sábado, 18 de abril de 2015

ESPELHOS

ESPELHOS

Como não desviar meu olhar
De teus olhos negros brilhantes,
Transparentes,
Cristalinos de pura atração

Tentei evitar
Para não os encontrar,
Em sussurros de paixão
Espelhados nuns olhos sedentos

Tantas palavras largadas ao chão
Num prazer delirante,
Mergulhados no olhar
De intenso amor

Nossos olhares,
Espelhos límpidos,
Que falaram por nós...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

AMBOS SABEMOS

AMBOS SABEMOS

Andei por terrenos sem dono,
Percorri além-mundo,
Trilhos sem volta,
Como caminhante antes de partir

Em noites escuras,
Sem o raiar do amanhecer,
Fui amante sem ser,
Numa cama vazia e fria

Recordei-te comigo
E amei-te,
Sentindo angústia da distância,
Como barco na tempestade

Almejo teu porto seguro,
E de ti, amar,
Voltar a amar
Para meu corpo serenar

Sinto que estás presente,
Cingindo em tuas fantasias,
E deixar acontecer

Ambos sabemos…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

AGORA

AGORA

Não digas nada,
Apenas abraça-me
E murmura teus carinhos
Deixando o aroma em mim,
No meu corpo,
Em minhas saudades

Vem,
Acabando de seres distância
E seres presença agora,
Vem ter comigo

Agora…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 17 de abril de 2015

SÓ TU

SÓ TU

Meus dedos tocam-te
Como se sonhasse,
E olho sem palavras
Ao ler tua alma

Mansamente,
Mãos nas mãos,
Sussurras o que quero ouvir

Nossos corpos enleados
Ondulam em deleite,
Como barco nas ondas
Num mar de amor

Mar,
Como assinalas a distância,
Mesmo na memória dum beijo,
Degustado e ansiado,
Na saudade d’um querer mais…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

OUVIR, VER E SENTIR

OUVIR, VER E SENTIR

Faz-me acalentar esta vontade de ti,
Num desejo maior ainda
Para te ter presente em mim

Nos silêncios das noites,
Sinto-te,
Vejo-te,
Longe do alcance dos meus braços

Teu calor arrefece na ausência,
E num tempo lento,
Onde ventos teimam em destruir,
Quantos pensamentos abafados, contidos,
E clamados em exaltação

Não te oiço

Onde estão tuas palavras,
Sussurradas lentamente,
No envolver de carícias doces,
Fazendo-nos estremecer

Existe uma névoa em teu redor,
Vinda de brisas frias,
Fazendo desviar-te no tempo,
Em corpo e alma,
Sem calor, sem palavras

Não te vejo

Beijos que demos,
Quando o tempo parou,
E só o nosso existia,
Enquanto os corpos se colavam
No odor da loucura

Já não te sinto

Tento controlar
Lágrimas que teimam em cair,
Pois uma Alma despedaçada,
Ainda sente...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 15 de abril de 2015

DESPEM OLHARES

DESPEM OLHARES

Tuas mãos ao tocarem de mansinho,
Fazem-me sentir arrepios

Teu olhar, em palavras doces,
Despem-me lentamente
Pelo silêncio da noite,
E meu corpo treme

Leva-me em ti
Com o aconchego d’um beijo,
Em deleite de afagos
No calor do teu colo

Estremeço à tua voz,
No sonho de tantos quereres,
E vontades que sussurram
Promessas secretas aos corações

Consagro-me às tuas mãos,
Para que mostres o céu,
Rendendo-me…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSANDO

PENSANDO

Penso em ti
Em sentimentos
Soltando palavras,
Contidas,
Num expressar
De querer,
Em vontades caladas

Somos dois a conter,
Reprimir almas,
Lutando,
Desabafando,
Com lágrimas a rolar

Mas o espírito espera,
O pensamento voa
Levando asas de doçura,
E um calor
Que me deixa arrefecer

Queria-te
Ao meu lado,
Acolhendo
O calor de um abraço,
Em teu regaço

Mas só penso
Em ti...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 14 de abril de 2015

AMOR E PAIXÃO

AMOR E PAIXÃO


Bocas juntam-se,
Corpos colam-se,
Mãos vão explorando,
O amor vai chegando

Aqueles beijos prolongados
Queridos e ansiados,
Trazem os prazeres desejados
Beijos de parar a respiração
Provocando intensa atracção

Ondas seguidas de prazer,
Ardentemente sentidas

Forte sensação
Quão enorme desejo,
Revela uma paixão desmedida
Mutuamente concedida

Beijos apaixonados,
Extasiados,
Com vontades repetidas
De prazeres ainda não sentidos

E revela-se a paixão interior
Tão cheia de sabor

Beijos quase desesperados
Deixando os amantes transtornados,
Beijos agora desejados
Tão gostosamente sonhados

Corpos que se desejam
E que ardentemente se colam

Beijos que com arrepios são lembrados
Ao serem ternamente evocados

Amores de paixão
Mas que deixam recordação
Dum momento tão louco, tão bom

Um doce carinho no corpo
Num beijo prolongado…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

DOCE SILÊNCIO

DOCE SILÊNCIO

Num doce silêncio,
Cascatas de palavras foram ditas,
Sem que as bocas se abrissem

E no afago de tantos abraços,
A dor d’ausência diluiu-se,
Em promessas seladas de beijos...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 13 de abril de 2015

POUCO E TANTO

POUCO E TANTO

Deixaste um sabor a pouco
Dos teus beijos cor de fogo
Quão doces lábios meigos
Na minha boca que sussurrou

Palavras mudas
Olhos que vêem fechados
Um desejo de querer
Do nada a ser tudo
Quando nossas bocas se uniram

Beijo roubado
Consentido
Trazido na saudade
De nunca ser esquecido
Pois selou profundo amor
E aos sete ventos entoado…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

MINHA SINA

MINHA SINA

Tanta água por onde passo
Como as lágrimas que meus olhos vertem,
De profunda saudade que dói

Canto triste fado
Escrito na minha sina,
Sentido p’la nostalgia,
E na angústia dos gritos surdos

Quero lavar-me d’amor
Em delírio do destino,
Olvidando o amargo da Vida,
P’ra acreditar que estou viva

Ah doces desvarios,
Ditados de tal sorte,
Porque lágrimas,
Essas secaram,
Mas a tristeza do meu fado,
Ainda dilacera minh’alma...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 12 de abril de 2015

VONTADES

VONTADES

Como sonhava,
Ser a manhã que te desperta,
O sol que suavemente te acorda
Em doces carícias

Como sonhava,
Estar nos dias, horas e minutos
Que por ti passam,
Pois é contigo que quero estar

Como sonhava,
Ser a brisa que passa e te toca,
Num carinho e enlevo,
Com a dedicação de quem te ama

E em pensamentos e sonhos
Nos meus desejos, vivo emoções,
De estarmos serenamente enlaçados,
E de um sentir pleno e amado

Como desejava…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

BASTA DE SOFRER

BASTA DE SOFRER

Dorido,
Sangrando,
Cansado, pobre coração
Esventrado de feridas profundas

Louco e alucinante
Entrega-se nas garras do amor,
Perdendo o sentido real,
Para na solidão gritar

O silêncio é seu companheiro,
Mesmo em ideias distantes,
Destruindo quimeras

Basta! Quero ir mais longe
Sarar minhas feridas,
Clamar bem alto
O que profundo me dói,
Sem ecos abafados…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC