sábado, 24 de novembro de 2012

MÃOS QUE NÃO FALAM





Mãos nas mãos
Um conforto
De carinho
Sem palavras
Mas dizendo: Estou aqui

Mãos
Que trazem alívio
À alma e ao coração
Por vezes perdidos na solidão
Em silêncios ocultos
Por feridas profundas

Mãos
Que difundem paz
Ecoam tranquilidade
E emanam uma ligação
Sentida mesmo que em espírito

Mãos
Que sanam mágoas
Doridas na tristeza
Sem ousar falar

Mãos
Entrelaçadas em melodia
Entoando a mesma canção
Numa só voz…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

DEVANEIO QUE ARREPIA





Serenidade
Paz
Meu espírito
Absorve-se
De olhos abertos
Divagando
Na minha fantasia

Desejo ternuras tuas
Beijos com gosto a mel
Abarcando meu corpo
Lentamente

Mãos que vagueiam
Trilhos ocultos
Revelados

Boca de lábios suculentos
Que murmura
Palavras quentes e melosas
Beija minha nuca
E arrepia

Mas viajo no meu devaneio
Imaginando tua presença
Em afagos mútuos
Enquanto nossas almas se entrelaçam
Sem tristezas nas palavras caladas
Mas em deslumbramento…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

CORPO NU





Espelho de luz
Que reluz teu corpo
Num desejo profundo
De saciar vontades
Em noites perdidas

Um vazio onde a chama
Dominadora e voraz
Grita baixinho
A ausência do beijo
Do arrepio na pele

Espelho que exibe a imagem
Não o sentir da alma
Que exclama da omissão
No odor em seus poros
Por satisfação com nexo
Nos gemidos suados

Corpo nu
Que tacteias em vão
Para teu prazer
E nada descobres
Somente … tu

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

VARANDA DO TEMPO





Da varanda sem tempo
Vejo o cheiro do cacimbo
Ao nascer do dia

As heras secaram
Enroladas nos dias
Esquecendo o calor
Dos meninos que brincavam

Na varanda sentia a roça
Com perfume a café
Que voaram com o tempo
Pois nada disso existe
Apenas na imaginação

Da varanda do tempo
Só vejo o cacimbo
À espera de calor
Dos meninos do passado…

Fátima Porto
Fotografia: David M. Oliveira – Fotografia
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

SOLIDÃO NA PRAIA





Deambulo
Em praia calma
Para ver
Teu bote chegar
Minha agonia é tão imensa
Pois do areal não sairei

Quero-te próximo de mim
No enleio nossos corpos
Minha tristeza é tão grande
Pois só a matarei com teus beijos

Vem célere a meus braços
Desejo sentir teu ardor
Sinto solidão
E gelada sem teu amor….

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

MÚSICA NO OLHAR





Olho-te com música no ar
Leve e solta
Mas profundamente em ti

Quero-te para mim
Como num bolero
Bem juntos no seu dançar

Não tires teu olhar de mim
Para veres minha alma
Estremecer por ti

Olhos nos olhos
Iremos dançar de alegria
Nossa sinfonia de amor….



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

AMOR VIRTUAL





De amor fala-se
Mas amor não fala
Amor sente-se,
Amor expressa-se
O amor é virtual
Não sei onde mora
Só sei que é distante

Não fala meu idioma
Nem eu o dele...
Mas para quê idioma
Para quê falar

De amor fala-se
Mas amor não fala
Amor sente-se
Amor expressa-se
Não precisa de idioma
A linguagem é universal
sente-se nos olhos
Em atitudes,
No carinho

No conjunto de imagens
D’um computador?
Uma velha foto?
Na voz?

Ama-se a alma,
Ama-se a essência
Ama-se o virtual!



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

....





...Ah quantas certezas fizeram de minha boca,
Voz calada,
E engolir lágrimas sofridas que rolavam no meu rosto...

Ah quantas certezas me trancaram no quarto da solidão,
Sentindo a ausência do teu abraço!..


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

À ESPREITA





Que espreitem
Nosso amor
Beijos
Carícias de mel
Ao calor do sol
À chuva

Em nosso mundo
De quimeras
Em abraços meigos
De ardor
Na relva molhada

Que espreitem
E oiçam
Nossas vozes caladas
Em beijos consentidos
De olhares ternos
Permitidos

Que espreitem …


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 20 de novembro de 2012

PALAVRA SAUDADE





Ah saudade
Palavra pequena
Mas que enche o coração
Que flagelas a alma
Golpes profundos, doridos

Essa palavra saudade
Cala fundo
De mansinho
Em nós tristes apertados
Que abafam “ais” sofridos

Essa palavra saudade
Voa no mar da distância
Num sopro em desalinho
Vem sussurrar baixinho

Essa palavra saudade
Cor de fogo com que arde
E de longe traz um beijo
Deixando cair uma lágrima
De um olhar triste e distante

Essa palavra SAUDADE…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SILÊNCIO DE MIM





Lentamente,
Pés vincados
Na fina areia molhada
Tudo desejo de mim
Num silêncio de perguntas
Em eco sem respostas

Voam pensamentos
Que atordoam
E turvam minh’alma

Mar
Que me encantas
Procuro em ti, segredos
Mas nada me dizes

Deixa que minhas lágrimas
Se misturem nas águas
Abafando os soluços
Na espuma das ondas

Docemente uma brisa passa
Secando as lágrimas do rosto
E desviando minha imaginação
Para bem longe…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

NESTA VIDA





Nesta vida esperei
Tanto tempo
Por ti

Em meus sonhos
Vi-te
Toquei-te
E senti-te
Nos braços meus

No sonho que vivi
Despertou minh’alma
E vi-me
Nos braços teus

E para noite não passar
Para o amanhã não te levar
Eu não adormeci

Nossa noite de magia
Os segundos que vivíamos
O tempo roubava-me

E nesse tempo, sem querer
Desejei não te ter
Só para não te esquecer

E quando o amanhã chegou
A noite em meus dias ficou
Numa louca confusão

E nesta vida eu estou
Tanto tempo a esperar
Por ti…


Fátima Porto
ATENÇÂO: Texto registado e protegido pelo IGAC

JUVENTUDE NA DISTÂNCIA





Através de olhos encantados
Vê-se uma menina do passado
Dançando na alegria do futuro
Esquecendo os devaneios do presente

Quimeras que lembram juventude
Vivida, mas não omitida
Num sótão da imaginação

Guarda mares de Saudade
Onde nuvens de lágrimas
Fizeram secar qual rosa em botão
Deixando perfume no presente

Lenços brancos num adeus
Foram caindo
E agitando-se com a brisa quente
Para bem longe voaram

O eco do esvoaçar, ouve-se
Porque mais longe que seja
A distância é pequena
Quando existe alguém
Que nunca nos esqueceu…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 18 de novembro de 2012

ENCONTRANDO A ESCRITA





Retrato
Com pena e tinta
Em papel puro
Pedaços
De vida toldada

Desamores
Ilusões
Lágrimas choradas
Em prantos secos
Escondidos

Existência nula
Magoada
Que faz rolar
Uma lágrima amargurada
Salpicando
Letras ocultas
Manchando a tinta

Em passos lentos
Deixo voar tristezas
Sem nunca olhar p’ra trás
Pois em meus trilhos encontrei-te

Minh’alma delicia-se
No sabor de doce néctar
Por Baco encantado

O prazer d’amar…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

CORRO EM SILÊNCIO





Calo meus olhos
Em silêncio nos sentimentos
Sem lágrimas de culpa
Querendo voar na escuridão
Em busca de ti

Minha alegria
Ao sentir o calor do teu abraço
E num beijo escondido
Irá selar nosso amor

Corro passo a passo
Porém de coração a sonhar
Num tempo sem horas
Em que o mundo
Será nosso…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC