quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

MEUS PRIMEIROS PASSOS




Transformei meus pensamentos
Que de lágrimas rolavam
Nas saudades que apertam o peito
Em nuvens brancas levadas p’la brisa

Doce infância não mais esquecida
Aquecida sob o sol na praia
Saboreando as raízes
E a Família que Deus me deu

São páginas do Livro da Vida
As primeiras que escrevi
De mão trémula mas feliz
Com sorrisos e aplausos
Mas debruadas a ouro

Tempos que não voltam mais
Perdidos na lembrança
Do cheiro da terra molhada
Deixando o perfume das rosas
Que baloiçando desfiz

A Vida passa como um filme
Com personagens reais
Passo a passo, muito rápido
Mas para algumas já houve “fim”

Mas o Livro continua
De páginas em branco a escrever
Trazendo recordações d’um passado
Para viver o presente
Num desejo p’ro futuro…

Fátima Porto
Fotografia de : Bruno Caratão
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

(Apenas uma explicação: o Pai Natal trouxe-me um filme com a minha meniniçe perto e na zona onde Bruno Caratão tirou esta foto...resultado: "devorei" o filme ate às 3 horas da manhã.. e que depois se transformou neste poema)

FASCINAÇÃO AUSENTE




Imaginação criada
Em mim,
Meu doce enlevo
Qual devaneio de teu odor,
Mas a tristeza me invade

Meus olhos não te vêem
O sonho engana na fragrância de rosas
Trazendo ao corpo
Um tremor em forma de véu
De todo o teu carinho

Minhas penas são doridas
E Já lágrimas caíram

Mas como por encanto
E desejo
Tu virás um dia
Em ventos para lá do tempo
Com afagos de paixão
Para delírio meu

A penumbra esconde
Um corpo que simboliza
Tanta angustia calada
Por tua ausência…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

ESPERANDO





Vi-te partir com um breve acenar
prometendo voltar...
Olho em meu redor e não te encontro
mas sinto-te presente.

As minhas mãos estão vazias
E a minha alma esgotada...


Eu não oiço o meu grito
porque a dor do meu coração
aperta, sufoca.

Uma lágrima rola na minha face
tímida, mas sentida nesta dor...

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

PRIMEIRO BEIJO




Olhos que falam
Bocas caladas
A medo pedindo

Beijo
De encanto
Suave delícia
Meigo, desejado

Bocas coladas
Doce arrepio
Sentindo teu corpo
No calor da paixão
Do primeiro beijo

Voa-se na brisa
Flutuando em marés
Dum barco encantado
Sentindo ainda
O beijo roubado ….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

NAS MINHAS MÃOS




Estendo as mãos
e estão vazias.
Um grito
Aperta-me o peito
Abraço-me!

Olho-me ao espelho
As minhas mãos
Continuam vazias...

Sento-me no chão
e sinto frio

Frio, tanto frio...
Mas as minhas mãos
Continuam vazias

Solta-se um grito sufocado
Meu corpo estremece
como de um acordar

Vibra de emoção
suado,
Como depois de amar...
De ser amada...

E as minhas mãos?

Cheias de Amor
Como Eu…



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

COMO EU GOSTAVA...





Gostava, neste Natal, armar uma árvore
dentro do meu coração e nela pendurar em vez de
presentes, os nomes de todos os meus amigos.
Os amigos de longe e de perto. Os antigos e
os mais recentes. Os que vejo a cada dia e os
que raramente encontro. Os sempre lembrados
e os que às vezes ficam esquecidos.

Os constantes e os intermitentes. Os
das horas difíceis e nos das horas alegres,
Os que sem querer, eu magoei, ou,
Sem querer me magoaram. Aqueles a quem
conheço profundamente e aqueles de quem não me
são conhecidos, a não ser as aparências. Os que
pouco me devem e aqueles a quem muito devo. Meus
amigos humildes a meus amigos importantes. Os nomes
de todos os que já passaram pela minha vida.

É tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca.
É momento de deixar nascer essa criança pura, inocente e cheia de esperança que mora dentro de nossos corações.

Também é tempo de refazer planos, reconsiderar os equívocos e retomar o caminho para uma vida cada vez mais feliz.
Teremos outras 365 novas oportunidades de dizer à vida, que de fato queremos ser plenamente felizes.

Que queremos viver cada dia, cada hora e cada minuto em sua plenitude, como se fosse o último.
Que queremos renovação e buscaremos os grandes milagres da vida a cada instante.
Todo Ano Novo é hora de renascer, de florescer, de viver de novo.
Aproveite este ano que está chegando para realizar todos os seus sonhos!

FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO

APETECE-ME





Teus beijos doces
Que embalam o repouso
Na vontade serena
De juntos estarmos
Em tão grande afeição

Olhares que percorrem
Caminhos secretos
E mãos que leem
O sentir dos corpos
No encaixe perfeito

Quero adormecer
Em teu abraço
E sentir no silêncio
O calor do amor
Suavemente sorrindo…



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

SINFONIA À BEIRA MAR





Soltamos pensamentos como notas
Banhados numa melodia
Em prazer extremo
De uma sinfonia a dois

Ao sabor da corrente
Vão-se ouvindo
Suaves trinados
Com sustenidos
E Oitavas de silêncios
Na clave de sol do entardecer

As águas calmas deslizam
Como uma valsa
Onde os corpos que se encaixam
E em leveza ondulam

Cinges minha cintura contra teu corpo
Num rodopio de ondas
Imaginando ser uma sereia
Sussurrando a melodia à beira mar…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

AMAR É




Ter sem possuir
Num dar e receber

Muitas vezes querer ficar
Mesmo sem ter motivos
Apenas pelo ler do olhar

Saber falar e entender
Como dois corpos que se encaixam
Mesmo pela distância

Precisarem mutuamente
mas não serem dependentes
Num presente mesmo que por vezes ausentes

Mas a coisa mais importante
é aceitar como são
Sem dizer como gostariam que fossem…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

LUA





Como nos amámos
à luz do luar
em beijos sôfregos
de desejos incontidos
num querer desmedido
reluzindo nossos corpos

Como te quis
quero
e quererei
cada vez mais

Nossa ânsia voraz
de sermos um só
sob a tua luz
mostrando os contornos
de caminhos
por nós percorridos
desvendados

Como me desejaste
e desejas
cada vez mais

Lua
luz mágica
luz de prata
luz que encanta
e mata quem ama
Neste amor ardente

Oh lua que ciumenta que és
Escondeste-te para não ver nosso amor
Pois aumenta na distância
Voando com a brisa que passa
E trazida p’las ondas da maré


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

LIVRO D'EMOÇÕES





Livro de tristezas
Emoções
Escrito ao rolar de lágrimas
Incontidas
Com letras de sangue

Uma alma ferida
De angústia
Envelhecida
Fechada, trancada

Risquei
Apaguei
Escrevi
Instantes alienados
Da minha existência

Ah que vontade
Suas páginas rasgar
Para sempre esquecer

Mas o odor da rosa
Se transforma em bálsamo
Na alma sofrida.


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 15 de dezembro de 2012

PALAVRA SENTIDA





Ares de Outono sorriram
Ao calor de um abraço
Folhas dançam com a brisa
Por entre os ramos da vida

Perfumados num beijo
De presente união
Quanto desejo, pura magia
Faz vibrar o coração

Quantos sonhos
Tantas saudades
Se guarda dentro da alma
O tempo passa ligeiro
Com ânsia de voltar a ter

Abraços
Carícias
Beijos
Um colo para ninar
E acordar dizendo sentido
A palavra AMAR…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

FRAGRÂNCIAS




Perfumes…
Para que servem
Se mesmo à distância
Ainda sinto o teu odor

Nem as mais belas flores
Tem o teu cheiro
Vindo do beijo pelo anseio

Ventos trazem a fragrância de ti
Num calor que me abafa
No frio silêncio do entardecer

Um abraço perdido em mim
O murmurar suave da tua voz
Faz acalentar minha alma

São as asas perdidas na imaginação
Que me fazem mais perto de ti
Pois nossos odores se envolvem
Como o próprio Amor…

Fátima Porto
Fotografia de: Bruno Caratão
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

86º Programa - Fátima Porto - DIZER POESIA

86º Programa - Fátima Porto - DIZER POESIA

NAS NUVENS





Deixo-me levar p’las nuvens
Saboreando a brisa que me arrasta
Como flocos de algodão doce

De olhos fechados
Meu pensamento voa
Como em desejos, tal como eu

Que importa?

Meus sonhos transpõem o horizonte
Num querer mais
Nas palavras mudas atiradas ao vento
E nos ecos de olhares sentidos

Oh ventos,
Que me levam para lá na distância
Transformando minhas ilusões
No calor que enche a alma
As tristezas em sorrisos,
Guiem minha Alma…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

ELEITO




Em meus silêncios
Elegi-te
Nas noites sem estrelas
Elegi-te
Em minhas procuras
Elegi-te
Ao olhar o horizonte
Elegi-te
Em cada amanhecer
Elegi-te
No sentir d’um abraço
Elegi-te
Em cada palavra que não falei
Elegi-te
Deixando meus pensamentos voar
Elegi-te
Abrindo a alma ao sabor da paixão
Elegi-te


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

MINHA SOLIDÃO




Descanso
só dentro de minh'alma
do frio que me embala
nesta solidão

Memórias que não se apagam
feridas que sagram
e eu só

Dor latejante
que me persegue
e corrói

Quero deixar de pensar
fechar os olhos
e tentar esquecer
páginas d'um livro
que não foram apagadas
e que amortalham
e ainda rasgam
vidas que não vivi

E só
vou-me aquecendo
dos restos
para não dizer que morri…


In” CAPAS” - Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

MEMÓRIAS NO PRESENTE




Os anos passaram
Numa esquina do tempo
Tantas vidas cruzaram
Memorias perdidas

Sentimentos largados ao vento
Onde cabelos brancos
Não escondem histórias
E vivências d’um tempo
Que não volta atrás

Em desejo acordado
Como que por magia,
Numa praia distante
Onde brisa suave e calma
Fez renascer à vida

Anos perdidos
Presente que existe

E futuro?
Ninguém sabe…
Escrevendo nas asas do vento
Degustando-se palavras nos olhares
No sentir quente d’um abraço…


Fátima Porto
Fotografia de:Alexandre Coelho
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

...



….

…Onde vou?
Em busca da Felicidade
Outrora perdida

Porque vou?
A vida sorriu para mim
E eu
Vou sorrir para a Vida!...


Où vais-je donc ?
A la recherche d’un bonheur
Qu’autrefois j’ai perdu….

Pour quelle raison ?
La vie m’a souris,
Et moi…
Je vais sourire à la vie !


Fátima Porto
Tradução de Jean-louis Lages
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

...



….

…O tempo e a solidão
Meus melhores companheiros

Escrevo palavras que deito ao mar
Contidas no meu peito
No silêncio e esperas
De boca calada…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

...



....

...Aguardo serena
Com saudades no coração
Que a lua brilhe
E traga a estrela mais linda
Aquecer meu coração...

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

....



....

…..Fecho os olhos
E meu pensamento voa com a brisa
Para dizer como te Amo….

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

....



…..
Na tristeza e sorrisos
Com o calor d’um abraço
Mesmo que seja distante
A alma sente o desejo

Que o Natal se transforme
Pleno em todo o Ano
Para que em cada amanhecer
Traga uma brisa suave
E seque as lágrimas do orvalho da noite fria…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 9 de dezembro de 2012

VIVER UM NATAL





Não quero um Natal assim
Diante de tanta miséria
Nem que fosse num só dia
Mas minha alma chorando

São lágrimas de não poder dar
O que meu coração sente
Vendo a tristeza dos olhares
Em gente que vive só


No grande teatro da vida
Actores, todos nós somos
Falseando toda a “roupa”
De bondade e humildade


Queremos unir as mãos
Dar pão a quem tem fome
Mas só nos lembramos disso
Num só dia
Porque é Natal

Será que é utopia
Ter o Natal num ano
Cheio de estrelas sinceras
Ou apenas por um dia…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 8 de dezembro de 2012

VOU ESCREVENDO





Vejo e sinto
Meus pensamentos
Fluírem
Tomarem forma

Vou escrever versos meus
Com pena de tinta preta
Para que as páginas
Não fiquem brancas
De tantas penas minha

São sentimentos
Guardados no meu peito
Tristes
Amargurados
Passados para páginas brancas
Com pena de tinta preta

Esventro meu ser
Rasgo minh'alma
Por letras que não escrevo
Em páginas brancas...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SEPARAÇÃO




Saudades que guardo de ti
O mesmo da terra molhada
És o calor que sonho
Logo ao amanhecer
Como o ar que respiro

Nas praias que invento
De águas calmas, suaves
Sinto a brisa que passa
Tocando no meu rosto,
Pois de tantas saudades ter
Convenço serem beijos teus

Oh Terra que deixei um dia
Que de saudades não calo
Não cortei minhas raízes
Nem a dor que de mim separa…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

É ASSIM…





É assim com esse olhar
Que te quero
Um olhar doce e meigo
De uma cor que nem sei definir

É assim neste pranto
Que meus olhos te vêm
E meu peito te sente
Mágoas de um amor ausente

É assim que me dou
No silêncio das noites sem ti
Que vejo teus olhos em mim
Num querer ainda maior

É assim nosso amor suave
Como nuvem que passa ligeira
Aquecido pelos raios d’um sol de verão
E regado com lágrimas por não puder gritar:
Nosso Amor é Assim!


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

PRAZER/DESEJO





Encontro de paixão
Perdidos em sonhos
Num abraço de desejos
Em beijos de vontades

Constelações de quereres
Inspirados num luar suave
Onde estrelas, talvez a mais brilhante
Dê impulsos inquietos aos amantes

Noite de prazer
Entrelaçados em outra grandeza
Onde não existe limites
Para tamanho anseio

Sentimentos apetecidos
Num remoinho em chama
Clamando gritos abafados
Em horizonte sem fim

Que se incendeiem nossos corpos
Como estrelas de luzes cintilantes
E ardentes explosões como o sol
Onde palavras não têm espaço…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

NOITES DE ÁFRICA





É bom recordar
Com sabor a nostalgia
Noites de magia pura
Quando ao longe os batuques
Ao som do luar
Batiam forte os corações

Das planícies às savanas
Terra vermelha vibrava
Cânticos sentidos em vozes roucas
Com a firmeza das danças
No ondular dos corpos

Minha Terra é tão grande
Que desde o deserto a Cabinda
Batuques diferentes se ouvem
Misturando as cores das roupas
Com as missangas de enfeites

Quero voltar a ouvir
Batuques da minha terra
Em noites de lua cheia…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

NOSSO AMOR





Põe as tuas mãos nos meus ombros
E sente como estremeço
Com os suaves toques
De beijos quase a medo
Onde línguas saciam nossos desejos

Roupas esquecidas pelo chão
Num desvario em receio
Dos corpos enleando-se
Em serpentear delirante
Carícias e dedos deslizando
De anseios queridos

Gemidos sussurrados
Na mistura dos odores deixados
Degustados em conjunto
No prazer completo, inteiro
Numa cama onde lençóis são amor

De mãos dadas
Minha cabeça no teu peito descansa
Soltando um respirar cansado
Mas pleno de paixão
Duma entrega só nossa…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

GERAÇÕES SEM PALAVRAS





Olhar que cala o passado
Num abraço ao presente
Quando se viram as páginas
De vidas mesmo que ausentes

Quero teu colo de aconchego
Minha terra, que saudades
Levar meu sorriso distante
E um carinho no olhar

Sem palavras falar
O que sinto por ti
Lágrimas rolam na face
Embargam com emoção

Juntar gerações
Uni-los num abraço
Falam com um olhar
Num sorriso doce e calmo
Pois minha Terra tem magia…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC
Desconheço autoria e local da fotografia

O MEU LIVRO





Em linhas mal traçadas
De saudade
Ou fantasia
Meu livro em tristezas
Escreverei um dia

Desgostos de minha alma
Penas de meu expiar
Chorar sem lágrimas ter
Quis dissipar da vida
Ainda dilaceram
Ferem

Escrevo em folhas
Dos dias do meu viver
Com tinta de sangue colhida
Tempestades destroçadas
Tanta dor sofrida

Esventro-me
Para alívio
De alma
Confesso calada
Em letras
Junto páginas de dor
Ao livro da minha vida …


Fátima Porto
In “Ecos d’Alma”
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

NOSSO MOMENTO





Sorrisos,
tudo é melodia doce

Hoje e sempre
o encanto dos beijos,
O calor nos abraços,
Cheiro de macho
.
Vibrando felicidade
aperto-te o corpo
vejo e sinto
em sedutor abraço

És carinho e luz
alegria e paz
encanto
doçura e mel

Que calor teu corpo faz
e como é bom
Sentir-te amado

Colorido nobreza tens
justo e merecido é o teu querer

A hora é tua,
A hora é minha,
A hora é nossa.

Tempo resplandecente de amor
Acariciando teu rosto,
Bem perto olhando,
Degusto e cheiro
escuto um tilintar de cores
no sempre de te sentir

Vibro e vivo.

Maravilhoso viver de amor...



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

ROSAS DE SAUDADE





Pus em meu regaço
Perfumados botões de rosa
Para encherem o vazio
Que a tua ausência deixou

Pétala a pétala
Vou desfolhando
Como um pequeno rosário
Das penas da minha alma
Que no silêncio guardo por ti

Sentada aguardo serena
Despojada de sentimentos
Mas minha alma inquieta
Dorida, sofre sem ti

Choro lágrimas de saudade
E dos beijos que não dei
Queria-te bem pertinho
No calor do teu abraço
Sussurrando ao ouvido
Palavras do nosso Amor…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

RETALHOS DA ALMA





Espero
Em retalhos
Que se encaixam
De mim
Cortados
Retalhados
Na alma
Que chora
Num rosto seco
De amarguras

Noite escura
Sem luar
Procuro a luz
Que um dia brilhou
Em estrela cadente

Meu corpo nu
Veste-se
De roupas de nada
Para te dizer
Em palavras mudas
As feridas que sangram
Do meu peito…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

QUE SAUDADES





Tarde triste
A chegar ao fim
Faz-me recordar
Que saudades

Abro a janela
Depois da tempestade
E eu aqui só
No silêncio e na distância
Que saudades

Olho o infinito
Na noite escura
Querendo tua presença
Um abraço meigo
Que saudades

Procuro a luz
Dos teus olhos em mim
Que ilumine nossas almas
E o ondular do mar
Se espraie com o amor
Que saudades….

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

domingo, 2 de dezembro de 2012

MENINO TRISTE





Tua boca calada
Faz voar sentimentos doridos
Que esventram a alma
Causando lágrimas que rolam
Entre um olhar distante

Sofrimentos abafados
Onde o sorriso de criança, escapou-se
Através dos buracos da camisa gasta

Olhos que mostram
Uma alma perdida na esperança
Sem ouvir, com tristeza
O eco de sua voz

Menino,
Cada lágrima tua
Serão minhas também
Que o vento quente d’um abraço
As fará secar

Meninos da minha Terra,
Quanto dói estar longe,
Sentir quanta tristeza invade a alma
E somente chorar também….


Fátima Porto
Fotografia de : Adalberto Gourgel
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSO...





Uma noite
Que velozmente acabou
Em que nossos corpos
Nus e juntos
Se colaram
Com meiguices e beijos

Nas tuas mãos
Leves, deleitosas
Que em meu corpo erraram
Fazendo-me pulsar
Encrespar a cada toque

Nossas coxas que se aliaram
No enredar d’um amor
Que expandiu-se em enlevo
Enquanto nossas bocas
Cruzavam beijos desejosos

Penso na noite que passou
Onde o amor reinou
Numa ânsia de quer mais…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sábado, 1 de dezembro de 2012

....





… Com os olhos abertos… vejo-te…
Fechando-os… sinto tua presença
Com a paixão que nos une
Fazendo virar mais uma folha do livro da Vida!…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

INCITAÇÃO





Olha-me com o mais sensual dos teus olhares
Olha-me… até te fartares

Sorri com o mais provocante dos teus sorrisos
Sorri...que eu de ti preciso

Beija-me com o mais quente dos teus beijares
Beija-me...até te saciares

Abraça-me com o mais envolvente dos teus abraços
Abraça-me...até ao nosso cansaço

Acaricia-me com o mais atrevido dos teus carinhos
Acaricia-me...até encontrares caminhos meus

Acha-me, no delírio dos nossos corpos ardentes
Acha-me...até sermos um somente

Repousa em nós, com palavras de olhares
Repousa … em silêncios nossos


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

SERENAMENTE EM TI





Docemente
Percorro o teu corpo
Pé ante pé
Degustando cada detalhe

Fragrâncias de uma paixão
Espalham-se pelo ar

Como os corpos se colam
Num descobrir cego
Das vontades que extravasam
Mansamente ansiadas

Braços como raízes que entrelaçam
Num afagar almejado
Silenciado nos beijos meigos
Saboreados lentamente
Sem tempo no tempo

Não existe um mundo lá fora
Apenas o nosso, serenamente…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

PENSAMENTO TEU





Triste manhã
Como eu
Faz tremer de saudade
Na solidão de paredes frias

Queria dar gritos
Que levassem toda uma dor
Mas em seu lugar
Apenas rola uma lágrima esquecida

Minha alma dilacerada
Vai morrendo aos poucos
P’la distância do teu calor

Meu pensamento é teu
De mãos dadas
Unidos como queremos
Sem a gélida separação….


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

OLHA...





Olha, bem dentro dos meus olhos
E procura o meu coração

Olha, o espelho da minh’alma
É nossa vontade calada

Olha, o grito do desejo que abafado
É silenciado com um beijo

Olha, como sinto o calor d’um abraço
E descanso a cabeça no peito teu…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

OLHA-ME





Estou sonhando contigo
Tua imagem tranquila está comigo
Onde murmuro o teu nome

Sinto que também me tens nos sonhos teus
Acolho em meu abraço teu corpo
Estreitando almas no silêncio da noite

Oiço nossos corações num bater compassado
Desabrochando pétalas pelo orvalho
Em suave odor de nossos pensamentos
E quando acordar ainda assim estarei contigo…



Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

SEM PONTO FINAL





Deleito meus desejos
Fechando os olhos
Sentindo o calor
Como um abraço teu

Esqueço as saudades
Que guardo na minh’alma
E esventram o peito

Deixo os pensamentos voarem
Para além do infinito
Transportando emoções
Que meu coração acalenta

E vou sonhando
Sem nunca por um ponto final
Deixando nas reticências
Tudo que meus olhos não falam….


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

SILÊNCIOS DO TEMPO





Olho o tempo
Que passa ligeiro
Rodando nos ponteiros
Fazendo soar tic-tac
Como o bater do coração

Gira e gira
Mas o tempo não passa
Como se os ponteiros voassem
Deixando o tempo parado
Numa agonia sem fim

Vejo e torno a olhar
Se algo de momento se transformou
Mas o tempo passou com a brisa
Leve de mansinho
Que nem em mim tocou

Oh tempo por onde andas
Que passas parado em silêncio
Conta-me teus segredos ligeiros
E fazendo tic-tac ao meu ouvido…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

terça-feira, 27 de novembro de 2012

FASCINAÇÃO





Vejo-te na imaginação
Em mim
Meu enlevo
Em devaneio
Mas a tristeza invade

Meus olhos não te vêem
O sonho engana
Trazendo ao corpo
O tremor em forma de véu
De todo o teu carinho

Meu desgosto é sofrido
Já teve lágrimas

Como por fascino
E aconchego
Tu virás de novo
Em ventos para lá do tempo
Com afagos de ardor
Para delírio meu

A penumbra esconde
Um corpo que traduz
Toda a minha agonia
Na tua ausência…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

SINTO, MAS...






Sinto ter que sentir,
Mas sinto
Sinto ter que chorar,
Mas choro

Sinto sofrer por ti,
Mas sofro

Sinto sentir tua falta,
Mas sinto

Sinto ter saudades,
Mas tenho

Sinto não saber controlar-me,

Mas descontrolo

Sinto não viver sem ti,
Mas vivo


Os sentimentos são maiores que minha vontade.

Sem nada poder para controlá-los

Se viver
É ter que esconder o choro num sorriso

Choro por meio do silêncio...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

....




…É através do sorriso
Que se vê o quanto se é forte
Mas é pelo olhar
Que se sente a Felicidade!...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

DOR DA SAUDADE





…O que é verdadeiro desaparece?
Não!
Apenas se ausenta por momentos…
Porque está sempre presente!...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

DOR SOFRIDA




Destapa a cara da máscara
De muros corrompidos
Da dor

Com voz embargada
Lágrimas secas
Onde o vento trespassa

Num corpo oco
Com amor sofrido
Ninguém vê a angústia
O sofrimento

Apenas a indiferença
De um rosto de máscara
Onde dilacera em fuga
Um peito fechado
Trancado

Busca de uma luz
Que se apaga lentamente
Mas a máscara não mostra
Que os olhos também se fecham
Porque já nada vê
E calam em fuga...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

RASAS E ESPINHOS