sábado, 8 de dezembro de 2012

VOU ESCREVENDO





Vejo e sinto
Meus pensamentos
Fluírem
Tomarem forma

Vou escrever versos meus
Com pena de tinta preta
Para que as páginas
Não fiquem brancas
De tantas penas minha

São sentimentos
Guardados no meu peito
Tristes
Amargurados
Passados para páginas brancas
Com pena de tinta preta

Esventro meu ser
Rasgo minh'alma
Por letras que não escrevo
Em páginas brancas...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SEPARAÇÃO




Saudades que guardo de ti
O mesmo da terra molhada
És o calor que sonho
Logo ao amanhecer
Como o ar que respiro

Nas praias que invento
De águas calmas, suaves
Sinto a brisa que passa
Tocando no meu rosto,
Pois de tantas saudades ter
Convenço serem beijos teus

Oh Terra que deixei um dia
Que de saudades não calo
Não cortei minhas raízes
Nem a dor que de mim separa…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

É ASSIM…





É assim com esse olhar
Que te quero
Um olhar doce e meigo
De uma cor que nem sei definir

É assim neste pranto
Que meus olhos te vêm
E meu peito te sente
Mágoas de um amor ausente

É assim que me dou
No silêncio das noites sem ti
Que vejo teus olhos em mim
Num querer ainda maior

É assim nosso amor suave
Como nuvem que passa ligeira
Aquecido pelos raios d’um sol de verão
E regado com lágrimas por não puder gritar:
Nosso Amor é Assim!


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

PRAZER/DESEJO





Encontro de paixão
Perdidos em sonhos
Num abraço de desejos
Em beijos de vontades

Constelações de quereres
Inspirados num luar suave
Onde estrelas, talvez a mais brilhante
Dê impulsos inquietos aos amantes

Noite de prazer
Entrelaçados em outra grandeza
Onde não existe limites
Para tamanho anseio

Sentimentos apetecidos
Num remoinho em chama
Clamando gritos abafados
Em horizonte sem fim

Que se incendeiem nossos corpos
Como estrelas de luzes cintilantes
E ardentes explosões como o sol
Onde palavras não têm espaço…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

NOITES DE ÁFRICA





É bom recordar
Com sabor a nostalgia
Noites de magia pura
Quando ao longe os batuques
Ao som do luar
Batiam forte os corações

Das planícies às savanas
Terra vermelha vibrava
Cânticos sentidos em vozes roucas
Com a firmeza das danças
No ondular dos corpos

Minha Terra é tão grande
Que desde o deserto a Cabinda
Batuques diferentes se ouvem
Misturando as cores das roupas
Com as missangas de enfeites

Quero voltar a ouvir
Batuques da minha terra
Em noites de lua cheia…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

NOSSO AMOR





Põe as tuas mãos nos meus ombros
E sente como estremeço
Com os suaves toques
De beijos quase a medo
Onde línguas saciam nossos desejos

Roupas esquecidas pelo chão
Num desvario em receio
Dos corpos enleando-se
Em serpentear delirante
Carícias e dedos deslizando
De anseios queridos

Gemidos sussurrados
Na mistura dos odores deixados
Degustados em conjunto
No prazer completo, inteiro
Numa cama onde lençóis são amor

De mãos dadas
Minha cabeça no teu peito descansa
Soltando um respirar cansado
Mas pleno de paixão
Duma entrega só nossa…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

GERAÇÕES SEM PALAVRAS





Olhar que cala o passado
Num abraço ao presente
Quando se viram as páginas
De vidas mesmo que ausentes

Quero teu colo de aconchego
Minha terra, que saudades
Levar meu sorriso distante
E um carinho no olhar

Sem palavras falar
O que sinto por ti
Lágrimas rolam na face
Embargam com emoção

Juntar gerações
Uni-los num abraço
Falam com um olhar
Num sorriso doce e calmo
Pois minha Terra tem magia…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC
Desconheço autoria e local da fotografia

O MEU LIVRO





Em linhas mal traçadas
De saudade
Ou fantasia
Meu livro em tristezas
Escreverei um dia

Desgostos de minha alma
Penas de meu expiar
Chorar sem lágrimas ter
Quis dissipar da vida
Ainda dilaceram
Ferem

Escrevo em folhas
Dos dias do meu viver
Com tinta de sangue colhida
Tempestades destroçadas
Tanta dor sofrida

Esventro-me
Para alívio
De alma
Confesso calada
Em letras
Junto páginas de dor
Ao livro da minha vida …


Fátima Porto
In “Ecos d’Alma”
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

NOSSO MOMENTO





Sorrisos,
tudo é melodia doce

Hoje e sempre
o encanto dos beijos,
O calor nos abraços,
Cheiro de macho
.
Vibrando felicidade
aperto-te o corpo
vejo e sinto
em sedutor abraço

És carinho e luz
alegria e paz
encanto
doçura e mel

Que calor teu corpo faz
e como é bom
Sentir-te amado

Colorido nobreza tens
justo e merecido é o teu querer

A hora é tua,
A hora é minha,
A hora é nossa.

Tempo resplandecente de amor
Acariciando teu rosto,
Bem perto olhando,
Degusto e cheiro
escuto um tilintar de cores
no sempre de te sentir

Vibro e vivo.

Maravilhoso viver de amor...



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

ROSAS DE SAUDADE





Pus em meu regaço
Perfumados botões de rosa
Para encherem o vazio
Que a tua ausência deixou

Pétala a pétala
Vou desfolhando
Como um pequeno rosário
Das penas da minha alma
Que no silêncio guardo por ti

Sentada aguardo serena
Despojada de sentimentos
Mas minha alma inquieta
Dorida, sofre sem ti

Choro lágrimas de saudade
E dos beijos que não dei
Queria-te bem pertinho
No calor do teu abraço
Sussurrando ao ouvido
Palavras do nosso Amor…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

RETALHOS DA ALMA





Espero
Em retalhos
Que se encaixam
De mim
Cortados
Retalhados
Na alma
Que chora
Num rosto seco
De amarguras

Noite escura
Sem luar
Procuro a luz
Que um dia brilhou
Em estrela cadente

Meu corpo nu
Veste-se
De roupas de nada
Para te dizer
Em palavras mudas
As feridas que sangram
Do meu peito…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

QUE SAUDADES





Tarde triste
A chegar ao fim
Faz-me recordar
Que saudades

Abro a janela
Depois da tempestade
E eu aqui só
No silêncio e na distância
Que saudades

Olho o infinito
Na noite escura
Querendo tua presença
Um abraço meigo
Que saudades

Procuro a luz
Dos teus olhos em mim
Que ilumine nossas almas
E o ondular do mar
Se espraie com o amor
Que saudades….

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 2 de dezembro de 2012

MENINO TRISTE





Tua boca calada
Faz voar sentimentos doridos
Que esventram a alma
Causando lágrimas que rolam
Entre um olhar distante

Sofrimentos abafados
Onde o sorriso de criança, escapou-se
Através dos buracos da camisa gasta

Olhos que mostram
Uma alma perdida na esperança
Sem ouvir, com tristeza
O eco de sua voz

Menino,
Cada lágrima tua
Serão minhas também
Que o vento quente d’um abraço
As fará secar

Meninos da minha Terra,
Quanto dói estar longe,
Sentir quanta tristeza invade a alma
E somente chorar também….


Fátima Porto
Fotografia de : Adalberto Gourgel
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSO...





Uma noite
Que velozmente acabou
Em que nossos corpos
Nus e juntos
Se colaram
Com meiguices e beijos

Nas tuas mãos
Leves, deleitosas
Que em meu corpo erraram
Fazendo-me pulsar
Encrespar a cada toque

Nossas coxas que se aliaram
No enredar d’um amor
Que expandiu-se em enlevo
Enquanto nossas bocas
Cruzavam beijos desejosos

Penso na noite que passou
Onde o amor reinou
Numa ânsia de quer mais…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC