terça-feira, 30 de abril de 2013

A TI HOMEM




Que tens sentimentos
E voas na imaginação

Que sofres
Mas a tu’alma está dilacerada
Com vontade de chorar
E que sentes a solidão

Vives a dor dos outros
Esquecendo a tua,
Esperando apenas o calor d’um abraço

Porém achas que chorar não é de Homem
Mas apesar forte, fraquejas
E por vezes escreves, para desabafar
Porque teu acalmar é mudo e disfarçado do Universo
Pois fazes-te parecer forte,
Por seres Homem

Sim, a ti Homem,
Chora,
Ri,
Ama,
Não te escondas, porque a solidão dói
E és um Ser Humano com sentimentos…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

....




…Elevo oásis de pensamentos
No sol cor de púrpura
Que aquece minha alma e corpo
Na sede do desejo de ti…

Fátima Porto

segunda-feira, 29 de abril de 2013

NAS ONDAS DO TEU ABRAÇO




Navego em sonhos,
Como em mar de calmaria
Ou tenebroso,
Através de nevoeiro,
Sendo tu, o farol que me guia

É em teus braços que me abrigo,
Das ondas revoltas,
Como meu porto seguro

Teu sorriso no olhar,
É como brisa que passa,
E teu corpo, como o mar,
Espreguiçando-se nas areias da praia,
Onde minha alma se liberta

Unidos navegamos num único mar
Onde nossos corpos se colam,
Em noite de estrelas,
No calor d’um abraço…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

....


….
…Páginas em branco,
Regadas em mares longínquos
Escorrem gotas num corpo deserto de ti,
E escritas com tinta seca
Palavras que a minha alma esconde…


Fátima Porto

domingo, 28 de abril de 2013

ÁFRICA POR DESVENDAR




Povos d’África
De negro tingido,
Sofrendo, de lábios sorrindo,
Na fome d’um abraço

Vive momentos
Como por magia,
Na doce-amarga vida,
Em que sopra a brisa
Semeando sua presença

Nos cânticos negros
Fazem-se transportar ao passado-presente,
E com a mesma enxada
Plantam no actual momento
Um futuro incerto

Ah povos d’África,
Plenos de segredos que pairam no ar
Ainda por desvendar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

NO TEU OLHAR




Quero navegar no teu olhar,
Como as estrelas cintilantes
Brilhando em noite escura

Estender meus braços no olhar,
Dormindo no teu manto
E deixar-me levar em sonhos

Quero o beijo do teu olhar
Feito de carícias, desejos,
Voando no toque p’lo amanhecer

Quero amar no teu olhar,
Esta noite, sempre,
E nele descansar o meu olhar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 27 de abril de 2013

TUA FALTA




Vi-te e parti,
Ficou a saudade
E como me fazes falta,
No sentir dum vazio,
Na solidão

Como faz falta
O teu sentir,
O calor dos teus abraços,
Teus beijos,
O estar aqui, neste momento

Ah como me fazes falta,
Tanto como o ar que respiro,
O sorriso no teu olhar
Nas noites que não durmo,
E fazes amanhecer contigo

Como fazes falta,
No aconchego do entardecer
Ouvindo tua voz,
Olhos nos olhos

Fazes-me falta…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 26 de abril de 2013

COMO EXPLICAR




Como hei-de explicar
Se tenho dias que amanheço
A pensar em ti,
Nos teus carinhos, longe do meu corpo,
E que clama por eles

Como explicar,
Pois te apoderas dos pensamentos,
Ainda que em sonhos,
Beijas-me,
E nosso olhar fala

Como hei-de explicar,
Que te sinto tão perto
Como se entre nós, não houvesse distância

Como explicar,
Que ainda sinto o calor do abraço
No teu aconchego,
E fico a pensar
Que a vida sem ti não é nada…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

BARCO DO DESTINO




Por momentos,
Levanto os olhos, ao leme das saudades
Para sentir a brisa e o calor
Que acariciam meu rosto
Fazendo aflorar sentimentos

Com um sorriso,
Meu coração bate descompassado,
Olhando o horizonte,
Dizendo sem palavras
Quão bela é a Vida, a Felicidade

Que rufem os tambores,
Em cânticos de alegria
Onde os corpos ondulem na melodia,
Com as palmas,
Nos ecos p’lo anoitecer
Numa beleza sem igual

A imaginação voa,
Como bando de gaivotas ao por do sol,
Acalentando,
Vibrando,
Dando energia e emoção,
Numa esperança que renasce

E em minha barca de quimeras
Conduzo meu destino,
Repleto de desejos e vontades
Que só olhos distraídos
Não percebem…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC
Fotografia de : Adalberto Gourgel

OLHANDO O CÉU




Espero tranquila
Mas com saudades
Que a lua reflicta no mar
O caminho até mim
E aquecer meu coração

Meu semblante triste
Olha o céu, um sinal,
De um regresso teu
Até meus braços vazios,
Sem teu calor

Quero teu esplendor
Que me faz viver
E adormecer em sonhos
Com tua presença em mim

Como o coração bate
Num aperto da minh’alma
Nesta distância que nos separa
Pois todo este desejo é nosso

Mas será nas pequenas coisas da Vida
Que encontraremos a Felicidade…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 25 de abril de 2013

SONHO/REALIDADE




Quando os sonhos se tornam realidade,
E as lágrimas são de alegria,
Sentir o ar mais transparente,
É a minha paixão por ti

A minha voz no silêncio
Vem do coração, e tu entendes,
Cheia de verdades nossas

Na minha imaginação,
Pressinto tua presença
De sorriso perfeito
E um gosto leve no olhar

Meus olhos brilham
Porque sem saber,
Sempre te tive no coração,
Ligado à minha Alma,
E coberto de beijos intensos

Somos um só ser
De tanto querer…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 24 de abril de 2013

QUERIA APENAS




Queria olhar-te
Perder-me em memórias
Guardadas, lembradas
P’los trilhos da distância

Queria apenas abraçar-te
Sem nada dizer,
Para te beijar
No enlevo do momento

Queria sentir-te
Ouvir,
Chorar e rir
Ou simplesmente ficar quieta

Queria amanhecer ao teu lado
No aconchego dos teus braços de prazer
E esquecer-me do amanhã
Enfim…

Queria apenas dizer,
O desejo de estar ao teu lado
E exaltar quanto te amo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ABRAÇOS DE MAR




Chegaste,
Ocupando meu coração,
Todo o meu ser
Racional,
Imaginário

Vem serenamente
Revelando os meus silêncios,
Na forma de saber amar
Sem obstáculos,
Deixando-me abraçar-te

Semelhante ao mar
Quando abraça a areia, na praia
Com a espuma de sabor a sal,
Beijando-a com paixão

Vem
E dá-me teus braços,
Como o mar abraçando a areia,
No degustar do nosso amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 23 de abril de 2013

PALAVRAS




Palavras,
Não são só palavras,
São tal como a chuva que cai
Em gotas de certezas
Que d'alma escorrem

Criam laços que atam corações
Quando se amam,
Numa afeição, gerados na alma
E uma verdade sublime por nós sentida

Palavras,
Que fazem criar amizades,
Mas atenuam saudades
Tidas p’la distância

E se bem utilizadas,
Quanto amor poderá falar
Fazendo lembrar o carinho
Ou o calor das mãos

Palavras,
Trazem à imaginação o enlevo d’um abraço
Sedutor, cativante
E a dizer: Estou contigo

Palavras,
Ligam na inspiração
A suavidade do momento,
Despertando uma lágrima de alegria
Que acalme o coração

Palavras, palavras…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

...


….
…Escrevi o passado
Na areia da praia,junto ao mar,
Para que ele o levasse para bem longe,
E ficasse apenas a saudade

Mas a brisa devolveu
Suavemente o seu eco…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LIVRO DA VIDA




Em linhas mal traçadas
De saudade
Ou fantasia,
Meu livro em tristezas
Escreverei um dia

Desgostos de minha alma
Penas de meu expiar,
Chorar sem lágrimas ter
Quis destruir da vida
Porque ainda dilaceram,
Ferem

Escrevo em folhas
Os dias do meu viver,
Com tinta de sangue colhida,
Tempestades vencidas
Em tanta dor sofrida

Esventro-me
Para alívio
De alma,
Mas confesso calada
Em letras,
E junto páginas de dor
Ao livro da minha vida …


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 22 de abril de 2013

SER AMOR E PAIXÃO




Ah como quero ser
Um pensamento prudente,
Porém sempre presente,
Que incendeia o coração
Nos momentos de prazer

Como quero ser
A imaginação perfeita,
Que invade fazendo sentir
O ardor e a paixão

Ah como quero ser
O sonho mais formoso
Guardado na tua alma
E o desejo de vivê-lo, amor

Como quero ser
Tua vontade de viver, não apenas o instante,
Mas o calor d’um enleio
De ternura e afagos
Por todo o nosso amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 21 de abril de 2013

AGORA




Não digas nada,
Apenas abraça-me
E murmura teus carinhos
Deixando o aroma na minha blusa,
No meu corpo,
Em minhas saudades

Vem,
Acabando de seres distância
E seres presença agora,
Vem ter comigo

Agora…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ÁFRICA/OLHAR TRISTE




Perdido nos braços da vida
Entoando canções de menino
Procurando a idade errante,
Num longínquo sorriso

Embala quimeras vãs
Nas nuvens como tarimba,
Em sono sereno e calmo
No calor do seu abraço

Num vaivém de tristeza
De olhos vazios no horizonte,
Parecem janelas fechadas da alma,
À espera do seu espírito
Para poder voar e pousar num imbondeiro

África com raios de sol dourados
Da brisa quente ao amanhecer
Com tristeza,
Sonho,
Sorriso,
E vontade de vencer…


Fátima Porto
Texto protegido e registado pelo IGAC
Fotografia de: Adalberto Gourgel

sábado, 20 de abril de 2013

TER ASAS




Como gostaria de ter asas para voar
E respirar profundamente
Para saltar do morro mais alto
Deslizando sobre o mar
Como as gaivotas fazem

Atravessá-lo-ia, deslizando,
Sem medo das ondas revoltas
Cruzando o mar,
Desgastando minhas asas no voo
Até chegar a ti

Prender-te-ia em meu abraço
De nossas quimeras veladas,
Até que o dia amanhecesse,
Mas já suavemente quente…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 19 de abril de 2013

TENHO SAUDADES




Tenho saudades dos sonhos vividos
E de outros tantos não passados,
Sendo apenas promessas

Tenho saudades dos beijos dados
Mas também roubados,
E d’um amor que nasceu em mim

Tenho saudades de tudo que escrevo,
Sobre nossa história d’amor,
Até do que ainda não escrevi

Tenho saudades das palavras não ditas
Mas lidas pelo coração
No calor d’um abraço

Tenho saudades de ti…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SONHO DO BEIJO




Fecha os teus olhos, imagina,
Sente o meu beijo
E sonha

Apenas um beijo meu
Transforma-se em sonho
Mas almejava saber o que imaginarás

Pelo beijo dado
Irás sonhar muitas situações,
Então, simplesmente fecha os olhos
E vai sorrindo

Sente-me a teu lado
Porque sei que estou no teu coração
E desejo que fiques com o meu,
Pois é o nosso amor

Relaxa e imagina
Mas não olvides o beijo
Pois o nosso amor não é ilusão…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 18 de abril de 2013

FEITIÇO D’ANGOLA




Feitiço de águas calmas,
Aquecidas e iluminadas p’lo sol,
Acalentam meus sentimentos de saudade
Fazem vibrar o meu coração

Fecho os olhos
E vejo-te,
Sinto-te,
Sinto teu cheiro,
E quando sonho,
Transporto-me para outra realidade

Sou uma feiticeira
De um mato reluzente
À luz d’um por do sol quente

Ou nas ondas da imaginação,
Uma sereia africana,
Surgindo das águas
Aromatizadas e serenas
D’uma praia qualquer

Quanto feitiço num planalto
Ou nas miragens ao horizonte
Em que o deserto é rei

Só poderia ser mesmo,
Feitiço d’Angola…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

AGUARDA-ME




Acredito que me aguardes
Em um lugar qualquer,
Durante o luar das noites
Pelas madrugadas
Até o dia murmurar

Aguarda-me,
Porque estás em meus pensamentos
E enquanto houver esperança
Nenhum sonho está perdido,
Mesmo na lembrança de teus caminhos

Aguarda-me,
Apesar de todas as dificuldades
Nas manhãs tristes, és o meu sol a brilhar
E em teus braços me aconchego

Se me falta ânimo, transmites coragem
E o medo desfaz-se
Porque o amor é assim:
Início, meio e nunca tem fim

Por isso, aguarda-me…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 17 de abril de 2013

PEDE




Pede aos meus olhos
Para não te verem

Pede à minha mente
Para deixar de pensar em ti

Pede à minha imaginação
Para parar de sonhar contigo

Pede ao meu coração
Para deixar de bater

Pede tudo,
Mas não me impeças de te Amar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 16 de abril de 2013

TUA FRAGRÂNCIA EM MIM




Teu odor na minha pele,
Com vontades intensas
De querermos ser somente um

Enleados num amor,
Dividindo caricias doces
Com evidente meiguice nos olhos,
Ficamos num corpo, juntos

Desnudam-se nossas almas
Em sublimes momentos, sentidos
De corpos colados,
Entrelaçados nas fragrâncias

Amanhece em cumplicidade perfeita
De um amor degustado,
Na mistura dos aromas
Em nossas peles nuas…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LÁGRIMAS




Lágrimas são dores
Quentes ou frias,
Que transbordam e secam
Em leito dos amantes

Lágrimas é solidão
Raiva ou tortura,
Abafadas na alma
Num leve sorriso

Lágrimas, é chuva que cai
De olhos que choram
Num regaço vazio
De sentimentos vãos

Lágrimas, que resistem e se desvanecem
Em desterro com os poetas
Na mais perfeita solidão

Lágrimas, com sabor a sal…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 15 de abril de 2013

SENTE




Na minha solidão
E em tua ausência
Eu sinto-te presente

Mas a tua falta faz-me frio
Como em noites sem estrelas
Ou nas sombras dos dias com sol

Aqueço em meus braços
Num amor que queima
Fortalecido pela distância
Inebriando todos sentimentos

Este Amor que faz com o verbo amar
Uma admirável ligação
E que se alimenta de bocas sedentas
Dos beijos que precisam

Sente o presente num amanhã
Regado de vontades e quereres
Entoando melodias vindas do coração

Sente e ouve…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 14 de abril de 2013

ENVOLVE-ME




Abraça com teus braços
E acolhe-me de memórias tristes
Fazendo voar em sonhos
Transportados por desejos de vontades

Cinge-me pelos teus braços
Deixando sentir o abraço
No aconchego do ombro
Em corpos unidos, colados

Envolve nos teus braços
Transbordando de carícias
Querendo-te como meu esconderijo
Quando chegar a noite, e estremecer

Abraça com teus braços
E permanecer serenos
Até que nossos olhos se fechem,
Quando a escuridão da noite
Cair em nós

Envolve-me…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

HOJE EU SONHEI




Hoje sonhei
Correndo descalça
Em caminhos de terra vermelha,
Num prazer incontido

Hoje sonhei
Com a fragrância do por do sol
Com nuvens por lençóis
Num cansaço duma espera pelas estrelas

Hoje sonhei
Com a terra das minhas raízes
Degustando seus sabores,
Espraiando a saudade em rios calmos

Hoje sonhei
Que o calor que senti,
Era teu, minha Angola,
Mas ao despertar notei
Que era eu que me abraçava,
Como se te unisse a mim

Hoje eu sonhei…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 13 de abril de 2013

TENHO SAUDADES TUAS




Queria ter-te aqui comigo,
A meu lado,
De mãos dadas
Olhos nos olhos…

Rodear tua cintura
Apertar-te contra mim
Sentir teu corpo…

Desejar o teu desejo
Sentir o pulsar do coração
No aconchego do teu peito
Beijar-te a boca
Sentir o que muitas vezes senti…

Tenho saudades tuas…

Chamar o teu nome
Ver o teu sorrir
Estar onde estás mesmo estando contigo,
Não ontem nem hoje, mas, sempre

Perder-me no teu enleio
E jamais encontrar desculpas,
Viver os caminhos e os atalhos que se trocassem à nossa frente
E esquecer o tempo que nos envolve
Omitindo a dor da ausência, pelo teu mélico desejar

Tenho saudades tuas…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

VIBRAR DE MUNDOS




Seguro tua mão com firmeza
E tremo…
Sentindo um estremecer
Num beijo pedido

Como meu coração
Bate forte
Descompassado
Calado por ti

Meu mundo é teu
Cada vez mais seguro
Girando em olhares profundos
Pois por nós irão falar

Queremo-nos assim
Mãos entrelaçadas
Silenciando vozes
Adocicando beijos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 12 de abril de 2013

SUAVEMENTE




Vou largando tua roupa, serenamente
De olhar sensual,
Descobrindo a pele nua de pudores

Degusto no toque de teus lábios,
Uma respiração quente
Que me faz estremecer

Solto das sombras do meu esconderijo
Sentindo em cada beijo uma brisa de desejo
E em cada toque um sussurro de ardor

Em afagos de sentimentos meus
Vais murmurando,
Num anseio de doação

E olhando para os teus olhos
Desvendo os mistérios da Alma
Porque, mansamente,
Eu também te quero…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

TALVEZ UM DIA




Um dia,
Vou transformar os sentimentos em palavras,
Os que me perturbam a intenção

Um dia,
Vou conseguir dizer tudo
O que penso,
O que sinto,
Mesmo que distante

Um dia,
Vais saber as lágrimas que choro
E que angustiam a Alma
Pelo fogo da saudade

Um dia,
Vais sentir que és o sangue
Que me dá vida, porque me corre nas veias,
E uma vontade louca de viver

Um dia,
Quando te tocar,
Direi: Angola, minha terra
És a minha razão de Viver

Um dia…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 11 de abril de 2013

ESPERO




O tempo não gira,
E as horas,
Indiferentes à saudade
Desconhecem meu querer

Vem, não demores
Pois meus olhos almejam ler
A tristeza de tua alma
E o desejo escrito no teu rosto

Aconchegada ao teu peito
Não preciso de mais nada,
Apenas teu sorriso
E sentir o respirar
Numa fragrância enleante

Vem depressa,
E sem pressa de voltar
Esquecendo as horas,
Apenas o presente

Iremos soltar correntes
Que pendem da memória,
Entre risos e suspiros
Violando os sentidos

Vem,
Queremos um amanhecer
Numa noite ensolarada…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

TER-TE PARA MIM




Como te queria ver,
Matar esta saudade que tortura

Queria olhar para ti
Ouvir a tua voz
Tocar-te,
Beijar-te,
Revelar-te quão falta me fazes

Queria ter-te perto
Estar cada momento ao teu lado
Dar e receber beijos apaixonados
Sentir o teu corpo suado
Estar em tuas fantasias
Como um sonho iluminado

Ansiava poder acordar contigo
Dormir, os dois abraçados

Desejava dizer:
Bom dia amor!

Apetecia-me trazer café da manhã
Amar-mo-nos pela manhã

Saborear a vida contigo

Pois só queria…
Ter-te para mim…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

COMO É TRISTE




Como é triste ver o por do sol
Sem brilhar nos teus olhos,
Sentir a chuva
E não poder alcançar num abraço
Ou ouvir a nossa melodia
E não poder trauteá-la para ti

Como é triste sentar no banco de um jardim,
E não ter o aconchego do teu colo,
Vaguear de mãos nas mãos,
Beijar-mo-nos à luz da lua
Esquecendo que estamos a ser vistos
Por olhos de felicidade

Como é triste,
Pois só sucede em sonhos meus…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 10 de abril de 2013

DESNUDAR-ME




Quero desnudar-me
Erradicando do peito todas as verdades,
Romper as minhas roupas de saudade
E dos poros, meus anseios

Quero desnudar-me
E sentir a chuva molhar a alma
Lavando sentimentos
E sair por aí, sem opressões

Quero desnudar-me
Soltando as lembranças ao vento
Largando-me, calma e livre
Para esse amor desejoso

Quero desnudar-me
Descalçando as esperas de angústias,
Para o aconchego dos versos meus…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 9 de abril de 2013

TANTA COISA




Tanta coisa para te dizer
Se contigo pudesse estar
Descrever-te o que sinto
Do quanto dói tanta saudade

Abraçando-te na imaginação
Com mágoa no peito,
Queria cobrir teu chão vermelho de beijos
Dizendo que te amo à minha maneira

Tanta coisa queria dizer
Mas abafam-me as palavras
Que se estivesse contigo
Nem precisava escrever

Estando tão distante e tão perto
Numa ausência de esperança
Queria ver-te da minha janela
E sentir o cheiro do sol a pôr-se

Tanta coisa para te dizer
Nem sei onde começar,
Se do amor, ou saudade,
Por estares sempre no pensamento
Minha terra,
Minha Angola que eu Amo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

HOJE




Hoje,
Quando respiro e suspiro
Sou como a brisa silenciosa,
E minhas palavras um grito
Dum corpo que procura um porto

Hoje,
Alma que vagueia em melodia que te enlaça
Na presença em teu redor
Com uma fragrância na pele,
Chamando-me para dançar
Trazendo nosso amor ao luar

Hoje,
Como bela e sensível borboleta
Que em teu corpo quer poisar
Numa sede de amar
Até o vendaval cessar

Hoje,
Sou palavras caladas
Em que meus lábios gritam teu nome
No enleio de ser e fazer feliz

Hoje,
Quero ser tua saudade
A lágrima que chora d’amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 8 de abril de 2013

QUIMERAS NA TUA PELE




Sinto-me invadir o teu mundo
Em noites quentes,
Quando o toque cálido de minhas mãos
Passeiam pelos teus poros

À luz do silêncio de teus lábios
Percebo um rumor mais íntimo
Ao toque sensual em tua pele

O calor de teu corpo é anseio
Que deslumbra meus sentidos
E faz despertar desejo

Meus olhos ensandecem,
Deixando-te simples,
Ao toque dos meus lábios…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

É ASSIM…




É assim com esse olhar
Que te quero
Um olhar doce e meigo
De uma cor que nem sei definir

É assim neste pranto
Que meus olhos te vêm
E meu peito te sente
Mágoas de um amor ausente

É assim que me dou
No silêncio das noites sem ti
Que vejo teus olhos em mim
Num querer ainda maior

É assim nosso amor suave
Como nuvem que passa ligeira
Aquecido pelos raios d’um sol de verão
E regado com lágrimas por não puder gritar:
Nosso Amor é Assim!


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

CHORO SÓ




Minha alma dói
E as palavras que digo
São lágrimas
Que rolam no meu rosto

Meu sorriso desapareceu
Com o fumo da mata,
Num olhar cheio de nada
Que faz transbordar tempestades,
Em choro incontido,
Sentindo-me sozinho

Sustenho gritos abafados,
Numa terra tão grande
Que minhas pequenas mãos não alcançam,
Mas mostrando minha força
Não pendendo os braços
Num prevenir do futuro…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 7 de abril de 2013

CORPOS COLADOS




Nossos corpos colados
A tua respiração na minha
Nosso beijo
Uma paixão

Mãos que vagueiam
Teu sussurro me prende a ti
Somos almas ao vento,
Mas numa só

O teu toque pelo meu peito
O teu olhar no meu
Assim como sem jeito
O meu corpo é o teu

E a espuma das ondas vem
Como se o mar viesse também
E não sabemos quem somos

Sussurros na noite, abraços apertados
Entusiasmo abrasador, como barcos parados
Sensações ardentes,
Quando em ti me sentes

Olha-mo-nos nesse momento
E foi como sentir o vento,
Em corações acelerados
Num só corpo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

DOCES MISTÉRIOS




Como invadem
E cercam
Segredos de mim
Como jóias guardadas
Na minha alma

Doces devaneios
Quero ocultar
Sentindo no peito
Tamanho enleio de ti

Teu poder
E luz
Dão-me alento,
Quão saudades tuas
Reservadas em mim
De tanta nostalgia e dor …

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 6 de abril de 2013

INSTANTE DO MOMENTO




Encosta a tua mão na minha
Para eu notar que estás aqui,
Abraçando-me,
Numa sensação de aconchego,
Para que me perca em ti

Os olhos num doce silêncio
Dizem um mar de palavras
Sem que os lábios se movam

Nosso momento é agora,
E que seja imenso
Adoçando em contentamento
P’la noite, com o espalhar das luzes das estrelas
E na madrugada, com a lua prateada

Afaga-me no teu prazer
Deseja-me,
E deixa em meus lençóis, a tua fragrância…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

QUE IMPORTA




Que me importam os defeitos
Se conheço teus costumes

Que me importam fantasias
Se conheço teus instantes

Que me importa a ausência
Se pressinto tua presença

Teu ser é de fascinar,
Defeitos são de amar-me,
E as fantasias voam ao meu encontro
Em momentos que espero por ti

A tua figura faz-me arrepiar
Só por saber
Que sempre nos iremos amar…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 5 de abril de 2013

DESPINDO-TE




Oh corpo,
A alma despiste-a

Eu, apenas te dispo a roupa
e desnudo,
Corpo quente,
De homem louco
Perdido nos anseios
Que me entregas
e fazem perdida

A minha língua deleita-se,
Num peito,
e desvenda do teu âmago,
Os desejos escondidos

A vontade,
Os suspiros em murmúrios
Que me doas…

Devagar,
As minhas mãos conquistam-te,
Nas palavras caladas que soam,
Quentes,
Dormentes,
Porque tudo é palpitar de silêncios,

És,
O meu encaixe perfeito,
Ninho das minhas mãos,

Deixa-te ficar...

Eu visto-te,
Para te voltar a despir outra vez!


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

DEIXA ACONTECER




Desejo sentir
No afagar em ti
Carícias,
Beijos,
Fazendo-me voar

Meiguices tuas,
Como um sonho,
Deliciosas,
Olhando bem nos olhos,
Lendo a alma profundamente

Deixa-me levar
Em encantos teus,
E nos prazeres loucos
Em nós saboreados …


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 4 de abril de 2013

QUERIA TER ASAS




Queria ter asas
Ao correr contra o vento
Sentir a brisa no meu rosto
Experimentar a liberdade

Queria ter asas
Soltar as roupas em mim vestidas
Voar na nuvem mais pequena
E minha paixão gritar

Queria ter asas
Numa praia só minha de prazer
Esvoaçar sentimentos ao vento
De um corpo pleno de vontades

Queria ter asas
Fechando os olhos, sonhasse
Que ao abrir os braços, abraçasse
O Amor que trago em mim
Fosse além do infinito…


Fátima Porto
In “Capas”
Texto registado e protegido pelo IGAC

PALAVRAS ESCRITAS E GESTOS