sábado, 27 de abril de 2013

TUA FALTA




Vi-te e parti,
Ficou a saudade
E como me fazes falta,
No sentir dum vazio,
Na solidão

Como faz falta
O teu sentir,
O calor dos teus abraços,
Teus beijos,
O estar aqui, neste momento

Ah como me fazes falta,
Tanto como o ar que respiro,
O sorriso no teu olhar
Nas noites que não durmo,
E fazes amanhecer contigo

Como fazes falta,
No aconchego do entardecer
Ouvindo tua voz,
Olhos nos olhos

Fazes-me falta…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 26 de abril de 2013

COMO EXPLICAR




Como hei-de explicar
Se tenho dias que amanheço
A pensar em ti,
Nos teus carinhos, longe do meu corpo,
E que clama por eles

Como explicar,
Pois te apoderas dos pensamentos,
Ainda que em sonhos,
Beijas-me,
E nosso olhar fala

Como hei-de explicar,
Que te sinto tão perto
Como se entre nós, não houvesse distância

Como explicar,
Que ainda sinto o calor do abraço
No teu aconchego,
E fico a pensar
Que a vida sem ti não é nada…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

BARCO DO DESTINO




Por momentos,
Levanto os olhos, ao leme das saudades
Para sentir a brisa e o calor
Que acariciam meu rosto
Fazendo aflorar sentimentos

Com um sorriso,
Meu coração bate descompassado,
Olhando o horizonte,
Dizendo sem palavras
Quão bela é a Vida, a Felicidade

Que rufem os tambores,
Em cânticos de alegria
Onde os corpos ondulem na melodia,
Com as palmas,
Nos ecos p’lo anoitecer
Numa beleza sem igual

A imaginação voa,
Como bando de gaivotas ao por do sol,
Acalentando,
Vibrando,
Dando energia e emoção,
Numa esperança que renasce

E em minha barca de quimeras
Conduzo meu destino,
Repleto de desejos e vontades
Que só olhos distraídos
Não percebem…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC
Fotografia de : Adalberto Gourgel

OLHANDO O CÉU




Espero tranquila
Mas com saudades
Que a lua reflicta no mar
O caminho até mim
E aquecer meu coração

Meu semblante triste
Olha o céu, um sinal,
De um regresso teu
Até meus braços vazios,
Sem teu calor

Quero teu esplendor
Que me faz viver
E adormecer em sonhos
Com tua presença em mim

Como o coração bate
Num aperto da minh’alma
Nesta distância que nos separa
Pois todo este desejo é nosso

Mas será nas pequenas coisas da Vida
Que encontraremos a Felicidade…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 25 de abril de 2013

SONHO/REALIDADE




Quando os sonhos se tornam realidade,
E as lágrimas são de alegria,
Sentir o ar mais transparente,
É a minha paixão por ti

A minha voz no silêncio
Vem do coração, e tu entendes,
Cheia de verdades nossas

Na minha imaginação,
Pressinto tua presença
De sorriso perfeito
E um gosto leve no olhar

Meus olhos brilham
Porque sem saber,
Sempre te tive no coração,
Ligado à minha Alma,
E coberto de beijos intensos

Somos um só ser
De tanto querer…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 24 de abril de 2013

QUERIA APENAS




Queria olhar-te
Perder-me em memórias
Guardadas, lembradas
P’los trilhos da distância

Queria apenas abraçar-te
Sem nada dizer,
Para te beijar
No enlevo do momento

Queria sentir-te
Ouvir,
Chorar e rir
Ou simplesmente ficar quieta

Queria amanhecer ao teu lado
No aconchego dos teus braços de prazer
E esquecer-me do amanhã
Enfim…

Queria apenas dizer,
O desejo de estar ao teu lado
E exaltar quanto te amo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ABRAÇOS DE MAR




Chegaste,
Ocupando meu coração,
Todo o meu ser
Racional,
Imaginário

Vem serenamente
Revelando os meus silêncios,
Na forma de saber amar
Sem obstáculos,
Deixando-me abraçar-te

Semelhante ao mar
Quando abraça a areia, na praia
Com a espuma de sabor a sal,
Beijando-a com paixão

Vem
E dá-me teus braços,
Como o mar abraçando a areia,
No degustar do nosso amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 23 de abril de 2013

PALAVRAS




Palavras,
Não são só palavras,
São tal como a chuva que cai
Em gotas de certezas
Que d'alma escorrem

Criam laços que atam corações
Quando se amam,
Numa afeição, gerados na alma
E uma verdade sublime por nós sentida

Palavras,
Que fazem criar amizades,
Mas atenuam saudades
Tidas p’la distância

E se bem utilizadas,
Quanto amor poderá falar
Fazendo lembrar o carinho
Ou o calor das mãos

Palavras,
Trazem à imaginação o enlevo d’um abraço
Sedutor, cativante
E a dizer: Estou contigo

Palavras,
Ligam na inspiração
A suavidade do momento,
Despertando uma lágrima de alegria
Que acalme o coração

Palavras, palavras…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

...


….
…Escrevi o passado
Na areia da praia,junto ao mar,
Para que ele o levasse para bem longe,
E ficasse apenas a saudade

Mas a brisa devolveu
Suavemente o seu eco…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LIVRO DA VIDA




Em linhas mal traçadas
De saudade
Ou fantasia,
Meu livro em tristezas
Escreverei um dia

Desgostos de minha alma
Penas de meu expiar,
Chorar sem lágrimas ter
Quis destruir da vida
Porque ainda dilaceram,
Ferem

Escrevo em folhas
Os dias do meu viver,
Com tinta de sangue colhida,
Tempestades vencidas
Em tanta dor sofrida

Esventro-me
Para alívio
De alma,
Mas confesso calada
Em letras,
E junto páginas de dor
Ao livro da minha vida …


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 22 de abril de 2013

SER AMOR E PAIXÃO




Ah como quero ser
Um pensamento prudente,
Porém sempre presente,
Que incendeia o coração
Nos momentos de prazer

Como quero ser
A imaginação perfeita,
Que invade fazendo sentir
O ardor e a paixão

Ah como quero ser
O sonho mais formoso
Guardado na tua alma
E o desejo de vivê-lo, amor

Como quero ser
Tua vontade de viver, não apenas o instante,
Mas o calor d’um enleio
De ternura e afagos
Por todo o nosso amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 21 de abril de 2013

AGORA




Não digas nada,
Apenas abraça-me
E murmura teus carinhos
Deixando o aroma na minha blusa,
No meu corpo,
Em minhas saudades

Vem,
Acabando de seres distância
E seres presença agora,
Vem ter comigo

Agora…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ÁFRICA/OLHAR TRISTE




Perdido nos braços da vida
Entoando canções de menino
Procurando a idade errante,
Num longínquo sorriso

Embala quimeras vãs
Nas nuvens como tarimba,
Em sono sereno e calmo
No calor do seu abraço

Num vaivém de tristeza
De olhos vazios no horizonte,
Parecem janelas fechadas da alma,
À espera do seu espírito
Para poder voar e pousar num imbondeiro

África com raios de sol dourados
Da brisa quente ao amanhecer
Com tristeza,
Sonho,
Sorriso,
E vontade de vencer…


Fátima Porto
Texto protegido e registado pelo IGAC
Fotografia de: Adalberto Gourgel