sábado, 30 de março de 2013

LÁGRIMAS DE SILÊNCIO




Cruzo os braços
Para abafar meu grito
Enquanto lágrimas rolam
No silêncio da minha solidão

Olho para o vazio
À procura de tudo,
Mas sua forma é um eco fútil
Pior que o sal que escorre pelo rosto

Calo para não ser entendido
Num canto qualquer,
Pois mesmo doendo o coração
Deixo as palavras caírem
E secarem

Porque limpar
Tudo o que os meus olhos falam?

E em silêncio
Deixo meus braços cruzados
Às lágrimas de tristeza …


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PALAVRAS ESCRITAS




Larguei meu livro
Algures numa praia
Ao fim de tarde
Para que a noite o levasse
E brilhasse junto às estrelas

A brisa virou páginas
Para te levar as mais doces
Em carinhos e beijos

Sente
O teu coração entende
Pois nosso desejo se espraia
Em palavras escritas por nós
Onde o entrelaçar dos corpos
Ondulam ligeiros e suaves
Ao sabor da maré

Deixei o livro numa praia
Onde as páginas são escritas
Com sabor de maresia ao sol-pôr
E com brilho das estrelas
Quando a noite chega

A brisa suave e quente
Agita as palmeiras dos corações
Refrescando saudades
Deixadas escritas num livro
Algures numa praia…



Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 29 de março de 2013

AO SOM




O baile vai começar
À luz do entardecer
Olho a última folha de Outono
Que o vento não levou

Restou um piano
Para a nossa melodia
Que soará baixinho
Só para nós

Sinto tua presença
Sem tempo como a brisa
Com o deleite da suavidade
Entrelaçada em nós

Olhos que sentirão
Mãos degustando sentidos,
No cadenciar dos corpos
Envolvidos no calor do momento

Sons que deixarão
Tremer nossos lábios
Para um beijo pedido
Sem palavras
De olhos fechados
Deixaremos embalar
Nossos corpos na doce melodia…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC
Publicado no Blog e no Jornal On Line Jornalorebate Rebate de Macaé-RJ

quarta-feira, 27 de março de 2013

ENIGMA




Existe um mistério no teu corpo
Que é feito de desejo e mel
Sabe a fantasias quebradas
E sonhadas diariamente em vão.

Existe um feitiço no teu olhar
Que prende as sombras mais fugazes
E encandeia a aurora do meu anoitecer
Sempre,
Sempre sem cessar.

Não sei que segredo esconde a tua boca
Pois nem consigo decifrar-lhe o gosto
Mas vicia...
Cativa...
Prende...

Não sei que enigma nasce na tua voz
Tão doce, sensual, tão limpa…
Quero tê-la uma e outra vez

És capricho, tentação doentia
Tão difícil é amar-te e não te ter
Como ter-te e não te amar

És ânsia, loucura, perdição
Um doce amargo, nu e cru
Que não se deixa de saciar

Quero-te como se quer o raio de Sol
Permanente,
Brilhante,
Inacessível

Desejo-te como se deseja a Lua
Musa de prata perdida na noite

Tenho-te como se tem o Vento
Brisa suave,
Furacão,
Tempestade

Sôfrega, espero por ti
E num minuto me alcanças,
Ou num segundo te evades

E depois nada mais existe,
Nada mais me resta

Apenas a memória do cheiro
A figura,
O vulto
A força do olhar
O calor do abraço…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SONHANDO NO PRESENTE




Olha-me através da distância
Bem no fundo da minha alma
E sente o que sentimos
Pois não é sem razão

É um amor calmo e sereno
Que não tem barreiras
Nem tempo
Como águas de um rio
Deslizando ate seu destino

Queremo-nos tanto
De um amor longínquo
Se faz presente
No aconchego dos braços teus

Em fixo olhar e calando palavras
Silenciamos beijos sussurrados
De tanto amor sonhado…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

RETRATOS



…Retratos de palavras caladas
Que transbordam sentimentos vividos
Nas distâncias perdidas

Retratos molhados
Por lágrimas que rolavam
De uma saudade presente

Retratos amarelecidos
No relógio do tempo
Um passado voltado para o presente
Levado pelas nuvens do futuro…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SONHOS NO OLHAR




Perdi-me num olhar de pensamentos
Esperando p’lo nosso encontro,
Querido, ansiado,
Esquecendo o mundo lá fora

Senti o odor forte de café,
Que arrefecia,
Mas que fazia aumentar o ardor
Da tua presença

Um calor percorre meu corpo
Como se tocasses meu ombro
Numa surpresa calculada
Mas inesperada

Suavemente, as mãos se entrelaçaram
Com um beijo discreto, sereno
Em que os corações desnorteados, arderam
Ousando controlar nossos impulsos maiores

Mas…
Oh vãs quimeras que angustiam o espírito,
Nos sonhos em que vagueio
Enquanto aguardo por ti…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 26 de março de 2013

PANOS PONTEADOS




Cerzi nos panos do tempo
Angústias e tristezas,
Com silêncios de lágrimas
E agulhas de dor

Como as rendas de adornos
Que enfeitavam mágoas,
Costurei palavras na noite
Para adormecer a realidade

E no colo cansado, descansei
Com as mãos vazias de nada,
Num sossego que tardava
Em horas secas de lamentos

Ocultei réstia d’um passado
Consumido nas feridas profundas,
Lavando o rosto
Em panos ponteados no presente

Em abraços de calor
Amanheceu para mim…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

EM TRILHOS DA IMAGINAÇÃO




A brisa tocou suave
Esvoaçando meus cabelos
Como bando de aves soltas ao vento
Fazendo meus pensamentos voar

Caminho entre histórias d’amor
Dum esplendor sem fim

Corpos cingidos
Numa entrega de um tempo esquecido
Onde ruas vagueiam no silêncio
E o mundo existe num quarto

Paixão iluminando olhares calados
Que despertam o tatear de beijos
Desfrutando em ardor

Quantas ilusões sonhadas
Deixando a imaginação dispersar-se…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC
Publicado no Blog e no Jornal On Line Jornal O Rebate de Macaé-RJ

SOMBRAS DE MIM




Calo em sombras que me perseguem,
Como águas mansas
Em leito profundo,
Querendo voar e gritar

Mas minha voz,
Embargada nas lágrimas contidas
Silencia meus dias de angústia
Em asas que não voam

Tenho a solidão por companhia,
Porém se me abraço
Sinto frio

Quantas perguntas sem respostas
E soluções que não desejo
Consentindo que os dias passem
Ou que eu me entranhe neles

Como sinto a ânsia dum clamor
No ardor das lágrimas largadas ao vento
Mesmo que no silêncio da noite…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC
Publicado no Blog e no Jornal On Line Jornal O Rebate de Macaé -RJ

segunda-feira, 25 de março de 2013

RUGAS DA VIDA




Os olhos fechados
Como quem cala as amarguras,
Deixando cair uma lágrima
P’las rugas, cravadas da vida

Alma que se esconde
Numa boca em silêncio,
De histórias que o corpo lavrou
Perdendo a conta dos anos

De panos negros envolta
Como a solidão das noites presentes
Abafada num passado remoto
Sem deixar cair um lamento

Onde vivem pensamentos de quimeras
Outrora tidos,
Sem queixumes de vãs lembranças
Num coração amordaçado
Na tristeza da Vida…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PÉTALAS DE SONHO




Vamos partir
Em barco sem velas
Pétalas de rosas ao vento
O levarão
Dentro da fantasia

Paixão
Sonhada
Voga a barca
Em brisa leve
Como pássaro a voar
Junto ao mar

Vai deslizando
O batel
Como a fantasia
Te ter junto a mim
Ao longo das águas mornas
E não mais acordar

Abraça-me
Quero sentir o teu calor
A brisa está fresca
Sinto um arrepio

Oh a janela do quarto
Estava aberta
O meu barco
Era um sonho.


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 24 de março de 2013

QUANDO




Quando eu sentir teu odor
Ao ir e voltar num por de sol
Perto de uma praia

Quando eu sentir a brisa sobre as palmeiras
Como missangas tilintando
Num corpo a ondular ao sabor da música

Quando ouvir os batuques ao entardecer
Ritmados por marimbas
E o chão tremer e pó levantar

Quando me deliciar no gosto doce das frutas
No sabor acre-doce de tambarinos e mucua
E no esplendor das acácias rubras

Quando me sentir no teu encanto
Do calor dos ramos num abraço
Nas sombras dos silêncios gritarei teu nome

Quando,
Em vez de meu pensamento voar
Eu poder dizer, voltei para ti, minha terra…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

EM SILÊNCIO




Pelos vãos das janelas
Correm angústias
Atiradas ao chão
Voraz como lixo

Torturam e doem
Desfazendo a alma

Como o peito aperta
Nessa ansiedade
Em sufoco no silêncio
De palavras sujas nas paredes velhas

Quero gritar
Soltar minhas lágrimas
Em desabafo da minha solidão

Colo e mãos vazias
Num desejo louco de te ter
Mas pouco a pouco
Apenas sinto
Rolarem lágrimas…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 23 de março de 2013

EU SEI




Eu sei,
Quando o sol se põe no horizonte
As lembranças voam
E o coração estremece

Eu sei,
A noite espreita pelo silêncio
Iluminando ruas na imaginação
Sentindo tua presença

Eu sei,
O toque meigo dos beijos,
Do olhar profundo de vontades
Num aconchego de enlevo

Eu sei,
O amor não tem distância
Clamando ao vento que passa
A ausência não existe…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

VOU GUARDAR




Vou guardar todas as emoções
Todo o calor em mim
Num céu onde o sol se despedia

Vou guardar toda uma loucura
Em abraços tidos
Onde a paixão é incontida

Vou guardar nossas mãos dadas
Em corpos unidos
Lentamente pela noite fora

Vou guardar nossas palavras em olhares
Sussurradas mansamente
Em silêncio ditas, entre arrepios sentidos

Vou guardar tudo de nós
Só para nós…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 22 de março de 2013

DISTÂNCIA DISSIPADA




O relógio parou
No tempo do calor d’um abraço
Em que gotas da chuva
Se fundiam nas lágrimas
Dos beijos com sabor a sal

Minutos, segundos,
Esquecidos
Em roupas inundadas de ardor
De corpos no enlevo
Pois demorava em acontecer

Oh tempo,
Quiseras tu omitir a distância dissipada
Num momento louco de paixão,
Em que as horas, consumidas em silêncio
De quimeras nos olhares
E realidades em beijos…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PERDIDA




Ondas do mar
Batem nas rochas
Ecoando espuma p’la praia

Minha alma voa
No ondular das marés
Em segredos não ditos
Mansamente calados

Abraço-me no horizonte
Confortando meu cansaço
Em sonhos de emoção
Dos ecos de fascinação

Perdida,
Quero alcançar-te
Nesta distância, ouvindo o mar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

NA DANÇA




Segura bem a cintura
E cola nossos peitos
Corações em compasso
Olhares n’alma
Num desnudar de passo largo!

Um beijo
De sentimento
Sem palavras
Consentido!

Música vibra
De rodar na dança…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 21 de março de 2013

MURMÚRIOS AFINADOS




Dedilha no silêncio da noite
Acordes de paixão
Segredando às estrelas
Iluminando nossa melodia

No encaixe perfeito
Trilhas a escala dos corpos
No murmúrio esculpido em nós

Murmúrios,
Em momento que é nosso
A cada instante de desejos
De corações descompassados
Mas afinados, vibram

Ao longe
O som de violinos ecoa
Leve e doce,
Como o toque e caricias
Entoado em nossos corpos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

AMOR DA INOCÊNCIA


21 de Março - Dia Internacional da Síndrome de Down
---------------------------------------------------------------



…Oh doce espelho da inocência
Com que vais abrindo os trilhos
No mais puro e angélico amor
Aos olhos de uma criança…

Fátima Porto.

SOU CRIANÇA


Dia Internacional contra Discriminação Racial
------------------------------------------------------



Sim, tu
Que caminhas com indiferença
À minha presença
E sacodes-me como a um animal
Sou um ser que o Mundo acolheu

Sim, tu
Que nunca agradeces o que tens
Que passeio a fome e o frio também
Deixa-me sonhar em lençóis de calor
E sorrir na palavra amor

Sim, tu
Não vires a cara para outro lugar
Minhas lágrimas secaram
E transbordaram na chuva

Mas se tens Amor
Olha-me nos meus olhos
E vê a minha alma
Tesouro de um futuro

Eu sou…
CRIANÇA DO MUNDO…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

POETAS


PELO DIA INTERNACIONAL DA POESIA, se não fossem os Poetas....




Ah Poetas
Que gritam aos ventos
Seus pensamentos
Dores e paixões
Em tempestades
Arrancando da alma
Esventrando do Ser
Angústias choradas

Ah Poetas
Semeiam Amor
Nas palavras que sentem
Escritas com ardor
Vibram em desejos
Explodindo
Em segredo
De ais abafados

Ah Poetas
Passeiam
Viajam na imaginação
Que afagam encantos
Uivando ao Luar
Em fantasias fatais
No silêncio da noite
Igual a um conto de fadas

Ah Poetas... Poetas
Perfeito o seu sentir…


Fátima Porto
In “Ecos d’alma”
Texto registado e protegido pelo IGAC

DESEJO EM FANTASIA




Afaga-me na loucura
Com teu querer,
Deseja-me
Com tua paixão,
Beija-me cegamente
Com tua meiguice,
Acaricia-me mansamente
Com teus dedos

Desejo-te em fantasia
Só para mim
Em olhares profundos,
Pois proferem no calor de silêncios,
Em corpos colados num sonho
Almejando para além do limite
Ser apenas um só

Degustamos o vinho
Em beijos suculentos
Por nossas bocas tidos,
E no calor de um abraço
Querendo mais
Pois dura de tão pouco ser ….


Fátima Porto
Registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 20 de março de 2013

NADA E TANTO




Como deixaste um sabor a pouco
Dos teus beijos cor de fogo
Quão doces lábios meigos
Que na minha boca sussurraram
Ecos do amor p’la distância vertidos

Palavras mudas
Nuns olhos que vêem calados
E um desejo de querer
Do nada a ser tudo
Quando nossas bocas se uniram

Beijos roubados
Consentidos
Mostrando na saudade,
Mas que nunca fora esquecido
Porque confirmou profundo amor
Aos sete ventos celebrado

Nada e tanto
Não sei
Que importa…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PRAZER/DESEJO




No encontro da paixão
Perdidos em sonhos
Dum abraço de desejos
Em beijos de vontades

Constelações de quereres
Inspirados num luar suave
Onde estrelas, talvez as mais brilhantes
Dão impulsos inquietos aos amantes

Noites de prazer
Entrelaçados em outra galáxia
Onde não existem limites
Para tamanho anseio

Sentimentos apetecidos
Num remoinho em chama
Clamando gritos abafados
Em horizonte sem fim

Que se incendeiem corpos
Como destino de verdades fascinantes
E ardente arrebatamento
Onde promessas não têm lugar…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 19 de março de 2013

A TI PAI/SAUDADE




Saudade
Palavra que atrofia o coração
Faz doer na alma
E rolar um lágrima

Saudade
De um abraço terno
Um beijo amigo
Querer bem

Saudade
De uma ausência
Que permanece
Presente
Embora escondida

Saudade
É o que sinto de ti
Dos teus carinhos
Palavras doces
Do meu colo que foi teu

Saudade
Palavra triste
Que ao dizer-te adeus
As minhas lágrimas secaram
Num grito sufocado

Tenho saudade de ti
Meu Pai


Fátima Porto
Fotografia de autor desconhecido, da Igreja de Nª Srª Pópulo-Benguela, onde o meu Pai foi batizado.
Texto registado e protegido pelo IGAC


ESTOU COM SAUDADES


ESTOU COM SAUDADES

SAUDADES do teu olhar
SAUDADES da tua voz
SAUDADES dos teus conselhos
SAUDADES até de quando ralhavas
SAUDADES de quando eu encostava a minha cabeça no teu ombro

SAUDADES...

SAUDADES de quando falávamos em silêncio
SAUDADES de ouvir o teu clamar p’la terra que te viu nascer
SAUDADES das lágrimas que derramaste por não poder voltar
SAUDADES por não te ter aqui

ESTOU COM SAUDADES, MEU PAI…

Fátima Porto
Fotografia de : Bruno Caratão - CATUMBELA
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 18 de março de 2013

CADA NOITE




Pensando em ti
Cada noite que passa
Perco-me no viajar de amar
Descobrindo para além do horizonte
Locais imaginários
Por nós tidos

É no silêncio de cada noite
Que em pensamentos
Trilhamos nossos caminhos
Explorando nossa paixão
Esperando o ansiado beijo

Será em cada noite
Que o manto de ardor nos cobrirá
Deixado pelas réstias d’um sol escaldante,
Em areias, numa praia deserta
Ou num quarto vestido de nós
Onde a brisa calará corações

Trarás cada noite
O aconchego de ti
Para me sentir mais perto,
Parecendo um encaixe longínquo,
Exibindo em nós todo deleite
D’uma paixão querida

Cada noite…


Fátima Porto
Fotografia de : Adalberto Gourgel
Texto registado e protegido pelo IGAC

FOGO EM GRITO




Meu corpo
Uma fogueira
Na penumbra da noite
Que incendeia
E se destroça
Lentamente

Na alma
Queimo em chamas
Labaredas acesas
Que flamejam
Toda a crueldade

Dou gritos ateados
Aos ventos
Matizando ao meu redor
Estrelas cadentes
Com mais fulgor
E mais esplendor

Se consuma todo este fogo
No corpo e alma
Cuspindo as angústias
Vibrando um coração apaixonado
Num abraço que nos una
Com um beijo que sele
Todo este amor …


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 17 de março de 2013

PERDIDA NO ECO DUM BÚZIO




Guardei -o fundo
No mar do meu Ser
Nas entranhas de minh’alma,
E coberto de saudades
Da praia d’onde o encontrei

Navega seguro
Nas minhas recordações,
Como as areias quentes
Dos abraços perdidos em mim

Aconchego nele
Deixando-me levar em sonhos
Até adormecer
Sem ouvir o meu eco

Em silêncio,
Vesti memórias guardadas
Tentando encontrar búzios perdidos,
Com um corpo despido de nada
Mas aquecido serenamente,
Num abraço de mim…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

EU E TU




Não digas nada,
Eu e tu somos metades
Que se completam
Por inteiro

Nada digas,
Porque palavras seriam demais
E por inteiro falamos
Mesmo que a distância
Se instale entre nós

As bocas caladas
Falam p’los nossos olhos
Em que corações ardem
Pelo nosso amor

Não digas nada,
Nossas metades estão unidas
Numa paixão que cuidam
E por ela vivemos

Tu e eu
Eu e tu
Somos apenas só um…


Fátima Porto
Registado e protegido pelo IGAC

FUTURO PERFUMADO




Pétalas são deixadas ao acaso
Nos sentimentos
Para sarar feridas nossas
Que um destino nos legou

Sem espinhos vamos unir
Flores de nossas almas
Na fragrância de beijos
E em calor de abraços

Flores velhas são passado
Que um dia por nós passou
Viveremos o presente
Num preparo do futuro
De flores novas
Perfumadas


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 15 de março de 2013

QUANTOS




Quantos pensamentos voaram
Para não mais voltarem
Deixando um olhar vazio
Perdido no horizonte

Diz
Quantos…

Quantas vidas dispersas
Sulcando teu rosto
Outrora formoso
Em rugas vincadas

Diz-me
Quantas…

Quantos amores largados
Sucumbidos, desfeitos
Por mulher submissa
Esventrando o peito
Escondendo lágrimas
E do nada fez tudo

Diz-me
Quantos…

Quantos beijos sonhaste
No ardor da mocidade
Trancados, esquecidos
Num quarto frio e vazio
Onde cortinas voaram em imaginação
Rasgadas p’lo tempo

Diz-me
Quantos …

Quantas tristezas guardadas
Com gosto de fruto amargo
Se lavaram na alma com perdão
Tentando esquecer um passado presente
Aninhando o corpo no próprio calor

Diz-me
QUANTAS…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 14 de março de 2013

PALAVRAS PARA ANGOLA




Vou até ti
Minha Terra
Em aviões de imaginação

Recordações de juventude
Que trazem saudades
Dos dias vividos
E emoções sentidas

Mando-te palavras d’alma
Com a beleza das acácias
Também a lágrimas empoeiradas
P’la terra vermelha crestada

Mando-te palavras do coração
Com a doçura das frutas
E dos cheiros
Que fechando os olhos, ainda sinto

Mando-te palavras d’um abraço
Forte e imenso
Como se meus braços, os ramos
Do velho imbondeiro à beira do caminho

Para ti, minha Angola
Mando-te palavras de calor
Como o por do sol à tardinha
Numa praia qualquer….


Fátima Porto
Fotografia de : Adalberto Gourgel
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 13 de março de 2013

CONSEGUIR VOAR




Faço montes na areia
Numa praia por inventar
Olhando o mar no horizonte

Deixo que meus pensamentos voem
Na brisa suave que passa,
Como pétalas perfumadas de sorrisos
Que vogam nas ondas mansas

Quero voar também
Ir para terras distantes
Levar a esperança na alma,
Alva, como a espuma do mar

Deixem-me conseguir asas
Nos desejos e vontades
E soltar meus desejos
No deleite de uma praia qualquer…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC
Fotografia de : Bruno Caratão

VOLTAREI PARA TI




Deixem -me subir ao morro mais alto
Na noite do meu regresso
Para dizer às estrelas que voltei

Voltarei
Sim, voltarei
Mas meu grito será abafado
Em lágrimas de júbilo
Pelo meu regresso

Que se afastem
Para que o meu choro
Enxugue todas as Saudades
Contidas e fechadas na minh’alma

Que o luar me abrace
No calor da noite,
Onde a terra escalda
Com os raios de sol

Sinto ainda o ardor no sangue
Que corre como rio selvagem,
Como o da minha terra,
Desaguando calmo e sereno
Em praias deslumbrantes

Ah minha terra,
Voltarei, sim voltarei
Numa noite envolta em manto de luar
Despedindo-se das estrelas
Para que eu veja o veludo do sol
Num lindo amanhecer

Quero sentir a brisa da minha intenção
Encher meu peito
Para poder gritar
Voltei para ti, minha Terra…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 12 de março de 2013

PALAVRAS




Letras espalhadas no areal
E levadas p’lo vento
Por gaivotas livres
E num mar que as recebe

Abro minhas mãos
Que seguram palavras
Mas que se esgueiram
Por entre os dedos

Escondo-as atrás das rochas
Ou mesmo numa cova
Mas o mar
Vem …
E volta
Para as levar

Palavras …

Escrevo na areia
Palavras da alma
Pedindo ao mar e ao vento
O teu regresso

Mas eles não me ouvem
Levando-as
E eu fico à espera de ti

Palavras…



Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SEM SOM




Piano despido
De choros e lamentos
Em acordes
Trinados de lágrimas

Já não se ouvem melodias
Percorrendo a escala
Em oitavas
Até ao suave da alma

Foste-te despindo lentamente
Dos bemóis e sustenidos
Numa pauta de emoções
Deixando o lamento emudecer

Resta somente um piano fútil
Calou para sempre sentimentos
Que um dia fez vibrar…



Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 11 de março de 2013

GESTOS




Fechando os olhos
Vagueio pelo teu corpo
Tacteando nas palavras sussurradas

Dispo-te livre no tempo
Com ecos de passos ligeiros
Em gestos de paixão,
Falando em silêncio

A noite acontece em nós
Quando as mãos se entrelaçam,
E os corpos se cruzam
Nas sombras de pensamentos
Dos beijos dados

Rompe-se o silêncio
Em rumores abafados
Num amanhecer desnudado,
Transbordando tudo o que há em nós…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

RÉSTIA DE LUZ




Palavras retalharam rugas de histórias
Que são lidas em mãos castigadas
De uma tristeza perfumada
No embranquecer de cabelos

Desfizeram-se sonhos, como por magia
Rodeados em trapos velhos
Em vidas de amargura
E em Outonos de esquecimento
Num banco qualquer

Réstias de luz
Iluminam a solidão…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LÁGRIMAS NÃO CHORADAS




Enrosquei-me,
Chorei
Lágrimas de um destino
Secas de palavras

Desnudei-me em pensamentos
De quimeras vãs
Num colo de ilusões

Abracei minh’alma ferida
Dando-lhe calor em dia de tempestade,
Mas a chuva queimava o corpo
No misto das lágrimas que não chorava

Quisera eu voar
Apartando para terras remotas
Vivendo sonhos e fantasias
Sem lágrimas nas palavras…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 10 de março de 2013

NOSSO AMOR/UMA NOITE




Olhando a alma
Senti o calor
D’um coração a pulsar

Entregaste-te te, como uma rosa
Exalando perfume da paixão
Onde me acolhi
Perdida em teu beijo

Entre o sonho e a realidade
Eu vivo, amor

A força superior está neste ardor
De uma noite,
A que sonhamos, para nosso amor
Apenas uma noite

E entre a realidade e o sonho
Vivemos, amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

....


….

…No livro do passado
Escreve-se o presente
Que nos dará Esperança
Para o Futuro

A Vida é feita de incertezas
Num preparo de certezas para a Felicidade…


Fatima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

....


….

…Não te deixo de ver
Em pensamentos que voam

És o meu acordar
Mas também,
O aconchego no silêncio da noite…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 9 de março de 2013

COMO QUERO




Como quero beijar tua boca
Não só uma vez
Mas as vezes que o meu coração pedir

Como quero sentir teu aroma
Aquele que teu corpo exala

Como quero tocar teu corpo
Conforme vejo em sonhos

Como quero ouvir tua voz
Bem perto do ouvido
Sussurrando palavras de carinho

Como quero olhar teus olhos
Bem dentro da alma
No calor do respirar
Como vento sem destino

Meu corpo clama
Como te quero
Minh’alma chama
Como barco sem leme
Te desejo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

DESPEM OLHARES




Tua mão ao tocar de mansinho
Sinto arrepios

Teu olhar em palavras doces
Que me despem lentamente
No silêncio da noite,
Faz meu corpo tremer

Leva-me em ti
No aconchego d’um beijo
Em deleite de afagos
No calor do teu colo

Estremeço na tua voz
No sonho de tantos quereres,
E vontades que sussurram
Promessas secretas dos corações

Dou-te as minhas mãos
Para que mostres o céu
Entregando-te, amor…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 8 de março de 2013

TU… MULHER




Mulher que te transformas
Por raiva
Ódio

Mulher que te flagelas
Por tua dor
Angústia

Mulher que te escondes
Da doença
Da morte

Mulher que vives na solidão
Sem família
Sem amigos

Mulher que não choras
Sem alma
Sem esperança

Mulher que te renegas
Sem luz
Triste

Esta Mulher simplesmente
És tu… Mulher.


Fatima Porto
In "CAPAS"
Texto registado e protegido pelo IGAC

MULHER




Não importa seu corpo
Se é delgado
Ou nem por isso

Se passa despercebida
Ou se chama à atenção

Mas é MULHER
Acima de tudo!

Quantas vezes caíram
E outras tantas se levantaram

Que sonha
Tem desejos
Que se doa
Chora,
Ama

Mas é MULHER
Acima de tudo!


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

MULHER SIMPLES





Descompliquem
o que nada há de complicado
no simples corpo de uma Mulher

Na sua nudez,
nos seus afagos
carícias,
faz criar desejos,
quereres e vontades

Um voar na louca imaginação
onde beijos
que línguas que se trocam
se envolvem,
Num deslizar na pele suave
com perfume de rosa

Estimula sentidos
com respiração
que acelera
Um despertar
voraz de fera

Mas com suavidade
de quem não quer perder
Cada sonho tido
Até se tornar realidade


Esta mulher é simples, é natural...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ANJOS OU DEMÓNIOS