sábado, 13 de abril de 2013

TENHO SAUDADES TUAS




Queria ter-te aqui comigo,
A meu lado,
De mãos dadas
Olhos nos olhos…

Rodear tua cintura
Apertar-te contra mim
Sentir teu corpo…

Desejar o teu desejo
Sentir o pulsar do coração
No aconchego do teu peito
Beijar-te a boca
Sentir o que muitas vezes senti…

Tenho saudades tuas…

Chamar o teu nome
Ver o teu sorrir
Estar onde estás mesmo estando contigo,
Não ontem nem hoje, mas, sempre

Perder-me no teu enleio
E jamais encontrar desculpas,
Viver os caminhos e os atalhos que se trocassem à nossa frente
E esquecer o tempo que nos envolve
Omitindo a dor da ausência, pelo teu mélico desejar

Tenho saudades tuas…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

VIBRAR DE MUNDOS




Seguro tua mão com firmeza
E tremo…
Sentindo um estremecer
Num beijo pedido

Como meu coração
Bate forte
Descompassado
Calado por ti

Meu mundo é teu
Cada vez mais seguro
Girando em olhares profundos
Pois por nós irão falar

Queremo-nos assim
Mãos entrelaçadas
Silenciando vozes
Adocicando beijos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 12 de abril de 2013

SUAVEMENTE




Vou largando tua roupa, serenamente
De olhar sensual,
Descobrindo a pele nua de pudores

Degusto no toque de teus lábios,
Uma respiração quente
Que me faz estremecer

Solto das sombras do meu esconderijo
Sentindo em cada beijo uma brisa de desejo
E em cada toque um sussurro de ardor

Em afagos de sentimentos meus
Vais murmurando,
Num anseio de doação

E olhando para os teus olhos
Desvendo os mistérios da Alma
Porque, mansamente,
Eu também te quero…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

TALVEZ UM DIA




Um dia,
Vou transformar os sentimentos em palavras,
Os que me perturbam a intenção

Um dia,
Vou conseguir dizer tudo
O que penso,
O que sinto,
Mesmo que distante

Um dia,
Vais saber as lágrimas que choro
E que angustiam a Alma
Pelo fogo da saudade

Um dia,
Vais sentir que és o sangue
Que me dá vida, porque me corre nas veias,
E uma vontade louca de viver

Um dia,
Quando te tocar,
Direi: Angola, minha terra
És a minha razão de Viver

Um dia…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 11 de abril de 2013

ESPERO




O tempo não gira,
E as horas,
Indiferentes à saudade
Desconhecem meu querer

Vem, não demores
Pois meus olhos almejam ler
A tristeza de tua alma
E o desejo escrito no teu rosto

Aconchegada ao teu peito
Não preciso de mais nada,
Apenas teu sorriso
E sentir o respirar
Numa fragrância enleante

Vem depressa,
E sem pressa de voltar
Esquecendo as horas,
Apenas o presente

Iremos soltar correntes
Que pendem da memória,
Entre risos e suspiros
Violando os sentidos

Vem,
Queremos um amanhecer
Numa noite ensolarada…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

TER-TE PARA MIM




Como te queria ver,
Matar esta saudade que tortura

Queria olhar para ti
Ouvir a tua voz
Tocar-te,
Beijar-te,
Revelar-te quão falta me fazes

Queria ter-te perto
Estar cada momento ao teu lado
Dar e receber beijos apaixonados
Sentir o teu corpo suado
Estar em tuas fantasias
Como um sonho iluminado

Ansiava poder acordar contigo
Dormir, os dois abraçados

Desejava dizer:
Bom dia amor!

Apetecia-me trazer café da manhã
Amar-mo-nos pela manhã

Saborear a vida contigo

Pois só queria…
Ter-te para mim…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

COMO É TRISTE




Como é triste ver o por do sol
Sem brilhar nos teus olhos,
Sentir a chuva
E não poder alcançar num abraço
Ou ouvir a nossa melodia
E não poder trauteá-la para ti

Como é triste sentar no banco de um jardim,
E não ter o aconchego do teu colo,
Vaguear de mãos nas mãos,
Beijar-mo-nos à luz da lua
Esquecendo que estamos a ser vistos
Por olhos de felicidade

Como é triste,
Pois só sucede em sonhos meus…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 10 de abril de 2013

DESNUDAR-ME




Quero desnudar-me
Erradicando do peito todas as verdades,
Romper as minhas roupas de saudade
E dos poros, meus anseios

Quero desnudar-me
E sentir a chuva molhar a alma
Lavando sentimentos
E sair por aí, sem opressões

Quero desnudar-me
Soltando as lembranças ao vento
Largando-me, calma e livre
Para esse amor desejoso

Quero desnudar-me
Descalçando as esperas de angústias,
Para o aconchego dos versos meus…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 9 de abril de 2013

TANTA COISA




Tanta coisa para te dizer
Se contigo pudesse estar
Descrever-te o que sinto
Do quanto dói tanta saudade

Abraçando-te na imaginação
Com mágoa no peito,
Queria cobrir teu chão vermelho de beijos
Dizendo que te amo à minha maneira

Tanta coisa queria dizer
Mas abafam-me as palavras
Que se estivesse contigo
Nem precisava escrever

Estando tão distante e tão perto
Numa ausência de esperança
Queria ver-te da minha janela
E sentir o cheiro do sol a pôr-se

Tanta coisa para te dizer
Nem sei onde começar,
Se do amor, ou saudade,
Por estares sempre no pensamento
Minha terra,
Minha Angola que eu Amo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

HOJE




Hoje,
Quando respiro e suspiro
Sou como a brisa silenciosa,
E minhas palavras um grito
Dum corpo que procura um porto

Hoje,
Alma que vagueia em melodia que te enlaça
Na presença em teu redor
Com uma fragrância na pele,
Chamando-me para dançar
Trazendo nosso amor ao luar

Hoje,
Como bela e sensível borboleta
Que em teu corpo quer poisar
Numa sede de amar
Até o vendaval cessar

Hoje,
Sou palavras caladas
Em que meus lábios gritam teu nome
No enleio de ser e fazer feliz

Hoje,
Quero ser tua saudade
A lágrima que chora d’amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 8 de abril de 2013

QUIMERAS NA TUA PELE




Sinto-me invadir o teu mundo
Em noites quentes,
Quando o toque cálido de minhas mãos
Passeiam pelos teus poros

À luz do silêncio de teus lábios
Percebo um rumor mais íntimo
Ao toque sensual em tua pele

O calor de teu corpo é anseio
Que deslumbra meus sentidos
E faz despertar desejo

Meus olhos ensandecem,
Deixando-te simples,
Ao toque dos meus lábios…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

É ASSIM…




É assim com esse olhar
Que te quero
Um olhar doce e meigo
De uma cor que nem sei definir

É assim neste pranto
Que meus olhos te vêm
E meu peito te sente
Mágoas de um amor ausente

É assim que me dou
No silêncio das noites sem ti
Que vejo teus olhos em mim
Num querer ainda maior

É assim nosso amor suave
Como nuvem que passa ligeira
Aquecido pelos raios d’um sol de verão
E regado com lágrimas por não puder gritar:
Nosso Amor é Assim!


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

CHORO SÓ




Minha alma dói
E as palavras que digo
São lágrimas
Que rolam no meu rosto

Meu sorriso desapareceu
Com o fumo da mata,
Num olhar cheio de nada
Que faz transbordar tempestades,
Em choro incontido,
Sentindo-me sozinho

Sustenho gritos abafados,
Numa terra tão grande
Que minhas pequenas mãos não alcançam,
Mas mostrando minha força
Não pendendo os braços
Num prevenir do futuro…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 7 de abril de 2013

CORPOS COLADOS




Nossos corpos colados
A tua respiração na minha
Nosso beijo
Uma paixão

Mãos que vagueiam
Teu sussurro me prende a ti
Somos almas ao vento,
Mas numa só

O teu toque pelo meu peito
O teu olhar no meu
Assim como sem jeito
O meu corpo é o teu

E a espuma das ondas vem
Como se o mar viesse também
E não sabemos quem somos

Sussurros na noite, abraços apertados
Entusiasmo abrasador, como barcos parados
Sensações ardentes,
Quando em ti me sentes

Olha-mo-nos nesse momento
E foi como sentir o vento,
Em corações acelerados
Num só corpo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

DOCES MISTÉRIOS




Como invadem
E cercam
Segredos de mim
Como jóias guardadas
Na minha alma

Doces devaneios
Quero ocultar
Sentindo no peito
Tamanho enleio de ti

Teu poder
E luz
Dão-me alento,
Quão saudades tuas
Reservadas em mim
De tanta nostalgia e dor …

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC