segunda-feira, 30 de junho de 2014

PÉTALAS VERMELAS

PÉTALAS VERMELHAS

Rosa fresca
Vermelha quase negra
Verdadeira
Delicada
Em meus lábios
Deixa bálsamo delirante

Beija,
Com tal sabor,
Sente perfume meu

Fecho os olhos
P’la fantasia
Voando,
Observando como se sente
Igual a vinho de Baco,
Fluindo…

Fátima Porto

SAUDADES DE TI

SAUDADES DE TI

Sinto saudades de ti,
Porque os caminhos da vida
Não são só pétalas,
Eles têm rosas com espinhos
Que magoam e ferem
E nos esventram a Alma
Abrindo feridas profundas
Fazendo chorar lágrimas de fel

Sinto saudades de ti,
Como o orvalho da manhã
Que rega a tristeza da noite
Em solidão escura que os olhos sentem
Onde as mãos procuram no vazio de nada

Sinto saudades de ti,
Gritando teu nome e o eco traz tua voz
Calando baixinho o bater de um coração
Alterando o desgosto em alegria quando te ouve
Querendo-te como és mesmo

Sinto saudades de ti,
Por que…

Fátima Porto

domingo, 29 de junho de 2014

...

*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*


...

...Quem souber falar com os olhos,

Lê as palavras que estão escritas

Nas entrelinhas mais profundas

De uma alma só...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC


*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*

QUISERA

QUISERA

Quisera,
Que tu viesses até mim,
Assim que eu acordasse
E ao meu lado estivesses

Pudesse sentir tuas mãos,
Teus lábios tocar os meus
Num beijar doce e macio

Quisera,
Poder adivinhar teus pensamentos
Olhar para o teu rosto,
E de imediato,
Saber como agir,
Quais palavras proferir,
Ou teus desejos realizar

Quisera, ah quisera sim,
Ter-te para sempre
Bem perto de mim,
Em busca desses momentos,
Todos os sonhos alcançados
Num só instante

Tempo esse que duraria
Mais do que um dia,
Dando-nos o alento almejado,
E lado a lado,
Iriamos querer mais,
Muito mais

E lá fora nada mais existiria,
O mundo connosco, pararia...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

MULHER AO NATURAL

MULHER AO NATURAL


Descompliquem
o que nada há de complicado
no simples corpo de uma Mulher

Na sua nudez,
nos seus afagos
carícias,
faz criar desejos,
quereres

Um voar na louca imaginação
onde beijos
que línguas que se trocam
se envolvem,
Num deslizar na pele suave
com perfume de rosa

Estimula sentidos
com respiração
que acelera

Um despertar
voraz de fera
Mas com suavidade
que não quer perder
Esta mulher simples e natural...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LAMENTO

LAMENTO

Lamento tido,
Perdido em lágrimas
Na escuridão da noite

Lamento sofrido,
Num rasgar da Alma
Com mãos vazias

Lamento vencido,
Em horizontes longínquos
De doces quimeras

Lamento padecido,
Como rugas d’um xaile
Na dor da Saudade…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 27 de junho de 2014

ALTAR DE RUÍNAS

ALTAR EM RUÍNAS

Perderam-se anos,
Esquecendo-se no tempo
O altar das preces,
De lágrimas, de dor,
Sorrisos e alegrias

Templo um dia amado,
Hoje com telhado de céu estrelado,
De imagens sagradas em pensamento,
Onde a paz é sentida
Nas paredes desfeitas em sofrimento

Tendo solidão por companhia,
Dedicado ao esquecimento,
Penitenciam-se as almas
Com doridas mágoas,
Nas ervas nocivas que crescem

Como os ventos passam ligeiros
Deslizando p’las janelas escancaradas,
Ficando apenas a lembrança
Das orações tidas,
Quando repicavam os sinos…


Fátima Porto

MISTÉRIO

MISTÉRIO

Existe um mistério no teu corpo
É feito de desejo e mel
Que sabe a fantasias dissolvidas
E sonhadas diariamente em vão.

Existe um feitiço no teu olhar
Que prende sombras fugazes
E encandeia a aurora ao anoitecer
Sempre, sempre sem cessar.

Não sei que segredos
Se escondem na tua boca,
Pois nem consigo decifrar-lhe o gosto
Mas vicia, cativa, prende, mata

Não sei que enigma nasce na tua voz
Tão doce, sensual, tão limpa,
Quero ouvi-la uma e outra vez

És capricho, tentação doentia,
Tão difícil é amar-te e não te ter,
Como ter-te e não te amar

És ânsia, loucura, perdição
Um doce amargo, nu e cru,
Que não se deixa saciar

Quero-te como se quer o raio de Sol
Permanente, brilhante, inacessível.

Desejo-te como se deseja a Lua
Musa de prata perdida na noite.

Tenho-te como se tem o Vento
Brisa suave, furacão, tempestade

Sôfrega, espero-te,
E num minuto me alcanças,
Num minuto, ou num segundo te evades,
E depois nada mais existe,
Nada mais me resta

Apenas a memória do cheiro,
A figura, o vulto,
A força do olhar,
O calor do abraço...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 26 de junho de 2014

CANDEEIROS DE SAUDADE

CANDEEIROS DE SAUDADE

Minh’alma aqueceu
Com raios d’um por do sol
Em terra distante

Candeeiros lentamente iluminam
Pensamentos que voam
Levados pela brisa que passa

Extravasam lágrimas de saudade
Contidas, sufocadas
Em noites de solidão

Sangra um peito dorido
Na cor do sol que me acalentou,
Fazendo suster
Todo um pranto calado
P’la nostalgia da minha terra…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSAMENTOS

PENSAMENTOS

Oh pensamentos,
Que na distância torturam
Fazendo apertar o peito
Numa dor de saudade

Oh pensamentos,
Que voam ao entardecer
Trazendo o brilho das estrelas
D’uma noite sem fim

Oh pensamentos,
Que fazem dilacerar a alma
Num rolar de lágrimas no rosto
Pela tua ausência

Oh pensamentos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LINHA TRACADA

LINHA TRACADA

O caminho da vida é longo
Mas fecho as lembranças
D’um passado de lágrimas,
Que preparou um presente,
Para além da linha que tracei,
Pois só este viver me importa

Existe sempre um recomeço,
Com novas cores para colorir...



Fátima Porto

quarta-feira, 25 de junho de 2014

AROMAS

AROMAS

Pensamentos chegam e afastam-se
Por entre o odor de flores e folhas
Que me rodeiam,
E que dizem baixinho
A olhar para as nuvens do céu e…

SONHAR!

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PÉTALAS DE SONHO

PÉTALAS DE SONHO

Vamos partir
Em barco sem velas
Com Pétalas de rosas ao vento
Que o levarão
Dentro da fantasia

Paixão
Sonhada
Voga a barca
Em brisa leve
Como pássaro a voar
Junto ao mar

Vai deslizando
O batel
Como a fantasia
De te ter junto a mim
Ao longo das águas mornas
E não mais acordar

Abraça-me,
Quero sentir o teu calor
A brisa está fresca,
E sinto um arrepio

Oh a janela do quarto
Estava aberta,
E o meu barco,
Era um sonho...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 24 de junho de 2014

SENTIR EM MIM

SENTIR EM MIM

Vejo,
O que em mim resguardo,
No silêncio da noite
Quando o meu pensamento voa

Quero,
Correr leve como a brisa,
Esvoaçar ao vento,
Abrir os braços e ser capaz gritar

Sinto,
Teu descansar em meu regaço,
Sem palavras, mas em ardor,
No sossego de nós dois

Oiço,
Tua voz num enleio,
Cingindo-me ao teu corpo,
Em labaredas de paixão

Caminho,
Em nosso leito d’amor,
Nos lençóis de teu perfume,
E enrugados nos beijos dados

Choro,
Lágrimas que queimam o peito,
De toda uma saudade profunda,
Como o mar imenso,
Que se perde no horizonte

E lá fora a brisa
Passa ligeira,
Falando do nosso amor...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LÁGRIMAS D'EMOÇÃO

LÁGRIMAS D’EMOÇÃO

Ao sabor do momento,
Do sofrimento,
Pel’alegria,
Ou num delírio teimoso da Alma,
Os olhos choram

Lágrimas quentes
Mas que gelam o coração,
Como a chuva que cai do céu,
Querendo voltar

Lágrimas são como poemas,
Alegres,
Felizes,
Deprimidos,
Amargurados,
Em confissões,
Com emoções,
E no silêncio da solidão

Lágrimas são gotas,
Tantas,
Como os mares,
Cheios com os pingos da chuva

Lágrimas,
Que espreitam,
Tal como as vertidas do céu,
Para um dia,
Se tornarem Poesia...

Fátima Porto

segunda-feira, 23 de junho de 2014

POSSO?

POSSO?


Posso tocar-te?
Sentir o fervor dos teus lábios,
A queimar os meus?
Tocar tua pele?
Posso olhar-te nos olhos,
E ver a alma dizer segredos teus

Passear pelo teu corpo
Com a ponta dos meus dedos?
Posso ousar?
Abusar?

Se me deixares gerir este passeio,
Eu digo para onde te quero levar
E dar-te aconchego, paixão e desejo

Se puder tocar-te,
Sentir-te,
E amar-te,
Quero começar tudo isso,
Com um doce e prolongado beijo.




Fátima Porto

SEGREDO

SEGREDO

Vem,
Aproxima-te um pouco mais
Deixando-me sussurrar ao ouvido,
E dizer suavemente
O que mais ninguém pode ouvir

É somente entre nós,
Reservado,
Pois o que te quero dizer
É simplesmente:

Ama-me por amor do nosso amor!

Fátima Porto

O VENTO LEVOU

O VENTO LEVOU

É por uma nuvem
Que vai um pensamento meu,
E que segue ligeira
Como em sonhos, sonhados

Como se fosse a primeira vez,
Sento-me a aguardar
Com o céu a chorar,
Como eu

Sinto falta dos abraços
Do teu toque suave,
Da maneira como beijas
Fazendo-me tremer

E continuo a pensar em ti,
Olhando o céu,
Onde o vento levou a nuvem,
Mas ficou molhado,
Como a minha janela...

Fátima Porto

domingo, 22 de junho de 2014

PEDRAS DA CALÇADA

PEDRAS DA CALÇADA

Passo a passo,
Num abraço
Que inundava de prazer,
P’las ruas vazias
Faziam ecoar corações

Na sintonia de cada passo,
Abafava à cadência, um beijo,
Pelo olhar pedido,
Sussurrado,
E sem palavras,
Mas consentidas

Pedras da calçada
Por nós pisadas,
Ao amanhecer da paixão
Em murmúrio nas ruas vazias,
Onde os corações aceleravam
Ao compasso,
No ecoar suave, do doce encanto…

Fátima Porto

PRESENÇA

PRESENÇA

Acordo numa manhã
Sem estrelas,
E apenas oiço o silêncio de ti

Lençóis amarrotados,
Pois sei assim,
Da tua presença em mim...


Fátima Porto

D'OLHOS FECHADOS

D’OLHOS FECHADOS

Com tuas caricias
E teus beijos,
Fecho os olhos
E deixo-me levar

Ao dar amor
E ser amada,
Envolves-me
Com tal doçura e candura,
Que fico aprisionada em ti

Vou chamar de paixão,
Um amor doce,
Porque nós queremos,
Desejamos,
Ansiamos,
E nos encaixamos

E numa plenitude irreal, talvez,
D’um sonho a dois,
Nossos cheiros
Cruzam-se,
Misturam-se
Com os fluidos
Que de nós exalam,
Inebriando-nos
Como loucos

Ah que amantes que somos,
Quando fechamos os olhos…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 21 de junho de 2014

É TÃO SIMPLES

É TÃO SIMPLES

É tão simples amar-te,
E tão simples ter-te,
Num simples sonhar deste amor

É tão simples amar-te,
No teu jeito meigo,
Na doçura desse olhar

É tão simples amar-te,
Sentindo o deleite,
Entendendo a vontade de mais querer,
Mesmo no sentir da ausência
Apertando o peito

É tão simples amar-te,
Como simples é viver deste amor,
Que traz toda esta emoção,
Por seres assim simplesmente…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ROSAS DE SAUDADE

ROSAS DE SAUDADE

Pus em meu regaço,
Perfumados botões de rosa,
Para encherem o vazio
Que a tua ausência deixou

Pétala a pétala
Vou desfolhando,
Como um pequeno rosário
Das penas da minha Alma
Que no silêncio guardo por ti

Sentada aguardo serena,
Despojada de sentimentos,
Mas que minh’alma inquieta
Dorida, sofre sem ti

Choro lágrimas de saudade
E dos beijos que não dei,
Queria-te bem perto
No calor do teu abraço,
Sussurrando ao ouvido
Palavras do nosso Amor…

Fátima Porto

EM TI

EM TI

Sucumbo
Em teu beijo,
Sem pudor

Aperfeiçoa,
No teu enleio
Meu aconchego

Meu bálsamo,
É teu ser,
No Universo inteiro

Desejo-te intensamente,
Acreditando em ti,
Por isso é que te reclamo agora…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 20 de junho de 2014

REFLETINDO

REFLETINDO

Acalmo no teu perfume,
Na distância do teu sentir,
Da vontade de ti
Em rumor do segredar

Desejo teu acordar,
Das fragrâncias em carícias,
Nos teus lábios em beijos,
E serem meu despertar

Teu desejar enlouquece-me,
Idealizando,
Silenciando os olhos aos ensejos,
Numa explosão de emoções,
Largando-as em liberdade
Como a chuva,
Quando molha meu corpo

Que as vontades façam transbordar
Os mais intensos anseios,
Dedicando os belos momentos,
Na exaltação da nossa existência…

Fátima Porto

quinta-feira, 19 de junho de 2014

DESATA-ME

DESATA-ME

Desata minhas mãos
Para que te possa amar,
Sentir no teu corpo
O ardor da paixão

Solta de mim
Todo o desejo,
Desnudando
O meu apetecer,
E degustando
Nosso prazer

Segreda
Ao meu ouvido
Palavras de silêncio,
Passeando
Pelo meu corpo,
Dedos quentes e suaves

Mas além de tudo,
Lembremos nosso mundo,
Completo,
Como uma fogueira,
Crepitando em chamas…

Fátima Porto

LEMBRANÇAS

LEMBRANÇAS

Dispo-me de mim,
No nosso mundo
Perante ti,
Para nós,
E num só corpo

Há um desejo,
Contido
Para lá do tempo,
De bocas caladas
Com olhos falantes

Absorvo momentos mágicos,
Idealizado instantes
Guardados na lembrança,
Para nunca esquecidos
Por um beijo selado

Olhos nos olhos
Caminhos são percorridos,
Mas nunca abafados…

Fátima Porto

...

...
…Sinto teus dedos passearem,
Pelo meu corpo nu,
Mudando a doce sensação
Para a mais bela música
Que nossos sentidos ouviram!


Fátima Porto

ABRAÇA-ME

ABRAÇA-ME

Abraça-me forte
Como se fossemos um só,
Querendo sentir teu calor
Atravessar meu corpo

Encostar minha cabeça
Ao teu peito,
Sentir o bater do coração

Abraça-me,
Preciso sentir mais perto
O pulsar do teu corpo,
Como se respirasse o teu viver

Abraça-me,
Beija-me de mansinho,
Acaricia meus cabelos

Abraça-me,
Porque no meu abraço
Não encontro ninguém,
Só eu…


Fátima Porto

quarta-feira, 18 de junho de 2014

DESEJO

DESEJO

O tempo não passa,
E as horas, sem minutos ou segundos,
Alheam-se à saudade,
Ignorando meu desejo

Os meus olhos anseiam ler
O desejo escrito no teu rosto,
E apenas ver o teu sorriso,
Na tristeza de minh’ alma
Aconchegada ao teu peito

Vem depressa,
Sem pressa de voltar
Olvidando as horas,
Pois serão apenas para nós

Vamos dar vida à imaginação
Que sai da alma,
E rompendo todos os devaneios,
Para seremos felizes

Fico a pensar,
Porque te deixei ir?

O tempo não passa,
E a saudade aumenta…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

...

...

…Amor, amor,
É aquele que não tem barreiras,
O vento não leva,
Nem as distâncias existem!...

Fátima Porto

terça-feira, 17 de junho de 2014

ÁRVORE NUA

ÁRVORE NUA

A árvore
À beira do lago
Despida de folhas,
Foi nossa única cúmplice,
Quando nos amámos

O nosso lugar,
Sem outros olhares
E despidos como ela

Corpos ondulantes,
Como as aguas do lago,
De cabelos ao vento
Junto à árvore

Beijos
Misturavam-se
Com as caricias suaves
Pelos corpos nus

Arrepios,
P’lo passear leve,
Dos dedos,
Em cantos e recantos,
E de olhares que diziam tudo

A árvore nem falou nem olhou,
Mas foi nossa cúmplice
E estava nua, como nós...

Fátima Porto

VOU ESCREVENDO

VOU ESCREVENDO

Vejo e sinto
Meus pensamentos
Fluírem
Tomarem forma

Vou escrever versos meus
Com pena de tinta preta
Para que as páginas
Não fiquem brancas
De tantas penas minha

São sentimentos
Guardados no meu peito
Tristes
Amargurados
Passados para páginas brancas
Com pena de tinta preta

Esventro meu ser
Rasgo minh'alma
Por letras que não escrevo
Em páginas brancas...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

BEIJOS

BEIJOS

Fecha os olhos
e imagina os meus lábios nos teus

Em seguida, vai abrindo devagarinho
e sente como te afago
bem junto a mim

São beijos
macios, alucinados, mas doces,
onde línguas falam por nós,
e como se o tempo não existisse

Não, não é só a imaginação
é também a realidade
da nossa vontade

nosso pensamento,
sentimento,
do nosso... Amor!

Fátima Porto

...

....
….A beleza da metamorfose
É quando um sonho se torna realidade,
E com a sua simplicidade
Faz a nossa Alma sorrir!

Fátima Porto

segunda-feira, 16 de junho de 2014

OLHAR TRISTE

OLHAR TRISTE

Teu olhar esvai-se,
Como o tempo
Livre no horizonte

Panos negros te envolvem
Porque sombria está tua alma
Entre lágrimas que já secaram

Mulher da minha terra,
Que de panos traçados
Enrolas-te como em abraços,
Com o teu olhar, perdido em nada

Mesmo na tristeza mostras encanto,
Como o cheiro da terra vermelha
Sacudida pela aragem quente,
Em deliciosa perfeição
Fazendo-se envolver na tua amargura

Em que brisas do vento
Teus pensamentos se dispersam,
Triste mulher da minha terra?


Fátima Porto
Fotografia de David M Oliveira

domingo, 15 de junho de 2014

OLHARES

OLHARES

Cruzá-mo-nos…
Nossos olhares
Falaram por nós
Onde mil palavras
Não diriam tanto

Almas que se abriram
Profundamente,
Deixando voar
Para bem alto,
O sentimento
E a vontade

Olhos transparentes,
Expressivos,
Que não se fecharam,
Transmitindo gostos,
Sonhos

Passaria por ti,
Para nossos olhares
Se voltarem a cruzar,
Mesmo de longe,
Nem que fosse por instante...

Fátima Porto
AMOR VIRTUAL

De amor fala-se
Mas amor não fala
Amor sente-se,
Amor expressa-se

Se o amor é virtual
Não sei onde mora
Apenas sei que é distante

Não fala minha língua
Nem eu a dele,
Mas pra quê idioma
E pra quê falar

Não precisa de língua
A dicção é universal
Sente-se nos olhos
Em atitudes,
E no carinho

É no conjunto de imagens
D’um computador?
Uma velha foto?
Na voz?

Ama-se a alma,
Ama-se a essência,
Ama-se o virtual!



Fátima Porto
LOBA-MULHER

No silêncio da noite
Transforma-se,
A mulher que traz em si,
Uma loba em cio,
Uivando bem alto
Procurando seu macho

Com loucura
E de mansinho,
Vibra nela o que quer

Em todo o ensejo
Rasgando sua pele
P’ra tê-lo por inteiro
Indo até aos confins
De si próprio
Onde só ele conhece
E não mostra

Vai dar uivos
Enlouquecidos
Vindo das entranhas
Quando a insanidade
Tomar conta de si

O seu uivo será mais forte
Demasiado incontido
E em uníssono,
Apenas se elevará um:

O da fêmea,
Loba-mulher…

Fátima Porto

sábado, 14 de junho de 2014

BEIJO

Beijo perdido
beijo esquecido
beijo roubado
beijo trocado
beijo querido
beijo ansiado
beijo leve
beijo quente
beijo saudoso
beijo presente
beijo amigo
beijo amante
beijo meu
beijo teu
beijo antes
beijo durante
beijo depois
beijo colado
beijo doce
beijo meigo
beijo suado
beijo enlaçado
Beijo... Alma de dois amantes!

Fátima Porto

BEBENDO VINHO

BEBENDO VINHO

Afaga-me
Com teu querer
Deseja-me
Com tua paixão
Beija-me
Com tua meiguice
Acaricia-me
Com tuas mãos

Desejo-te
Só para mim
Olhares profundos
Que falam muito
De corpos colados
Querendo
Ser só um

Saboreemos o vinho
Nos beijos
Das nossas bocas
Ao calor de um abraço
Querendo mais
Por tão pouco ser ….


Fátima Porto

EM NOITE DE LUAR

EM NOITE DE LUAR

Lua,
Que marca sua presença
Na tua ausência
Quando olho as estrelas do céu

Abraço-me
Ao vento que passa
Que traz calor teu

Minh’alma
Sente teu ser
Em anseios que carregas
E que calas baixinho

Junta-te a mim
Em corpos nus
No desejo ardente
De tanto querer oculto…


Fátima Porto

sexta-feira, 13 de junho de 2014

À LUZ DA VELA

À luz mortiça de uma vela
Minhas lágrimas caiem

É choro abafado,
Com uma alma que sangra
De palavras não ditas,
Sob o olhar de uma vela
De chama trémula
Que finda aos poucos

Amanhece e chove,
Molhando a janela
Do quarto da minha tristeza,
Invadindo o meu ser,
Tendo por companhia a solidão
Iluminada p’la tosca vela
Que se apaga lentamente

E minhas lágrimas vão secando…

Fátima Porto
In “Ecos d’Alma”
QUANDO EU MORRER

Quero de ti
simplesmente
um beijo eterno
e teus olhos
postos em mim
porque eu estarei
já a velar por ti

Não me dês flores
em nome do nosso amor
...Elas murcham

Acaricia meu cabelo
com o toque suave
das tuas mãos
porque a minh'alma
vai vibrar de emoção

Sorri para vida
meu amor,
não quero as tuas lágrimas
porque um dia
nos iremos encontrar
em pleno Paraíso do Éden
para o nosso Amor sem fim

Não me digas adeus,
Serei o teu Anjo da Guarda

Quando eu morrer...

Fátima Porto

PALAVRAS ESCRITAS E GESTOS