quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

MEUS PRIMEIROS PASSOS




Transformei meus pensamentos
Que de lágrimas rolavam
Nas saudades que apertam o peito
Em nuvens brancas levadas p’la brisa

Doce infância não mais esquecida
Aquecida sob o sol na praia
Saboreando as raízes
E a Família que Deus me deu

São páginas do Livro da Vida
As primeiras que escrevi
De mão trémula mas feliz
Com sorrisos e aplausos
Mas debruadas a ouro

Tempos que não voltam mais
Perdidos na lembrança
Do cheiro da terra molhada
Deixando o perfume das rosas
Que baloiçando desfiz

A Vida passa como um filme
Com personagens reais
Passo a passo, muito rápido
Mas para algumas já houve “fim”

Mas o Livro continua
De páginas em branco a escrever
Trazendo recordações d’um passado
Para viver o presente
Num desejo p’ro futuro…

Fátima Porto
Fotografia de : Bruno Caratão
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

(Apenas uma explicação: o Pai Natal trouxe-me um filme com a minha meniniçe perto e na zona onde Bruno Caratão tirou esta foto...resultado: "devorei" o filme ate às 3 horas da manhã.. e que depois se transformou neste poema)

FASCINAÇÃO AUSENTE




Imaginação criada
Em mim,
Meu doce enlevo
Qual devaneio de teu odor,
Mas a tristeza me invade

Meus olhos não te vêem
O sonho engana na fragrância de rosas
Trazendo ao corpo
Um tremor em forma de véu
De todo o teu carinho

Minhas penas são doridas
E Já lágrimas caíram

Mas como por encanto
E desejo
Tu virás um dia
Em ventos para lá do tempo
Com afagos de paixão
Para delírio meu

A penumbra esconde
Um corpo que simboliza
Tanta angustia calada
Por tua ausência…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ESPERANDO





Vi-te partir com um breve acenar
prometendo voltar...
Olho em meu redor e não te encontro
mas sinto-te presente.

As minhas mãos estão vazias
E a minha alma esgotada...


Eu não oiço o meu grito
porque a dor do meu coração
aperta, sufoca.

Uma lágrima rola na minha face
tímida, mas sentida nesta dor...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PRIMEIRO BEIJO




Olhos que falam
Bocas caladas
A medo pedindo

Beijo
De encanto
Suave delícia
Meigo, desejado

Bocas coladas
Doce arrepio
Sentindo teu corpo
No calor da paixão
Do primeiro beijo

Voa-se na brisa
Flutuando em marés
Dum barco encantado
Sentindo ainda
O beijo roubado ….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

NAS MINHAS MÃOS




Estendo as mãos
e estão vazias.
Um grito
Aperta-me o peito
Abraço-me!

Olho-me ao espelho
As minhas mãos
Continuam vazias...

Sento-me no chão
e sinto frio

Frio, tanto frio...
Mas as minhas mãos
Continuam vazias

Solta-se um grito sufocado
Meu corpo estremece
como de um acordar

Vibra de emoção
suado,
Como depois de amar...
De ser amada...

E as minhas mãos?

Cheias de Amor
Como Eu…



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC