo

Não existe um mundo lá fora
Apenas o nosso, serenamente…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSAMENTO TEU





Triste manhã
Como eu
Faz tremer de saudade
Na solidão de paredes frias

Queria dar gritos
Que levassem toda uma dor
Mas em seu lugar
Apenas rola uma lágrima esquecida

Minha alma dilacerada
Vai morrendo aos poucos
P’la distância do teu calor

Meu pensamento é teu
De mãos dadas
Unidos como queremos
Sem a gélida separação….


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

OLHA...





Olha, bem dentro dos meus olhos
E procura o meu coração

Olha, o espelho da minh’alma
É nossa vontade calada

Olha, o grito do desejo que abafado
É silenciado com um beijo

Olha, como sinto o calor d’um abraço
E descanso a cabeça no peito teu…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

OLHA-ME





Estou sonhando contigo
Tua imagem tranquila está comigo
Onde murmuro o teu nome

Sinto que também me tens nos sonhos teus
Acolho em meu abraço teu corpo
Estreitando almas no silêncio da noite

Oiço nossos corações num bater compassado
Desabrochando pétalas pelo orvalho
Em suave odor de nossos pensamentos
E quando acordar ainda assim estarei contigo…



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

SEM PONTO FINAL





Deleito meus desejos
Fechando os olhos
Sentindo o calor
Como um abraço teu

Esqueço as saudades
Que guardo na minh’alma
E esventram o peito

Deixo os pensamentos voarem
Para além do infinito
Transportando emoções
Que meu coração acalenta

E vou sonhando
Sem nunca por um ponto final
Deixando nas reticências
Tudo que meus olhos não falam….


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SILÊNCIOS DO TEMPO





Olho o tempo
Que passa ligeiro
Rodando nos ponteiros
Fazendo soar tic-tac
Como o bater do coração

Gira e gira
Mas o tempo não passa
Como se os ponteiros voassem
Deixando o tempo parado
Numa agonia sem fim

Vejo e torno a olhar
Se algo de momento se transformou
Mas o tempo passou com a brisa
Leve de mansinho
Que nem em mim tocou

Oh tempo por onde andas
Que passas parado em silêncio
Conta-me teus segredos ligeiros
E fazendo tic-tac ao meu ouvido…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 27 de novembro de 2012

FASCINAÇÃO





Vejo-te na imaginação
Em mim
Meu enlevo
Em devaneio
Mas a tristeza invade

Meus olhos não te vêem
O sonho engana
Trazendo ao corpo
O tremor em forma de véu
De todo o teu carinho

Meu desgosto é sofrido
Já teve lágrimas

Como por fascino
E aconchego
Tu virás de novo
Em ventos para lá do tempo
Com afagos de ardor
Para delírio meu

A penumbra esconde
Um corpo que traduz
Toda a minha agonia
Na tua ausência…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

SINTO, MAS...






Sinto ter que sentir,
Mas sinto
Sinto ter que chorar,
Mas choro

Sinto sofrer por ti,
Mas sofro

Sinto sentir tua falta,
Mas sinto

Sinto ter saudades,
Mas tenho

Sinto não saber controlar-me,

Mas descontrolo

Sinto não viver sem ti,
Mas vivo


Os sentimentos são maiores que minha vontade.

Sem nada poder para controlá-los

Se viver
É ter que esconder o choro num sorriso

Choro por meio do silêncio...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

....




…É através do sorriso
Que se vê o quanto se é forte
Mas é pelo olhar
Que se sente a Felicidade!...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

DOR DA SAUDADE





…O que é verdadeiro desaparece?
Não!
Apenas se ausenta por momentos…
Porque está sempre presente!...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

DOR SOFRIDA




Destapa a cara da máscara
De muros corrompidos
Da dor

Com voz embargada
Lágrimas secas
Onde o vento trespassa

Num corpo oco
Com amor sofrido
Ninguém vê a angústia
O sofrimento

Apenas a indiferença
De um rosto de máscara
Onde dilacera em fuga
Um peito fechado
Trancado

Busca de uma luz
Que se apaga lentamente
Mas a máscara não mostra
Que os olhos também se fecham
Porque já nada vê
E calam em fuga...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 25 de novembro de 2012

....





…Dói no peito
Mostrar pela metade
Quando existe um TODO
Escondido da verdade!...

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

NÃO SEI, MAS QUERO





…Não sei
Se vou dormir
Se vou fechar os olhos
E sonhar contigo

Ou abertos a pensar em ti
E nas palavras doces
Que te irei sussurrar
Para que durmas melhor

Não sei
Mas se previsse que dormirias deleitoso
Eu fecharia os meus olhos
Suavemente
Para que viesses célere
Até meus sonhos
Dos quais eu não quereria acordar jamais

Mas eu sei
Que te desejava comigo…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

MOMENTO SENTIDO





Teu beijo tocou meus lábios
Mas também o coração
Quando chegaste de repente
E trocamos olhares

Não consigo explicar
Pois não existe definição
Mas apenas sei o que senti
Pois não me arrependo
Porque é sentido a dois

Como gostaria ter ainda
Teus deliciosos beijos
Porque meu coração receberia em dobro
E vibraria com tal emoção
Por ter sido
Um momento Único…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

OLHAR MEU





Desvio meu olhar
Para que se calem no silêncio
Pois nada quer mostrar

Olhar espelho da alma
Que não mede palavras
E mesmo em penumbra
De mansinho
Não se deixa encobrir

Visto meus olhos em pálpebras de luz
Quando apareces
Mas dispo-os e verás
O quanto eles dizem
Calados

Fechei-os num minuto
Que parecem uma eternidade
Para não leres
Quão minha alma fala…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 24 de novembro de 2012

MÃOS QUE NÃO FALAM





Mãos nas mãos
Um conforto
De carinho
Sem palavras
Mas dizendo: Estou aqui

Mãos
Que trazem alívio
À alma e ao coração
Por vezes perdidos na solidão
Em silêncios ocultos
Por feridas profundas

Mãos
Que difundem paz
Ecoam tranquilidade
E emanam uma ligação
Sentida mesmo que em espírito

Mãos
Que sanam mágoas
Doridas na tristeza
Sem ousar falar

Mãos
Entrelaçadas em melodia
Entoando a mesma canção
Numa só voz…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

DEVANEIO QUE ARREPIA





Serenidade
Paz
Meu espírito
Absorve-se
De olhos abertos
Divagando
Na minha fantasia

Desejo ternuras tuas
Beijos com gosto a mel
Abarcando meu corpo
Lentamente

Mãos que vagueiam
Trilhos ocultos
Revelados

Boca de lábios suculentos
Que murmura
Palavras quentes e melosas
Beija minha nuca
E arrepia

Mas viajo no meu devaneio
Imaginando tua presença
Em afagos mútuos
Enquanto nossas almas se entrelaçam
Sem tristezas nas palavras caladas
Mas em deslumbramento…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

CORPO NU





Espelho de luz
Que reluz teu corpo
Num desejo profundo
De saciar vontades
Em noites perdidas

Um vazio onde a chama
Dominadora e voraz
Grita baixinho
A ausência do beijo
Do arrepio na pele

Espelho que exibe a imagem
Não o sentir da alma
Que exclama da omissão
No odor em seus poros
Por satisfação com nexo
Nos gemidos suados

Corpo nu
Que tacteias em vão
Para teu prazer
E nada descobres
Somente … tu

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

VARANDA DO TEMPO





Da varanda sem tempo
Vejo o cheiro do cacimbo
Ao nascer do dia

As heras secaram
Enroladas nos dias
Esquecendo o calor
Dos meninos que brincavam

Na varanda sentia a roça
Com perfume a café
Que voaram com o tempo
Pois nada disso existe
Apenas na imaginação

Da varanda do tempo
Só vejo o cacimbo
À espera de calor
Dos meninos do passado…

Fátima Porto
Fotografia: David M. Oliveira – Fotografia
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

SOLIDÃO NA PRAIA





Deambulo
Em praia calma
Para ver
Teu bote chegar
Minha agonia é tão imensa
Pois do areal não sairei

Quero-te próximo de mim
No enleio nossos corpos
Minha tristeza é tão grande
Pois só a matarei com teus beijos

Vem célere a meus braços
Desejo sentir teu ardor
Sinto solidão
E gelada sem teu amor….

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

MÚSICA NO OLHAR





Olho-te com música no ar
Leve e solta
Mas profundamente em ti

Quero-te para mim
Como num bolero
Bem juntos no seu dançar

Não tires teu olhar de mim
Para veres minha alma
Estremecer por ti

Olhos nos olhos
Iremos dançar de alegria
Nossa sinfonia de amor….



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

AMOR VIRTUAL





De amor fala-se
Mas amor não fala
Amor sente-se,
Amor expressa-se
O amor é virtual
Não sei onde mora
Só sei que é distante

Não fala meu idioma
Nem eu o dele...
Mas para quê idioma
Para quê falar

De amor fala-se
Mas amor não fala
Amor sente-se
Amor expressa-se
Não precisa de idioma
A linguagem é universal
sente-se nos olhos
Em atitudes,
No carinho

No conjunto de imagens
D’um computador?
Uma velha foto?
Na voz?

Ama-se a alma,
Ama-se a essência
Ama-se o virtual!



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

....





...Ah quantas certezas fizeram de minha boca,
Voz calada,
E engolir lágrimas sofridas que rolavam no meu rosto...

Ah quantas certezas me trancaram no quarto da solidão,
Sentindo a ausência do teu abraço!..


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

À ESPREITA





Que espreitem
Nosso amor
Beijos
Carícias de mel
Ao calor do sol
À chuva

Em nosso mundo
De quimeras
Em abraços meigos
De ardor
Na relva molhada

Que espreitem
E oiçam
Nossas vozes caladas
Em beijos consentidos
De olhares ternos
Permitidos

Que espreitem …


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 20 de novembro de 2012

PALAVRA SAUDADE





Ah saudade
Palavra pequena
Mas que enche o coração
Que flagelas a alma
Golpes profundos, doridos

Essa palavra saudade
Cala fundo
De mansinho
Em nós tristes apertados
Que abafam “ais” sofridos

Essa palavra saudade
Voa no mar da distância
Num sopro em desalinho
Vem sussurrar baixinho

Essa palavra saudade
Cor de fogo com que arde
E de longe traz um beijo
Deixando cair uma lágrima
De um olhar triste e distante

Essa palavra SAUDADE…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SILÊNCIO DE MIM





Lentamente,
Pés vincados
Na fina areia molhada
Tudo desejo de mim
Num silêncio de perguntas
Em eco sem respostas

Voam pensamentos
Que atordoam
E turvam minh’alma

Mar
Que me encantas
Procuro em ti, segredos
Mas nada me dizes

Deixa que minhas lágrimas
Se misturem nas águas
Abafando os soluços
Na espuma das ondas

Docemente uma brisa passa
Secando as lágrimas do rosto
E desviando minha imaginação
Para bem longe…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

NESTA VIDA





Nesta vida esperei
Tanto tempo
Por ti

Em meus sonhos
Vi-te
Toquei-te
E senti-te
Nos braços meus

No sonho que vivi
Despertou minh’alma
E vi-me
Nos braços teus

E para noite não passar
Para o amanhã não te levar
Eu não adormeci

Nossa noite de magia
Os segundos que vivíamos
O tempo roubava-me

E nesse tempo, sem querer
Desejei não te ter
Só para não te esquecer

E quando o amanhã chegou
A noite em meus dias ficou
Numa louca confusão

E nesta vida eu estou
Tanto tempo a esperar
Por ti…


Fátima Porto
ATENÇÂO: Texto registado e protegido pelo IGAC

JUVENTUDE NA DISTÂNCIA





Através de olhos encantados
Vê-se uma menina do passado
Dançando na alegria do futuro
Esquecendo os devaneios do presente

Quimeras que lembram juventude
Vivida, mas não omitida
Num sótão da imaginação

Guarda mares de Saudade
Onde nuvens de lágrimas
Fizeram secar qual rosa em botão
Deixando perfume no presente

Lenços brancos num adeus
Foram caindo
E agitando-se com a brisa quente
Para bem longe voaram

O eco do esvoaçar, ouve-se
Porque mais longe que seja
A distância é pequena
Quando existe alguém
Que nunca nos esqueceu…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 18 de novembro de 2012

ENCONTRANDO A ESCRITA





Retrato
Com pena e tinta
Em papel puro
Pedaços
De vida toldada

Desamores
Ilusões
Lágrimas choradas
Em prantos secos
Escondidos

Existência nula
Magoada
Que faz rolar
Uma lágrima amargurada
Salpicando
Letras ocultas
Manchando a tinta

Em passos lentos
Deixo voar tristezas
Sem nunca olhar p’ra trás
Pois em meus trilhos encontrei-te

Minh’alma delicia-se
No sabor de doce néctar
Por Baco encantado

O prazer d’amar…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

CORRO EM SILÊNCIO





Calo meus olhos
Em silêncio nos sentimentos
Sem lágrimas de culpa
Querendo voar na escuridão
Em busca de ti

Minha alegria
Ao sentir o calor do teu abraço
E num beijo escondido
Irá selar nosso amor

Corro passo a passo
Porém de coração a sonhar
Num tempo sem horas
Em que o mundo
Será nosso…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 17 de novembro de 2012

SEM PALAVRAS





Segredaste-me ao ouvido
Que sou tua
Como menina perdida

Aninho-me em teu colo
Protegida num abraço
Onde descanso, meu Amor
E acordo serena

Esta e todas as noites
Nos amaremos
E nossas bocas se irão juntar
Entre doces beijos de paixão

Em sossego
Não mais falaremos
Palavras … serão a mais!

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

AMANHECENDO





Acordo no sonho
E chove lá fora
Pois leve aragem
Vagueia em meu corpo nu

Música
Vinda da minh’alma
Extravasa
E se encaixa na perfeição
Num devaneio que me faz delirar

Som delicioso, porque tua voz
Desperta em mim
Sensações tranquilas
Desafinando
Com o dia cinzento e triste

Esqueço a nostalgia
E voo num barco de fantasia
Onde tu me aqueces e encantas…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

FOLHAS CAÍDAS





…Ventos do Outono
Esfriam minha alma
Levando com ele
Folhas caídas

Cor do sangue
Igual a um coração
Que bate descompassado
Perdido no tempo

Estigmas d’um passado
Silenciado através de pedras calcadas
Em que janelas não se fecharam
Na esperança do presente
D’um suavizado sorriso no futuro

Ventos d’Outono
Que afastas minhas angústias
Na aragem fria da tarde
Minhas mãos ficarão vazias

Deixando apenas Saudade…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

FILHA DO VENTO E DA TERRA





Rebento na terra imensa
Onde o olhar se perde
Por vezes vazio de nada
Em chão duro, seco
Repleto em pó do vento

Mesmo mal se movendo
És forte na solidão
Na alma que abarca a esperança
Agarras terra áspera
Onde colherás os frutos do teu futuro

Sou filha do vento e da terra
Entrançando raças e crenças
Num calor que trago na Alma
Todos amando no meu silêncio…


Fátima Porto
ATENÇÂO : Texto registado e protegido pelo IGAC

TERRA VERMELHA





Oh terra vermelha
Que fechando os olhos
Minh’alma sentiu teu cheiro

Deixei escorrer por entre os dedos
O pó da saudade

Embargou-se a voz
Nas lágrimas que rolavam
Levando para bem longe
Meu grito abafado

Mas não desapareceram da minha mão
As sensações,
O odor,
Do vermelho da terra que me viu nascer…



Fátima Porto
Fotografia de: Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

SENTIR





…Ao meu colo dei-te
Abraços de panos traçados
Estendido p’la mão que te enleou
No ecoar das palmeiras empoeiradas
Por uma felicidade que tardava
Numa infância de olhar vazio

Oh terra minha
Quero sentir teu vibrar
Tocando teu chão
Em lágrimas do meu ser…

Fátima Porto
Fotografia de: Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

MAGIA





No descansar do dia
Com ardor no céu
Vogam meus pensamentos
Numa brisa suave

Tenho saudades do sol quente
Numa praia qualquer
Onde as ondas calam
Em espuma no areal

Que ventos soprem meigos
Na barca de minh’alma
Para sentir tuas palavras
Ditas ao calor do coração

Tentar explicar toda esta magia?
Apenas deixo-me levar
Olhando,
E voar com a brisa…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

LARGO MEU CORPO





Corpo
Largado em devaneio
Sustento de alma
Rasgando
Perdões da vida
Em deriva

Prostrada
Me deixo
Enredada no véu
Que acolhe
Em sonhos
Enleada

Possui-me
Doce encanto
Espírito de fantasia
Pois o corpo
Larguei
Para ter uma ilusão

Espero em ti
Neste encanto
Em que seduzes
E me tens…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 13 de novembro de 2012

SILÊNCIOS VAZIOS





Ruas vazias
Em noite sem estrelas
Onde os sentimentos calam

Nos meus silêncios
O calor de um abraço
É somente meu

Sinto-me vazia
Como as ruas lá fora

A escuridão invade-me
Fechando os olhos
E fazendo deambular o espirito
Em outra dimensão
Pois tenho por companhia
A solidão…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

PALMEIRAS NA PRAIA



PALMEIRAS NA PRAIA

Meus pensamentos
Vagueiam
Com o vento que passa
Por entre as palmeiras ao escurecer

Que vontade de voar também
De Ir para bem longe
Sem destino
Talvez

E o vento passou
Mas aqui permanece minh’alma
Na praia de quimeras
que jamais vou esquecer

Sussurrei ao vento
Que não ouviu

Mas o calor acercou-me
Na imaginação
Como melodia triste
Dolente
Das palmeiras na praia
Ao anoitecer….


Fátima Porto
Fotografia de: Adalberto Gourgel
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

DÁ A TUA MÃO





Dá-me tua pequena mão
Pois um dia assim também fui
E caminharemos juntos

Dá-me tua pequena mão
Para meu calor sentires
Junto à minha

Não importa a cor
Nem crenças
Mas desejos em comum
De darmos as mãos
E prosseguir o destino
Por nós traçado

Dá-me tua pequena mão
Meu irmão…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 11 de novembro de 2012

PALAVRAS PARA ANGOLA





Vou até ti
Minha Terra
Em aviões de imaginação

Recordações de juventude
Que trazem saudades
Dos dias vividos
E emoções sentidas

Mando-te palavras d’alma
Com a beleza das acácias
Também a lágrimas empoeiradas
P’la terra vermelha crestada

Mando-te palavras do coração
Com a doçura das frutas
E dos cheiros
Que fechando os olhos, ainda sinto

Mando-te palavras d’um abraço
Forte e imenso
Como se meus braços, os ramos
Do velho imbondeiro à beira do caminho

Para ti, minha Angola
Mando-te palavras de calor
Como o por do sol à tardinha
Numa praia qualquer….


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

EXPRESSÃO D'ALMA





Não mostro meu olhar
Pois em silêncio cala
O que não quero desvendar

Vem até mim
Sem palavras,
De mansinho
Que verás minh’alma


Sentindo tua mão suave
Teu olhar falará por ti,
E me desnudarás dizendo
O quanto eles falam
Calados

Serão momentos,
Uma eternidade
Que sem dizermos uma palavra
Beijos, o calor de abraços
Serão a maior expressão d’um amor….

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SILÊNCIO DE PALAVRAS





Mansamente
Vou p’las lágrimas de minh’alma
Como um mar de calmaria
Em meus silêncios cheios de palavras

Brilham estrelas de esperança
Num céu negro
Plantado de perguntas
Interrogações
Sem que nasçam respostas
Ou apareçam reticências

O frio da noite
Arrefece meu corpo
Nesta solidão
Onde sem cais de abrigo
Espero p’la brisa onde pensamentos voam
Até que o sol desponte no horizonte
Abraçando no seu calor…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

DESPINDO A SOLIDÃO





Nos meus silêncios
Quando a noite abraça o dia
Tenho a Saudade por companhia

Sentimentos que desnudam a alma
Num frio de angústias
Atraiçoando minhas vontades

Lágrimas que correm
Como rios que já secaram
Em tranquilo desassossego

Vou despindo de mim
Toda esta solidão
Cruel, pois corta como punhal
Deixando suas raízes
Na palavra Saudade…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SOLIDÃO DE TI





Sentido perto a solidão
Voei numa noite de luar
E deleitei-me nos beijos teus
Por te querer ter

Minh’alma clama
Nas lágrimas do silêncio
Uma melodia sem ter fim
Que só nós conhecemos

Meu eco dispersou-se
Com todo este desgosto
Em escalas suaves
Como um lamento sofrido

Almejava uma brisa suave
Que tocasse meu rosto
Como se fossem carícias tuas

Suspeito tua presença
E observo a foto
Pois sinto-me mais unida a ti

E fechando os olhos
Vou degustando o nosso beijo…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

FANTASIA D'ALMA





Estendo um olhar
Na pele delicada
Que se atreve
Tocar-me mansamente

Desejo tua companhia
Mas minha boca cala
O que a mente sonha
Quero só para mim
Teu perfumado corpo

Apenas minh’alma fantasia
Pois os pensamentos divagam
E que ninguém veja
Pois estou a sonhar

Entusiasmos
Fazendo sentir o abraço
E perder – me no teu olhar
Enquanto o pensamento voa…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 6 de novembro de 2012

PEDRAS DO FUTURO





Pássaro de encantos
Leva meus pensamentos
Para bem longe

Nem a beleza dos nenúfares
Me faz sorrir
Pois a tristeza
Prostrou-se em minha alma

Nuvens negras
Querem abalar minha existência
Fazendo gotejar angústias e penar
Nas pedras do caminho

Vou palmilhando
E derrubando muralhas
No meu sonho do presente
Pois cada pedra
Será o castelo no meu Futuro…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

OLHAR TRISTE





Teu olhar esvai-se
Como o tempo
Livre no horizonte

Panos negros te envolvem
Porque sombria está tua alma
Entre lágrimas que já secaram

Mulher da minha terra
Que de panos traçados
Te enrolas como abraços
Perdidos em nada, como teu olhar

Mesmo na tristeza mostras encanto
Como o cheiro da terra vermelha
Sacudida pela aragem quente
Em deliciosa perfeição
Fazendo-se envolver na tua amargura

Em que brisas do vento
Teus pensamentos se dispersam
Triste mulher da minha terra?


Fátima Porto
Fotografia de David M Oliveira
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

AUSÊNCIA





Silêncios tidos•
Em suaves toquem
De queres nossos
Entre vontades
Onde as palavras estão a mais
E os olhares falam

Bocas que se beijam
Línguas que se sentem
Num pensamento à distância
Em corpos que se unem
E vibram
Com suspiros de amor numa só voz
Cansados na noite
E repousam lado a lado

Mesmo ausentes….

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

ANJOS OU DEMÓNIOS