sábado, 25 de agosto de 2012

PÓ E CHUVA




Brinco na terra
Em pó que me enche o corpo
N’alegria de ser criança

Ultrapasso limites
Nas lixeiras dos crescidos
De lagoas inventadas

Lavo-me na chuva da brisa
Fresca como nuvens que passam
D’um céu azul sem fim

Olho em meu redor
E sinto uma grande dor
Senão meus olhos choravam
Por sofrer tanto assim

Sou criança calada
Mas os crescidos calam também….


Fátima Porto
Fotografia de: Adalberto Gourgel

Sem comentários:

Enviar um comentário

DESCOBRIR-ME...