sexta-feira, 31 de maio de 2013

JANELAS DA MINHA TERRA




Vejo-te por janelas sem vidro
D’uma imaginação real
Como portas abertas, à paisagem imensa

Meu pensamento voa em ti
Nas noites iluminadas pelas estrelas,
Até ao raiar de um novo dia

Das minhas janelas,
Contemplo o mundo da minha terra
Onde saboreio odores inebriantes,
Sulcando trilhos enfeitiçados,
Descendo rios agitados,
Na direcção do arco-íris no horizonte

Janelas da minha terra,
Quero-vos sem vidros para sentir na alma,
O viver de um povo ressurgir,
Como bálsamo de uma tristeza passada

Janelas,
De onde vejo minha terra
Cheia de vida e esperança…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

O LIVRO E EU




Sou como um livro
Que não existo só pelo olhar da capa
Mas também do que “viajo” em mim mesma
Nos pensamentos, palavras

Há pessoas que jamais tentaram invadir-me,
Em todas as vírgulas, ou em qualquer ponto final,
Nem nunca ousaram “ler-me”,
Nas noites em que o silêncio gritou
E as lágrimas transbordaram
Por uma alma seca

Ah como soltam seus próprios sentimentos
Após verem páginas sem limite,
Que vão desfolhando, na procura do seu alento
E que se fecham por fim

Sou como um livro
Que envelheço com o tempo,
Pois o tempo não para na roda da Vida,
E em que a palavra Amor
Existe, está escrita, e é verdadeira

Também sou como um livro….




Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 30 de maio de 2013

SENTIR O ABRAÇO




Quero sentir o abraço
Onde encoste a cabeça no ombro,
E o calor encher minh’alma
Vazia de palavras

Queria sentir um abraço
No silêncio do olhar,
Sem promessas ditas
Apenas no conforto tido

Sonhava sentir o ardor do teu abraço,
E por breves instantes,
Do corpo em meu enleio
Ledo e cego, meu coração ficaria

Como queria sentir
O calor do teu abraço…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

QUISERA


Quisera,
Quisera que viesses até mim
E que ao acordar
A meu lado estivesses

Pudesse sentir tuas mãos,
Teus lábios tocar os meus
Num beijar doce e macio,
Percorrer tua pele com meus dedos

Quisera poder adivinhar teus pensamentos
Olhar para o teu rosto,
E de imediato,
Saber como agir,
Quais palavras proferir,
Quais teus desejos realizar

Quisera, ah quisera sim!

Ter-te para sempre
Bem perto de mim
Em busca desses nossos momentos,
Todos sonhos realizados
Num só momento

Momento esse que duraria
Mais do que um dia,
Dando-nos o alento almejado,
E lado a lado,
Iríamos querer mais,
Muito mais,
E lá fora nada mais existiria,
O mundo connosco, pararia!

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

QUANDO EU VOLTAR




Quando eu voltar
Que se silencie
As nuvens e o céu vermelho
Palmeiras sem vento
Para observar o cheiro
E contemplar a magia da minha Terra

Quando eu voltar
Que o calor me abrace suave
Como nuvens de algodão a florescer
No sentir do aroma do café nos terreiros
Degustando saudosa o olhar das acácias rubras

Quando eu voltar
Vou fechar os olhos
Minhas mãos agarram a terra que me viu nascer
E murmurando em silêncio palavras da alma
Escondidas, caladas
Pois cada lágrima rasga-me o peito
Porque por fim…eu voltei!


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 29 de maio de 2013

NOSSO ENCANTO




Tuas mãos tocam-me
Mansamente,
Palmo a palmo
Pedindo um pouco mais

Acaricias suave o ombro
E beijas palavras não ditas
Que arrepiam a Alma
No olhar d’encantar

Afagas meu corpo
Desnudando vontades
Com sentires de quereres
Em nossa entrega

Como nos amámos
No nosso universo
E enleados continuamos
Num natural encanto….


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 28 de maio de 2013

AMAMOS



Como te dispo,
Lentamente,
Com olhar calmo e tentador,
Descobrindo uma pele
Desnudada de pudores

Carícias que te percorrem,
Saboreadas,
Em arrepios,
De respiração descompassada

Em cada beijo uma vontade,
Nos afagos de nossos sentires,
E nos toques o ardor da paixão

Liberta-mo-nos,
Deseja-mo-nos,
Porque nos Amamos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SIGILO D’AMOR




Vem,
Sim, vem um pouco mais,
Para que possa dizer baixinho
Tudo o que te quero falar
E que ninguém possa ouvir

Vem,
Bem encostado a mim,
Porque é apenas de nós dois,
E em sigilo de nosso amor

Vem,
Lê todas as palavras dos meus olhos,
Pois com ardor o beijo é dado
Num doce silêncio,
Aliviando a dor da ausência

Vem,
Que os corações assim tão próximos,
Trocam amor eterno
Naquele breve momento…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 27 de maio de 2013

DEIXA-NOS




Deixa-me aninhar nos teus braços,
Envolver no teu colo,
E levemente acaricia-me o rosto
Pois olho para ti
Até nos tocarmos num beijo desejado

Deixa o teu cansaço
Pousar na minha calma,
Como um rio
Que corre com a brisa ligeira

Deixa-nos ser assim
Um sonho ou realidade,
Mas que nos faz ver por dentro,
Assim como olhas e sorris,
Sinto-me no teu olhar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 26 de maio de 2013

EM SONHOS




Oh como escrevo
Todo o sentimento que sinto,
Deixando meu pensamento voar,
Quando para ti olho

Mas se vejo tua boca
Sinto-me beijada, desnudada

E se adormeço
São de tal forma sonhos meus,
Que nem ouso falar,
Pois eu mesma estremeço

Tua voz ao ouvido sussurra,
Palavras com sabor a mar,
Estreitando no calor do abraço
Um brinde único, para amar

E em nossos corpos se abrigam,
Tais fragrâncias,
Como dos amantes que amam
Desde que anoitece
Até a manhã raiar,
Perdidos numa praia,
Ainda por inventar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

D’OLHOS FECHADOS




Com tuas caricias
E teus beijos,
Fecho os olhos
E deixo-me levar

Dar amor
E ser amada,
Envolves-me
Com tal doçura e candura
Ficando aprisionada em ti

Vou chamar de paixão,
Um amor doce,
Porque nós queremos,
Desejamos,
Ansiamos,
E nos encaixamos,
Como o concavo
E o convexo

E numa plenitude irreal, talvez,
Que d’um sonho a dois,
Nossos cheiros
Cruzam-se,
Misturam-se
Com os fluidos
Que de nós exalam,
Inebriando-nos
Como loucos

Ah que amantes que somos,
Quando fechamos os olhos…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 25 de maio de 2013

NOSSO BEIJO




Como adoro o teu beijo, amor
Que o bebo, mesmo antes dos lábios se tocarem
Porque um beijo dado com ardor
Até na Alma é sentido

E quando nossas bocas se juntam,
Na mesma sintonia,
Que nossas línguas trocam
Em suave bailado

A vontade é uma só,
Quando os lábios se unem,
É no mesmo ar ao respirar
D’um amor a saciar

Com um beijo, a saudade acalma
No instante que é dado,
Para voltar mais tarde…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

VONTADES




Como desejava,
Ser a manhã que te desperta,
O sol que suavemente te acorda
Em doces carícias

Como desejava,
Estar nos dias, nas horas e minutos
Que por ti passam,
Pois é contigo que estou

Como desejava,
Ser a brisa que passa e te toca,
Num carinho e enlevo,
Com a dedicação de quem te ama

Como desejava,
Ser a fruta que degustas lentamente,
E que delicadamente sentes

E em pensamentos e sonhos
Nas minhas vontades, vivo emoções,
De serenamente enlaçados
Um sentir pleno e amado…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

NOSTALGIAS




Em teu pensamento
Me inspiro para acordes,
Leves, suaves
Como de um beijo
Ao acordar

Música em meus sentidos
No calor d’um abraço,
Em dois corpos
Estreitados

Melodia pura,
Mas que motiva tal emoção,
Bate forte e descompassado
Um coração louco

Canto para esquecer
Minha melancolia,
Em refrão de saudade,
Num tom piano,
Quase sussurrando,
Em voz embargada
Com mistura de lágrimas
Nesta solidão

Rola uma lágrima pelo rosto
Como que lavada pela tua ausência,
Para aquecer meu coração
E suavizar esta melodia sentida
Que tolhe minh’alma…



Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 24 de maio de 2013

MÃOS QUE FALAM




Mãos nas mãos,
Um conforto,
Com carinho,
Ocultando palavras
Mas dizendo: Estou aqui

Mãos
Que trazem alívio
À alma e ao coração,
Por vezes perdidos na solidão,
Em silêncios escondidos
Por dores profundas

Mãos
Que difundem paz,
Reproduzem serenidade,
Emanando uma ligação no enlace,
Sentida em pensamento

Mãos
Que sanam mágoas
Doridas na tristeza,
Sem ousar falar

Mãos
Entrelaçadas em melodia
Entoando a mesma canção
Numa única voz…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ENLEIOS DESNUDADOS




Vem de mansinho
Num abraço
Com teus braços
Num calor de amor
E beija-me até ser manhã

Dois corpos unidos
Semi-nus encostados,
Em ondas de prazer
Onde as palavras não contam

Sentimentos à deriva
Onde a alma profunda fala,
Na distância do ardor
Do enlace desejado,
Pretendido, amado

Sonhos do sentir na pele
Carícias apetecidas,
Como uma brisa doce passando,
Por misteriosos trilhos
No deleite d’um encontro

Oh luz da exaltação,
Estreita teus ramos com tenção,
Pois o ardor no peito clama,
O calor de teus braços
Que aquece e enche o coração…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

QUERER ASSIM





Lábios que se unem
No remoinho do amor,
Corpos colados despertando emoções

É o amor, com muito ardor,
Acendendo os corações

É amor,
Ternura,
Carinho

Do desejo, da paixão
Que chega devagarinho,
E termina num grande enlevo

Beijo que causa emoção,
Corpos que não se separam,
Mãos que sem cessar se tocam
Em carinhos constantes
Amor sem fim,
Corpos cansados, suados

Ficam quietos,
Depostos

Mas permanecem abraçados,
Apaixonados
É sinal do amor…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 23 de maio de 2013

IMAGEM D’ÁFRICA



África
Terra de encantos,
De uma magia sem igual,
Encadeias com sorrisos na alma
E esperança no olhar

África
Símbolo de mulheres bonitas
Lutadoras e destemidas
Mostrando a sua valia,
Como Rainha Ginga

África
Encantamento e feitiço
Em todos os rituais,
Dos batuques à tardinha,
Com marimbas e kissanges
Fazendo os corpos ondular
Em danças mágicas

Oh África,
De tão longe, estás tão perto
Mas sempre presente….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 22 de maio de 2013

DESEJO-TE TANTO




Amo-te, sim,
Desde sempre,
Ontem, hoje

Fazes parte de mim
Pois vives no meu ser,
Na minh’ Alma

Deste-me força e coragem nos meus passos,
Mas quando parti,
Sim, porque parti,
Trouxe-te comigo num coração rasgado,
Esventrado de angústias

Sabes, um dia voltarei para ti,
Porque não desisti,
Por te amar tanto, desde sempre

Amo-te tanto,
Que as minhas lágrimas caiem,
Quando não quero chorar mais
Por ti … Angola!


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

CONFORTO D’AUSÊNCIA




Como te sinto por inteiro,
Mesmo de uma maneira simples
Mas que enches a Vida

Que sensação,
Pois penetras em meu ser,
Com toda a tua fragrância,
Sem rejeitar um abraço nos teu braços,
No encaixe perfeito

Sentir e descrever-te
No silêncio das noites,
Em beijos dados, mansamente,
É como esquecer nossos tormentos
Diante de saudosas emoções

E assim escrevendo,
É como bálsamo para minh’Alma…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 21 de maio de 2013

ATRAVÉS…




Uma palavra,
Um coração,
Um sonho,
Um pensamento,
Através do tempo…

Uma mão,
Um abraço,
Um corpo,
Um desejo,
Através da distância…

Uma alma,
Um beijo,
Um querer,
Um morrer,
Através dos sentidos…

Ah, como através de tudo
A nossa alma sente a distância,
Mas mesmo assim está presente
No aconchego do amor ausente….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 20 de maio de 2013

MESMO LONGE




O destino existe,
E num pedido às estrelas
Tudo se concretiza

No sonho do amor,
As janelas abrem-se de par em par
Para mostrarem a magia de ser feliz

Ao brilho do teu olhar,
Nem sei explicar,
Apenas sinto,
Para que não fiques longe de mim

A nossa paixão é verdadeira,
Mas arrojada,
Em sussurro na ausência

Confiamos em nosso amor
Pois o desejo domina,
No calor do abraço
E no olhar d’um beijo…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

TEMPO SEM TEMPO




Horas do tempo que passa
De um tempo nunca perdido,
Num relógio sem tempo,
Mesmo que presente
Mas sempre ausente

Horas,
Minutos,
Segundos,
Sem tempo que conte
As tristezas sofridas,
Lágrimas caladas,
Soluços abafados

Que o tempo volte atrás
Ou se esqueça que o tempo existe
Nas nuvens do pensamento
Dum presente transformado
Para um futuro desejado

Oh tempo doado na brisa
Que passa suave em forma de caricias
E de braços abertos eu aguardo
Para um abraço teu….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 19 de maio de 2013

TEU CORPO,MEU PORTO




Naufraguei em ti
Nos meus sentimentos
Desejos,
E vontades

Teu corpo conquistou-me
Em caricias,
Num despertar
E em entregas mútuas

Nas roupas molhadas,
Rasgadas,
Desnudei-me lentamente
fazendo de ti meu porto

É assim que eu quero estar
No sentir o teu desejo
E loucura,
Em beijos de paixão
Que nos fazem perder…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

TENHO SAUDADES




Tenho saudades dos sonhos vividos
E de outros tantos não passados,
Sendo apenas promessas

Tenho saudades dos beijos dados
Mas também roubados,
E d’um amor que nasceu em mim

Tenho saudades de tudo que escrevo,
Sobre nossa história d’amor,
Até do que ainda não escrevi

Tenho saudades das palavras não ditas
Mas lidas pelo coração
No calor d’um abraço

Tenho saudades de ti…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

TANTO AMOR




Olho para o teu retrato,
E envolve-me uma magia,
Amando-te neste silêncio,
Pelos momentos de paixão

Penso na quantidade de palavras
Que poderiam ser ditas,
Dos gestos, toques,
Como da fragrância que ainda sinto de ti

Ah, que louca vontade de sentir os teus beijos
Para matarem esta saudade e vazio
De tua ausência, que me angustia

Mas olho para o retrato,
E vejo o teu sorriso
Num abraço quente, que me envolve
Em braços distantes,
No doce encanto por te amar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 18 de maio de 2013

VENTO




Quero sentir-te
oh vento,
Refrescar meus sentimentos
Mesmo falando calada,
E dos gritos que o eco
Não trouxe

Soltas o vestido
Mostrando bem meu perfil
Como se fosses alguém,
Querendo ver-me despida
Em corpo
E alma

Meus cabelos esvoaçam
Enquanto rodopias em mim,
Como se entregue a ti estivesse
Em completo Amor

Ah se eu tivesse asas
E pudesse voar em ti
Oh vento...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SONHO LINDO




Entre sonhos e fantasias
Viajo para ti,
No silêncio das noites,
Em que a brisa trespassa
As frestas das janelas

Quero o teu sorriso
Nos nossos desejos e vontades,
Flutuando ao sentir o sabor do teu beijo

Ah, como quero gritar
Ao luar, à luz do dia,
Que o meu sonho é lindo
Quando estás presente,
E que nada é impossível nem ilusão…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

AMO-TE




Amo-te,
Que tudo se torna tão pequeno
Comparando o Amor
Que tenho por ti

Amo-te,
Pois desvendei, que não sei viver
Sem o Amor que te tenho

Amo-te,
Quando te imagino na ausência,
E os meus olhos teimam em chorar

Amo-te,
Porque esta dor que aperta meu peito,
É de um coração que não para de bater por ti

Amo-te,
E apenas sei
Que não sei viver sem ti…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

FECHANDO OS OLHOS




Fecho os meus olhos
Procurando-te no meu imaginário,
E quando chegas,
Fico serena

Podes entrar,
Pois deixei as portas abertas,
O cabelo solto para teu afagar,
E no peito, uma enorme saudade

Como meus lábios querem os teus para beijar,
No olhar, lágrimas para secarem no aconchego
Ao calor d’um abraço

Como te quero tirar dos sonhos
Quando fecho os olhos
E ter-te por inteiro,
Pois quando assim acontece,
É só a ti que eu vejo…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 17 de maio de 2013

APETECE-ME




Teus beijos doces
Que embalam o repouso,
Numa vontade serena
De juntos estarmos
Em tão grande afeição

Olhares que percorrem
Caminhos secretos
E mãos que lêem
O sentir dos corpos
No encaixe perfeito

Quero adormecer
Em teu abraço
E sentir no silêncio
O calor do amor
Suavemente sorrindo…



Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SABEMOS




Vem,
A Vida de nós dois mudou
E um barco voga
Até ao cais de nossos sonhos

Vem,
O Amor cresce como o mar
Pois de mansinho beija a areia
Num beijo roubado

Vem,
Porque, tudo o mais
Já sabemos….

Fátima Porto

quinta-feira, 16 de maio de 2013

MOTIVO




De olhar profundo
Fixas-me intensamente,
Num ardor intenso
Causando um arrepio

Queres-me…

O corpo que faz confundir
Qualquer pensamento teu,
E o coração bate forte
Querendo sentir,
Tocar

Revolve meus cabelos
Num acariciar suave,
Descobrindo em cada palavra não dita
Beijos nos silêncios tidos

Pois que gere tal anseio,
Que te faz clamar de paixão,
Contida, sufocada,
Em sentimentos degustados….


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

FRAGRÂNCIA TUA



Lágrimas que se ocultam
Na dor do silêncio
Palavras ditas p’la alma

Dia sombrio,
Que de ti apenas resta uma rosa,
Com toda a tua fragrância
Aos olhos meus

Minha imaginação voa
Ao teu alcance,
Para no calor d’um abraço
Chorar todo o meu amor

Pois desabroche a rosa
E cada pétala mostre meus caminhos
Que percorrerei de mansinho,
Mas em murmúrio celebraremos a paixão,
Para nosso deleite…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

EMBALANDO NA FANTASIA




Baloicei em ventos de esperança
Ao amanhecer de dias claros,
Por terras onde o sol aquece
Na ânsia do destino

Deixei a brisa tocar o rosto
Deslizando doce e suave,
Soltando os meus cabelos
No baloiço dum querer

Oh praia que eu inventei,
Aqui ou em qualquer lugar
Traz-me de volta o tempo,
O tempo que lá deixei

Batam as palmas das palmeiras
Ao borbulhar ameno das ondas,
Fazendo embalar fantasias
Como matassem saudades

Vou baloiçando n’areia
Num vai e vem de quem recorda,
Mas como o tempo parasse,
Ao murmurar
A chegada do por do sol…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 15 de maio de 2013

ALTAR EM RUÍNAS




Perderam-se anos,
Esquecendo-se no tempo
O altar das preces,
De lágrimas de dor,
Sorrisos e alegrias

Templo um dia amado
Hoje com telhado de céu estrelado
De imagens veneradas em pensamento,
Onde a paz é sentida
Em paredes desfeitas em sofrimento

De solidão por companhia,
Votado ao esquecimento,
Penitenciam-se as almas
Com doridas mágoas,
Nas ervas nocivas que crescem

Como os ventos passam ligeiros
Deslizando pelas janelas escancaradas,
Ficando apenas a lembrança
Das orações tidas,
Quando repicavam os sinos…


Fátima Porto

PEDRAS DA CALÇADA




Passo a passo
Num abraço
Que nos inundava de prazer,
As ruas vazias
Que faziam ecoar os corações

Na sintonia de cada passo
Abafava um beijo na cadência
Sussurrado,
Pelo olhar pedido
Sem palavras consentido

Pedras da calçada
Por nós pisadas,
Ao amanhecer da paixão
Em ruas vazias,
Onde os corações aceleravam
Ao compasso,
No eco d’um enleio…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ESCREVER DEPOIS





Sentada
à secretária
escrevia para ti, meu doce

Senti um arrepio,
Como de uma mão
em meu ombro,
Um afagar nos cabelos

Por minha janela
entrou uma leve brisa
mas um calor
colou-se às minhas costas

Oh, eras tu,
Estavas comigo, sorrindo

Inclinaste para a frente
e segurando no meu rosto,
Deste-me um beijo
estreitaste-me em teus braços
e em silêncio
um longo abraço

Mas porquê a escrita
se tu estavas comigo

Vem, minha paixão
o momento é de nós dois
quero-te em mim
como nós desejamos

Escrever,
Eu escrevo-te
depois...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 14 de maio de 2013

VIVER ATÉ AO FIM




Passo a passo,
Lentamente,
Irei ao teu encontro
Mostrando minha alma
Como se a visses num espelho

Olhos bem abertos,
Profundos,
Como se despisses
Para me teres a nu

Num abraço meigo
E beijos de desejos,
Em olhares que se degustam
Nos corpos que se amam

Seremos bem presentes
Nesta intensa paixão,
Em pensamentos, vontades

Mais que um alento,
É o que nos atrai,
E despojados de tudo
Viveremos o Amor…




Fátima Porto

FADO SEM TI




Tua mão
Na minha,
Teu corpo nu
Que aquece o meu,
Acende a chama
Do desejo
De sentir
Sem te ver

Meus olhos cegos,
Pressentem
O que a alma
Sussurra de mansinho

Doce ardor
Meu peito carrega,
Na ausência
Em noites sonhado,
De saudades
Por não ver,
Quem tanto anseio

E em desespero
Calo sozinha
A dor que aperta meu peito,
Num fado chorado,
Abafado no silêncio da noite…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ROSAS DE SAUDADE




Pus em meu regaço
Perfumados botões de rosa
Para encherem o vazio
Que a tua ausência deixou

Pétala a pétala
Vou desfolhando
Como um pequeno rosário
Das penas da minha alma
Que no silêncio guardo por ti

Sentada aguardo serena
Despojada de sentimentos
Mas minha alma inquieta
Dorida, sofre sem ti

Choro lágrimas de saudade
E dos beijos que não dei
Queria-te bem pertinho
No calor do teu abraço
Sussurrando ao ouvido
Palavras do nosso Amor…


Fátima Porto

segunda-feira, 13 de maio de 2013

PALMEIRAS AO ANOITECER




Meus pensamentos
Vagueiam
Com o vento que passa
Por entre as palmeiras ao entardecer

Que vontade de voar também
De Ir para bem longe
Sem destino,
Talvez

E a brisa passou,
Mas aqui permanece minh’alma
Na praia de quimeras
que jamais vou esquecer

Sussurrei ao vento
Que não ouviu

Como o calor me envolve,
E na minha imaginação ecoam cantos,
Parecendo uma melodia triste,
Dolente
Ao som das palmeiras na praia
Pelo anoitecer….


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

DESABAFOS




Penso,
E deixo fluir palavras
Que pelo silêncio escrevo

São sentimentos da Alma,
Abafados, chorados
E que fazem doer

Deixem que grite bem alto
O que trago trancado
Num coração marcado de chagas

É uma voz de lágrimas,
Em olhar perdido
Na solidão de paredes frias,
Onde o Amor é apenas uma palavra
Na escuridão da esperança

Penso,
Nas palavras que são frias,
Como aquelas que sinto
Sem tua presença
Numa noite sem brilho…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 12 de maio de 2013

PALAVRAS EM BEIJOS




Imersos em êxtase,
Num misto de fascínio
E loucura

Corpos colados,
Suados,
Em suave prazer

E o calor dos abraços,
No silêncio da noite,
Fazem murmurar palavras
Ditas em beijos cedidos…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

AREIAS NO TEMPO




Tempo,
Que passou no tempo
Sem nunca parar
Trazendo à memória
Um tempo esquecido,
Mas nunca perdido

Remoinhos aos ventos
Tentando parar
O tempo presente
Com areias no ar,
Em escritas sem tinta
Nas folhas dum livro futuro

Do fio que corre
Marcando o tempo,
Vai apagando um passado
Na existência pelo destino
Da presença do verbo Amar…



Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 11 de maio de 2013

SUAVEMENTE,SENTE-ME




Vem,
De mansinho, lentamente,
E sente o odor que paira no ar

É quem te deseja e quer,
Bem perto,
Sussurrando palavras de vontade
De intenso ardor

Vem,
Saciar toda uma paixão,
Voando sem pudor,
Num amor louco
Até amanhecer

Vem,
Pois nossas bocas irão murmurar
O que os olhos disserem,
No aconchego dos corpos,
Entrelaçados no prazer do amor

Vem,
Seremos o vento no silêncio da noite…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

DESEJO




O tempo não passa,
E as horas, sem minutos ou segundos,
Alheam-se à saudade,
Ignorando meu desejo

Os meus olhos anseiam ler
O desejo escrito no teu rosto,
E ver o teu sorriso,
A tristeza de tua alma,
Mas aconchegada ao teu peito


Vem depressa,
Sem pressa de voltar
Olvidando as horas,
Pois serão apenas para nós

Vamos abrir a imaginação
Que sai da alma,
Rompendo toda intenção,
Pois seremos felizes

Fico a pensar,
Porque te deixei ir?

O tempo não passa
E a saudade aumenta….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSAMENTOS




Oh pensamentos,
Que na distância torturam
Fazendo apertar o peito
Numa dor de saudade

Oh pensamentos,
Que voam ao entardecer
Trazendo o brilho das estrelas
D’uma noite sem fim

Oh pensamentos,
Que fazem dilacerar a alma
Num rolar de lágrimas no rosto
Pela tua ausência

Oh pensamentos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

E VOU DIVAGANDO




Sou aquilo que sou,
Em pensamentos,
Imaginação,
Poetizando sentimentos
Escondidos em minh'alma
Num querer abarcar
No que nunca fui

Querendo ser alguém,
Correndo veredas,
Calcorreando atalhos
Sem fim,
Olhando o horizonte
Por distâncias
Incalculáveis
Onde o sentimento
Vê o que os olhos
Não alcançam

Como vou divagando
Como chuva branda
Num dia de calor
Para apaziguar
Minha dor!


Fátima Porto

sexta-feira, 10 de maio de 2013

TANTA COISA




Ah como tenho tantas coisas para te explicar
Se contigo eu pudesse estar agora,
Mas esta distância teima em nos afastar

Dizer-te o que meu peito sente
Mas abafa,
Estreitar-te no meu colo
Sendo o meu aconchego,
E dizer-te à minha maneira
Como te amo

Tanta coisa que te queria dizer
Que não posso contar
Da vontade de te ter em meus braços,
Pois nem precisaria escrever

Ah tanta coisa para te dizer
Que nem sei onde começar,
Mas se estivesses comigo agora,
Cobria teu rosto de beijos
Sem precisar de escrever-te

Mas como vou começar,
Se tenho tanta coisa para falar-te…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

AO TELEFONE TUA VOZ, NOSSO DESEJO