sexta-feira, 27 de junho de 2014

ALTAR DE RUÍNAS

ALTAR EM RUÍNAS

Perderam-se anos,
Esquecendo-se no tempo
O altar das preces,
De lágrimas, de dor,
Sorrisos e alegrias

Templo um dia amado,
Hoje com telhado de céu estrelado,
De imagens sagradas em pensamento,
Onde a paz é sentida
Nas paredes desfeitas em sofrimento

Tendo solidão por companhia,
Dedicado ao esquecimento,
Penitenciam-se as almas
Com doridas mágoas,
Nas ervas nocivas que crescem

Como os ventos passam ligeiros
Deslizando p’las janelas escancaradas,
Ficando apenas a lembrança
Das orações tidas,
Quando repicavam os sinos…


Fátima Porto

MISTÉRIO

MISTÉRIO

Existe um mistério no teu corpo
É feito de desejo e mel
Que sabe a fantasias dissolvidas
E sonhadas diariamente em vão.

Existe um feitiço no teu olhar
Que prende sombras fugazes
E encandeia a aurora ao anoitecer
Sempre, sempre sem cessar.

Não sei que segredos
Se escondem na tua boca,
Pois nem consigo decifrar-lhe o gosto
Mas vicia, cativa, prende, mata

Não sei que enigma nasce na tua voz
Tão doce, sensual, tão limpa,
Quero ouvi-la uma e outra vez

És capricho, tentação doentia,
Tão difícil é amar-te e não te ter,
Como ter-te e não te amar

És ânsia, loucura, perdição
Um doce amargo, nu e cru,
Que não se deixa saciar

Quero-te como se quer o raio de Sol
Permanente, brilhante, inacessível.

Desejo-te como se deseja a Lua
Musa de prata perdida na noite.

Tenho-te como se tem o Vento
Brisa suave, furacão, tempestade

Sôfrega, espero-te,
E num minuto me alcanças,
Num minuto, ou num segundo te evades,
E depois nada mais existe,
Nada mais me resta

Apenas a memória do cheiro,
A figura, o vulto,
A força do olhar,
O calor do abraço...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 26 de junho de 2014

CANDEEIROS DE SAUDADE

CANDEEIROS DE SAUDADE

Minh’alma aqueceu
Com raios d’um por do sol
Em terra distante

Candeeiros lentamente iluminam
Pensamentos que voam
Levados pela brisa que passa

Extravasam lágrimas de saudade
Contidas, sufocadas
Em noites de solidão

Sangra um peito dorido
Na cor do sol que me acalentou,
Fazendo suster
Todo um pranto calado
P’la nostalgia da minha terra…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSAMENTOS

PENSAMENTOS

Oh pensamentos,
Que na distância torturam
Fazendo apertar o peito
Numa dor de saudade

Oh pensamentos,
Que voam ao entardecer
Trazendo o brilho das estrelas
D’uma noite sem fim

Oh pensamentos,
Que fazem dilacerar a alma
Num rolar de lágrimas no rosto
Pela tua ausência

Oh pensamentos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LINHA TRACADA

LINHA TRACADA

O caminho da vida é longo
Mas fecho as lembranças
D’um passado de lágrimas,
Que preparou um presente,
Para além da linha que tracei,
Pois só este viver me importa

Existe sempre um recomeço,
Com novas cores para colorir...



Fátima Porto

quarta-feira, 25 de junho de 2014

AROMAS

AROMAS

Pensamentos chegam e afastam-se
Por entre o odor de flores e folhas
Que me rodeiam,
E que dizem baixinho
A olhar para as nuvens do céu e…

SONHAR!

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PÉTALAS DE SONHO

PÉTALAS DE SONHO

Vamos partir
Em barco sem velas
Com Pétalas de rosas ao vento
Que o levarão
Dentro da fantasia

Paixão
Sonhada
Voga a barca
Em brisa leve
Como pássaro a voar
Junto ao mar

Vai deslizando
O batel
Como a fantasia
De te ter junto a mim
Ao longo das águas mornas
E não mais acordar

Abraça-me,
Quero sentir o teu calor
A brisa está fresca,
E sinto um arrepio

Oh a janela do quarto
Estava aberta,
E o meu barco,
Era um sonho...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 24 de junho de 2014

SENTIR EM MIM

SENTIR EM MIM

Vejo,
O que em mim resguardo,
No silêncio da noite
Quando o meu pensamento voa

Quero,
Correr leve como a brisa,
Esvoaçar ao vento,
Abrir os braços e ser capaz gritar

Sinto,
Teu descansar em meu regaço,
Sem palavras, mas em ardor,
No sossego de nós dois

Oiço,
Tua voz num enleio,
Cingindo-me ao teu corpo,
Em labaredas de paixão

Caminho,
Em nosso leito d’amor,
Nos lençóis de teu perfume,
E enrugados nos beijos dados

Choro,
Lágrimas que queimam o peito,
De toda uma saudade profunda,
Como o mar imenso,
Que se perde no horizonte

E lá fora a brisa
Passa ligeira,
Falando do nosso amor...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LÁGRIMAS D'EMOÇÃO

LÁGRIMAS D’EMOÇÃO

Ao sabor do momento,
Do sofrimento,
Pel’alegria,
Ou num delírio teimoso da Alma,
Os olhos choram

Lágrimas quentes
Mas que gelam o coração,
Como a chuva que cai do céu,
Querendo voltar

Lágrimas são como poemas,
Alegres,
Felizes,
Deprimidos,
Amargurados,
Em confissões,
Com emoções,
E no silêncio da solidão

Lágrimas são gotas,
Tantas,
Como os mares,
Cheios com os pingos da chuva

Lágrimas,
Que espreitam,
Tal como as vertidas do céu,
Para um dia,
Se tornarem Poesia...

Fátima Porto

segunda-feira, 23 de junho de 2014

POSSO?

POSSO?


Posso tocar-te?
Sentir o fervor dos teus lábios,
A queimar os meus?
Tocar tua pele?
Posso olhar-te nos olhos,
E ver a alma dizer segredos teus

Passear pelo teu corpo
Com a ponta dos meus dedos?
Posso ousar?
Abusar?

Se me deixares gerir este passeio,
Eu digo para onde te quero levar
E dar-te aconchego, paixão e desejo

Se puder tocar-te,
Sentir-te,
E amar-te,
Quero começar tudo isso,
Com um doce e prolongado beijo.




Fátima Porto

SEGREDO

SEGREDO

Vem,
Aproxima-te um pouco mais
Deixando-me sussurrar ao ouvido,
E dizer suavemente
O que mais ninguém pode ouvir

É somente entre nós,
Reservado,
Pois o que te quero dizer
É simplesmente:

Ama-me por amor do nosso amor!

Fátima Porto

O VENTO LEVOU

O VENTO LEVOU

É por uma nuvem
Que vai um pensamento meu,
E que segue ligeira
Como em sonhos, sonhados

Como se fosse a primeira vez,
Sento-me a aguardar
Com o céu a chorar,
Como eu

Sinto falta dos abraços
Do teu toque suave,
Da maneira como beijas
Fazendo-me tremer

E continuo a pensar em ti,
Olhando o céu,
Onde o vento levou a nuvem,
Mas ficou molhado,
Como a minha janela...

Fátima Porto

domingo, 22 de junho de 2014

PEDRAS DA CALÇADA

PEDRAS DA CALÇADA

Passo a passo,
Num abraço
Que inundava de prazer,
P’las ruas vazias
Faziam ecoar corações

Na sintonia de cada passo,
Abafava à cadência, um beijo,
Pelo olhar pedido,
Sussurrado,
E sem palavras,
Mas consentidas

Pedras da calçada
Por nós pisadas,
Ao amanhecer da paixão
Em murmúrio nas ruas vazias,
Onde os corações aceleravam
Ao compasso,
No ecoar suave, do doce encanto…

Fátima Porto

PRESENÇA

PRESENÇA

Acordo numa manhã
Sem estrelas,
E apenas oiço o silêncio de ti

Lençóis amarrotados,
Pois sei assim,
Da tua presença em mim...


Fátima Porto

D'OLHOS FECHADOS

D’OLHOS FECHADOS

Com tuas caricias
E teus beijos,
Fecho os olhos
E deixo-me levar

Ao dar amor
E ser amada,
Envolves-me
Com tal doçura e candura,
Que fico aprisionada em ti

Vou chamar de paixão,
Um amor doce,
Porque nós queremos,
Desejamos,
Ansiamos,
E nos encaixamos

E numa plenitude irreal, talvez,
D’um sonho a dois,
Nossos cheiros
Cruzam-se,
Misturam-se
Com os fluidos
Que de nós exalam,
Inebriando-nos
Como loucos

Ah que amantes que somos,
Quando fechamos os olhos…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC