sábado, 5 de julho de 2014

O MEU SOFÁ

O MEU SOFÁ


Recostada, imagino
Sonhos,
Quereres,
E fechando os olhos, dou largas à imaginação

Eu aqui sentada apenas envolta num véu,
Para vires docemente,
E tuas mãos percorrem o meu corpo

Tua boca beija suavemente meu rosto,
Pescoço,
Fazendo soltar uma excitação em nós,
De um querer sem pudores e tabus

As minhas mãos, língua,
Exploram o teu corpo
Aconchegando-te a mim
Sentindo o teu peito no meu
E um bater descompassado dos corações

O véu vai caindo,
E por fim, o beijo sôfrego,
Onde as línguas se entrelaçam,
Como num abraço
E, ele ali está

Rolamos para ele
E saciamos nossa vontade louca,
De corpos unidos,
O prazer é levado à exaustão,
Murmúrios,
Sussurros de encanto,
Beijos quentes em corpos suados, cansados


Sofá da imaginação
Sofá da realidade

O MEU SOFÁ...


Fátima Porto

sexta-feira, 4 de julho de 2014

ORVALHO DE SAUDADES

ORVALHO DE SAUDADES

Guardei o mar das saudades
Para nunca o perder,
No sótão das memórias
E calei profundo

Abro-o,
Quando tristezas apertam o peito
E sufocam a voz,
Num embriagar da nostalgia,
Como cheiro de flores secas,
P’lo tempo que passou

Guardei a madrugada
Em gotas de orvalho,
Para que em silêncio e só,
Se confundissem com as lágrimas
Que derramavam da minh’alma

Pois que o orvalho,
São lágrimas ao amanhecer…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

COMO SOU

COMO SOU

Prendo-me numa dimensão
Em que toda a minh’alma se solta,
Nas trovas que escrevo,
E em cada sopro que respiro

Na tormenta do amor
Eu conheci um todo,
Abafando-me,
Arrebatada,
Chegando para minh’alma,
Tal como sou

Mas em cada brisa que passa,
Enchem-se os olhos de lágrimas,
Só no meio da multidão,
Sentindo-me abandonada,
Querendo apenas
Voar nas nuvens do tempo e da distância…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

JANELAS DO TEMPO

JANELAS DO TEMPO

Fecharam-se velhas janelas
Entorpecidas no tempo
Onde o silêncio agora habita

Murmúrios d’um passado,
Que se esvaem por entre gastas frestas,
Alheios a quem passa

Crianças por ela brincaram,
Ou onde namorados trocaram juras de amor,
Em páginas d’um passado não distante

Quantas histórias guardam por entre janelas,
Hoje carcomida pelos anos,
Onde suas dobradiças se enferrujaram,
E que não mais se abrirão

Assim como janelas encerraram ao vento,
Quantas vidas se fecharam no tempo,
Mas que ainda hoje retêm o passado…


Fátima Porto

quinta-feira, 3 de julho de 2014

SAUDADE

SAUDADE

Saudade,
Não tem cheiro nem sabor

Saudade,
Fala-se,
Mas não se vê

Saudade,
Faz parte da ausência,
Mas não do amor

Saudade,
Quem a tem sente uma dor
A crescer no coração

Saudade,
Quando vem,
A solidão acompanha,
Por carência de alguém…


Fátima Porto

...


…Ainda que fosse por um momento único,
Ansiava sentir teus braços nus
Ao calor do pôr-do-sol,
Invadirem e acariciarem,
Através de um beijo
À distância do infinito…

Fátima Porto

RETRATOS

RETRATOS

Retratos de palavras caladas,
Que transbordam sentimentos vividos
Em distâncias perdidas

Retratos molhados
Por lágrimas que rolam
De uma saudade presente

Retratos amarelecidos
No relógio do tempo,
D’um passado voltado para o presente
Levado p’las nuvens do futuro…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 2 de julho de 2014

...



...Vais sentir,
Bem fundo da tua alma,
Pois sem palavras,
Saberás que sou eu
Quando olhares bem para os meus olhos

Nada se dirá,
Mas sob a tranquilidade da noite,
Ir-se-á fazer ouvir, apenas,
Uma suave brisa
Embalando nossa paixão…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

EM FOGO

EM FOGO

Um beijo quente,
Em fogo,
Aquece
O coração

Carícias
Meigas,
Incendeiam
A alma

Corpos unidos,
Num doce agitar,
Em paixão
Sonhada

Ardem sentimentos
Num beijo aceso,
Em lábios de fogo


Fátima Porto

...



…Na solidão da noite
Ondas de espuma enroladas de tristezas
Espraiam-se na minha angústia

Existe uma saudade que aperta o peito
Que faz rolar lágrimas que secam
No mar da minh’alma…

Fátima Porto

terça-feira, 1 de julho de 2014

...

….

…No rio da vida,
Há lagos de serenidade
Pintados em cor de fogo,
Ao deslizar da melodia p’las águas,
Queimando ardentes paixões…

Fátima Porto

...


…Ainda que fosse por um momento único,
Ansiava sentir teus braços nus
Ao calor do pôr-do-sol,
Invadirem e acariciarem,
Através de um beijo
À distância do infinito…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

SEM VIDA

SEM VIDA

Deambulo
Na vida
De olhar vazio,
Como vento que passa
Nada dizendo

Solidão oca,
E meu corpo estremece
Procurando abrigo

Falar,
Não consigo,
Da minha tristeza
O mundo sou seu,
Com dor,
E sem vida…

Fátima Porto


segunda-feira, 30 de junho de 2014

PÉTALAS VERMELAS

PÉTALAS VERMELHAS

Rosa fresca
Vermelha quase negra
Verdadeira
Delicada
Em meus lábios
Deixa bálsamo delirante

Beija,
Com tal sabor,
Sente perfume meu

Fecho os olhos
P’la fantasia
Voando,
Observando como se sente
Igual a vinho de Baco,
Fluindo…

Fátima Porto

SAUDADES DE TI

SAUDADES DE TI

Sinto saudades de ti,
Porque os caminhos da vida
Não são só pétalas,
Eles têm rosas com espinhos
Que magoam e ferem
E nos esventram a Alma
Abrindo feridas profundas
Fazendo chorar lágrimas de fel

Sinto saudades de ti,
Como o orvalho da manhã
Que rega a tristeza da noite
Em solidão escura que os olhos sentem
Onde as mãos procuram no vazio de nada

Sinto saudades de ti,
Gritando teu nome e o eco traz tua voz
Calando baixinho o bater de um coração
Alterando o desgosto em alegria quando te ouve
Querendo-te como és mesmo

Sinto saudades de ti,
Por que…

Fátima Porto

domingo, 29 de junho de 2014

...

*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*


...

...Quem souber falar com os olhos,

Lê as palavras que estão escritas

Nas entrelinhas mais profundas

De uma alma só...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC


*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*:;;:*

QUISERA

QUISERA

Quisera,
Que tu viesses até mim,
Assim que eu acordasse
E ao meu lado estivesses

Pudesse sentir tuas mãos,
Teus lábios tocar os meus
Num beijar doce e macio

Quisera,
Poder adivinhar teus pensamentos
Olhar para o teu rosto,
E de imediato,
Saber como agir,
Quais palavras proferir,
Ou teus desejos realizar

Quisera, ah quisera sim,
Ter-te para sempre
Bem perto de mim,
Em busca desses momentos,
Todos os sonhos alcançados
Num só instante

Tempo esse que duraria
Mais do que um dia,
Dando-nos o alento almejado,
E lado a lado,
Iriamos querer mais,
Muito mais

E lá fora nada mais existiria,
O mundo connosco, pararia...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

MULHER AO NATURAL

MULHER AO NATURAL


Descompliquem
o que nada há de complicado
no simples corpo de uma Mulher

Na sua nudez,
nos seus afagos
carícias,
faz criar desejos,
quereres

Um voar na louca imaginação
onde beijos
que línguas que se trocam
se envolvem,
Num deslizar na pele suave
com perfume de rosa

Estimula sentidos
com respiração
que acelera

Um despertar
voraz de fera
Mas com suavidade
que não quer perder
Esta mulher simples e natural...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

LAMENTO

LAMENTO

Lamento tido,
Perdido em lágrimas
Na escuridão da noite

Lamento sofrido,
Num rasgar da Alma
Com mãos vazias

Lamento vencido,
Em horizontes longínquos
De doces quimeras

Lamento padecido,
Como rugas d’um xaile
Na dor da Saudade…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC