segunda-feira, 31 de outubro de 2011

SENTIR-TE


Toca-me
Que tocar-te-ei
Ao de leve
De mansinho
Para não acordar
Do sonho
De te ter agora comigo
No enlevo de um abraço
E no doce beijo teu

Quero mel
Degustar
No calor do teu abraço
Sentir os lábios
Percorrerem
Labirintos sem fim

Oh desejo
Incontido
De desespero meu
Lembranças tua pele suave
Em carícias
No corpo adormecido

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

domingo, 30 de outubro de 2011

LAGO DA SAUDADE


Ah quanta Saudade
No peito
Amargurado
Trancado
Com vontade de gritar
Faz rolar uma lágrima
Triste
No lago da ansiedade
Que ao molhar minha alma
Transborda
Com soluços abafados
Sentido a dor
Que dilacera
E rasga o coração
De feridas por secar…


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

REFLEXO SEM TI


Tacteio o espelho
Na esperança
De te encontrar
Mas apenas me vejo
Atada num desejo
Incontrolável
De um sonho
Que se vai esvanecendo
No toque frio
Da imagem

Fixo o reflexo
Como quem chama
Trazer à realidade
Devaneios ansiados
Esperados
Queridos
Mas apenas estou só
E minha mão
Pousa suave
No espelho ausente de ti


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

BANHO NA LAGOA


Venho banhar
Meu corpo
Agitado de paixão
Como fêmea em cio
À procura do seu macho

Pressinto olhares
Vigiando a lagoa
Na minha nudez
De odor sensual
No domínio de carne
Até ao momento fatal

Darei brados
Que virão do âmago
E te farão
Macho
Uivar sem pudor
Clamando o instante
De rendição
E poder


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

LOUCURA


Ventos em fúria
Cabelos em desalinho
Cravam meu peito
De espinhos e dor
Como raízes
Penetrando a terra

Esventro
Minha mente
De tanta loucura
Em ais surdos
Agonizantes

Choro
Lágrimas de sangue
Vindas de minha alma
Destruída
Ao tempo
Como morte anunciada



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

terça-feira, 25 de outubro de 2011

BOTÃO DE ROSA


Corpo
Que em botão de rosa
Te dás
Como pétalas
Perfumadas
Suaves
Abrem-se uma a uma
Na mais bela rosa
Desejada
Por vezes
Maltratada
Deitada ao chão
Espezinhada
Mas teu aroma
Inebria a paixão
Como um bálsamo
Nesse corpo
De ti Mulher


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

ENTREGA


Concede
Às raízes
Que se estendem
E recebam o corpo
Inerte, abandonado
Em dores trazidas

Sucumbida
De tristeza atroz
Na alma consumida
Levada em ventos
Para outro lugar
Em mansidão




Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

CHAVE NA MÃO


Trancados
Na mão
Tesouros, mistérios
Com fechaduras
Enferrujadas
Velhas
Com chave
Trocada
Encravada
Para não abrir
Descobrir
Segredos mantidos
Abafados
Até esquecidos
De um coração
Morto
E uma alma
Destruída


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

domingo, 23 de outubro de 2011

LÁGRIMA


De sabor acre-doce
Mansamente
Rola uma lágrima
No rosto

Sensações
Misturam-se
Em lembranças
Fazendo toldar
Sentimentos abafados
Sofridos

Lágrima
Que molha o peito
Seco, amargurado
Apenas mostra
Um olhar vazio
De nada

Lágrima
Não afagas memórias
Nem riscas paixões
Apenas acalentas
Feridas da alma

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sábado, 22 de outubro de 2011

MELODIA MÁGICA


Enlaçados
No enlevo do instante
Seduzidos
A música continuava
Quando o baile
Já tinha acabado

Em passos lentos
Nossa melodia mágica
Inebriava a chuva
Como beijos serenos
Que dávamos

Os corpos
Aqueciam
O frio da roupa molhada
No prazer do tempo
Sem horas
Nem minutos
Do tempo passar


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

SILÊNCIO DE OLHARES


Olha
Vê minha alma
Se consegues ir fundo
Entrar no seu âmago
Decifrar
Entender
Falar sem palavras
Tudo o que diz

Vejo-te
Num olhar mudo
Tímido
Como as ondas do mar
Chegando à praia
Com desejo
De ficar

Olhares
Que se cruzam
Num ensejo
Delicado
De corações fortes
Acelerados
Esquecendo o tempo
No instante
Da distância.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

SÓTÃO DA VIDA


Entra luz
Pela clarabóia
Do sótão
Onde fechei
Tranquei
Minha alma ferida
Magoada
Destroçada

Tempo passou
Teias escorrem
Onde aranhas tecem
Armadilhas
Que sufocam
Abafam
Estrangulam
Como a vida

Fazer feridas
Clamar em silêncio
De choro seco
Engolido
Sem ser visto
Na penumbra
Da existência

Fecha-te para sempre
Sem luz
E sem chaves


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

MOMENTO


Prova
Saboreia
Sente calor
Vibrando
Ondulando no corpo
Fascinado teu ser
Em deslizar de prazer
No toque dos lábios
Suavemente
Como carícias
De mãos percorrendo
Corpo inteiro
Degustando o deleite
No momento tido
Por mim oferecido
Em doação
Na taça de vinho



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

terça-feira, 18 de outubro de 2011

FOGO/GRITO


Meu corpo
Uma fogueira
Na penumbra da noite
Que incendeia
Destroça
Lentamente

Na alma
Queimo em chamas
Labaredas acesas
Que flamejam
Toda a crueldade

Dou gritos ateados
Aos ventos
Matizando ao meu redor
Estrelas cadentes
Com mais fulgor
Mais esplendor

Consuma todo este fogo
Corpo e alma
Despido de angústias.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé -Brasil

LIVRO/EMOÇÕES


Livro de tristezas
Emoções
Escrito ao rolar de lágrimas
Incontidas
Com letras de sangue
Uma alma ferida
De angústia
Envelhecida
Fechada, trancada

Risquei
Apaguei
Escrevi
Instantes alienados
Da minha existência

Ah que vontade
Suas páginas rasgar
Para sempre esquecer

Mas o odor da rosa
Se transforma em bálsamo
Na alma sofrida.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé – Brasil

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

PENA ALVA


Voga pena
De minhas penas
Em calmas águas
Transparentes

Solidão
De minha alma
Brotam penas
Que vagam
Distantes
De meu penar

Pena alva
Como eu
Na tua leveza
Pousa
Na água
De meu desejo

Flutua
Segue teu destino
Pela brisa que te toca
Deixando
Minha alma só.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

TULE


Tule que cobre
Contorna meu corpo
Desliza suave
No chão cai

Minha alma
Desnuda
Sente frio
De ti

Perdida
Em sonhos
Vagueio
Na multidão
Do meu quarto
Não te encontro

Encontro-me só
Sem sonhos
E o tule
Caído no chão


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

ÁFRICA


Teus filhos
Espalhados
Ao teu redor
Proteges
Amparas
De olhar atento

Outros tivestes
Forçados
Partiram
Para outras paragens

Hoje choram
Com saudade
Lágrimas secas
Amarguradas
Ditadas pela tristeza

Aperto no peito
Solta um grito
Abafado
Por ti
Terra deixada.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

domingo, 16 de outubro de 2011

AO PÔR-DO-SOL


Vejo-te
Raios quentes
Do sol
À tardinha
Voou na imaginação
De tanta saudade
Que dói

Queria fechar os olhos
Imaginar teu calor
Numa praia
Ao pôr-do-sol
Teus raios envolvendo
Como fosse um abraço

Ah tristeza minha
Angústia de minha alma
Era eu que me abraçava

Sonhava estar na praia
Da terra que me viu nascer


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

MARCA NO ESPELHO


Espelho
Mostra nosso enleio
Em corpos desnudados
Tão grande essa paixão

Sinto calor em mim
Por tuas mãos
A chama arder
E tua boca
Me querer

Fecho os olhos
Viajo
Nesta doce sensação
Flamejante, mas suave
Pois estremeço
Com teu beijo

Abraça-me forte
Com brandura
Cola teus lábios aos meus
E deixa o bater
Descompassado
Acerte em nós
Todo desejo ansiado.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

SAUDADE DISTANTE


Toco para ti
Música calma
Serena
Numa praia
Como cantar de sereia

Melodia triste
De saudade
Como viajar na pauta
Para uma terra distante

Oh terra linda
Que me fazes chorar
Desta angústia
De sofrer
Por não te voltar a ver

Canto dorido
Alma sofrida
De uma nostalgia
Por ver o mar
E lembranças ter

Angola distante
Em cadência saudosa
Acordes ecoam
Misturados com lágrimas.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

DESATA/SOLTA-ME


Desata minhas mãos
Para que te possa amar
Sentir o teu corpo
Ardor da paixão

Solta de mim
Todo o desejo
Desnuda
O meu querer
Degusta
Nosso prazer

Sussurra
Ao meu ouvido
Palavras de silêncio
Passeia
Pelo meu corpo
Dedos quentes, suaves

E para além do tempo
Exaltaremos em união
Numa chama ardente
Querida
Ansiada

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sábado, 15 de outubro de 2011

GRITOS DE ANGÚSTIA


Ventos em tempestade
Revoltas da minha alma
Ecoam gritos atrozes
Lancinantes
Dolorosos

Em tortura de abafos
Cuspo sangue e dor
Dói-me o peito
Tanta dor que sinto

Alvoroço do meu ser
Lábios secos
Garganta oprimida
Nem palavras oiço
Dura espada da vida
Esventra-me
Em louca angústia.



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

DANÇA DE FOGO


Meu corpo
Ondula
Ao sabor de música
Da “dança do ventre”
Provocando
Excitando

Quero-te
Assim
Com desejo de me tocar
Suspirando fundo
Nessa ânsia louca

Ardor demente
Paixão agitada
De querer
E não ter

Bailemos
Corpos juntos
Em fogo
Sensual
Toda a vontade
De desejos
Em fantasias
Te querer.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé – Brasil.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

BARCO DO DESEJO


Meu corpo
Envolto em véus
Navega no teu barco
No desejo de ondas
Brandas
Brisas suaves
Que toquem meu rosto
Façam deslizar véu que me cobre
Que tragam um beijo

Sinto na boca
Teus lábios macios
Língua sedenta
Percorrer caminhos
Desconhecidos
Ocultos
Ávidos de prazer

Navegamos assim
Teu corpo no meu
No alto mar de deleite.



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

TEU CORPO EM MIM




Quero
De tanto te querer
Minha alma
Sofre pelo teu desejo
Abraço-me
Pois sinto tua presença
Meu ser
Roga a tua existência
Em meu corpo
Sinto tuas mãos suaves em carícias
Nos lábios
Doce e ansiado beijo
Um tremor
De gemidos enleados
Fecho os olhos
Pressinto teu corpo em mim.



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé-Brasil

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

TRIUNFANTE SOFRIDO



Pensamentos confusos
Atropelados
Esfumam-se com o vento
Em quarto fechado

A imaginação desfaz-se
Como pétalas de flores
Em ilusões doridas
Sofridas

Deixa o vento
Levar-te
Nas asas de um condor
Acredita e grita
Para continuar
Triunfante.



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé do Brasil

FANTASIAS DE RECEIOS


Oculto meu rosto
Do medo
Abalando minha dor
Do lamento
Escondido

Tento fugir
Pela minha fantasia
Às tempestades
Aos ventos em remoinhos
Da minha alma

Esventro-me
Para o delírio
Tecido por minhas mãos
Mas só encontra
Receios
Temores
Desengano

Oh paredes
Em que descanso
Com gemidos
Sussurros surdos
Sugam meu corpo
Prendendo todo o meu ser
Como ave predadora
Esperando a minha morte.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

INQUIETAÇÃO DO BEIJO


O teu enleio
Tem calor
As mãos são suaves
Em carícias
Um beijo leve
De mansinho
Faz estremecer
Minha alma

Beijo pedido
Deixado
De olhar mudo
Mas falado
Lábios que se tocam
Ávidos do sentir
Perdidos no tempo
Na presença inquieta
Desafiada do beijo

Abraço terno
Aconchego dos corpos
Bater descompassado
Dos corações
Porque vibram, exaltam
O instante do beijo
Lento, pausado
Perdido na razão.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

S....



Sedutora
Sensível
Sensual
Sonho
Sensação
Suave
Sentimento
Sensualidade
Silêncio
Só…


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

terça-feira, 11 de outubro de 2011

COR DE FOGO EM MIM


Desnudo-me
Lentamente
Como botão de rosa
Escarlate
Cor de fogo
Que arde em mim
Na minha alma
Do desejo
Consumido
De tua presença
Em afagos doces

Pelo meu corpo
Vou espalhando
Pétalas perfumadas
Que inebriam
O anseio do teu querer

Vem,
Degustar todo este ardor
Na mansidão deste desejo.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

DESEJOS EM ÊXTASE


Ah doce enlevo
De encanto
Que ondula
Como as ondas do mar
Espraiando
Sorvendo o fogo
Da paixão
Em corpos que se encaixam
Saboreando odores
Que se misturam
Fazendo transbordar
Na elevação em êxtase
Num corpo só
Em mãos unidas
De espíritos despidos
Para desejos
Queridos.



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

ANJO


Anjo
Que em tuas asas
Voas na imaginação
Procuras sentimentos
Desejos

Anjo
Vem até mim
Deixa-me voar
Em devaneio de paixão
Ousar sensações

Anjo
Anseio por ti
Em minha alma
Corpo sem chama
Triste

Anjo
Já nem sei quem sou
Voa comigo


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

SAUDADES DE TI


Aparto-me
E escondo a face
Para não verem uma lágrima rolar
De saudades de ti

Minha alma consome
Uma dor enorme
Por tua ausência
E choro em soluços
Abafados
Incontidos

Abraço
Para sentir
Os braços teus
Num enleio suave
Deslizando pelo meu corpo
Fazer-me sentir
Igual a estrelas do céu

Mas oh realidade
O calor é dos meus braços
Enquanto as lágrimas
Rolam na face.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

VOU COM O VENTO


De mansinho
Vou por entre o vento
Para não acordar ninguém
Nem a minha alma
Pois adormeceu
De tanto sofrer

Vento que leva
Recados meus
Lamentos sofridos
Para bem longe

Sigo com eles
Na vã procura
Do meu sentir
Perdidos outrora
Amargurados

Desejo querer
Louca paixão
Pois em sonhos tive
Como aviso


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

domingo, 9 de outubro de 2011

VESTIDA EM ÁGUAS MANSAS


Não importo de molhar
Meu corpo vestido
À longa espera de ti
Em águas mansas

Tenho-me na imaginação
De ter presente
Na ausência
Perdida no olhar
Sentida na alma
Na solidão

Águas brandas
Tragam-me recados
Vindos de outros lugares
Marcados pela saudade
Pois aliviam
Minha tristeza

Os olhos
Afundam-se
No horizonte vazio de nada
Numa alma banhada
De mágoas.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sábado, 8 de outubro de 2011

SONHO DESFEITO


Ingrata desilusão
Deixou-me atraiçoar
Por sonhos
Num cenário mágico
De um desejo
Meu

Castelos no ar
Simples segredos
Onde queria mais
Que a luz da lua
E um céu estrelado
Voar na fantasia

Meu ser
Sonhou
Por algo que não alcançou
A esperança
Ficou em mistério
Na bruma do meu vaguear
Em silêncio
Num pranto solitário.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

PÉTALAS DE SONHO


Vamos partir
Em barco sem velas
Pétalas de rosas ao vento
O levarão
Dentro da fantasia

Paixão
Sonhada
Voga a barca
Em brisa leve
Como pássaro a voar
Junto ao mar

Vai deslizando
O batel
Como a fantasia
Te ter junto a mim
Ao longo das águas mornas
E não mais acordar

Abraça-me
Quero sentir o teu calor
A brisa está fresca
Sinto um arrepio

Oh a janela do quarto
Estava aberta
O meu barco
Era um sonho.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

ENCANTO DO SONO


Adormeço
Entre as folhas que caiem
À luz da Lua
No altar
Onde espero
Em ansiedade
Por ti

Por entre os ramos
O luar brilhou
Ao encanto do sono
Tal como princesa abandonada
No seu Castelo de ruínas
Em vestes de baile
Sem par

Nem a Lua
Dá alento
Ao imenso sonho
De tantas fantasias
Por mim pensadas
E morrem
Nas asas da imaginação.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

MEU CORPO NU


Banho
Meu corpo nu
Em jarros brancos
Silvestres

Em água límpida
Minha alma
Sofrida
É desnudada
Para limpar de tal dor
Que meu peito carrega

Em leveza
Transporto-me
Em vapores de aromas
Soltando
Clamores sufocados
Pedindo tua presença

Minhas mãos
Deslizam
Em corpo nu
Cheio de tudo
Vazio de saudade

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

FOGO DE ALMA


Chama que aquece
Dás calor ao coração
Incendeias todo um ser
Fogo da alma
Iluminas o horizonte
Invades corpos
Mentes
Sentimentos
Pois superas defesas
A galope
No teu cavalo alado
Entre serras e planícies
Acalenta
Minha alma dorida
Que por ti espera
Cansada



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

BEIJO DE FOGO PEDIDO


Sentimentos
Aproximam
Um beijo se pede
Sem falar
E se dá envolvido
Carente
Perdido
Na nostalgia
Do momento

De olhos fechados
Vive-se
O instante
Perdido no tempo
Doce ensejo
Para nunca largar
Da memória

Oh como quero teu beijo
Sentir o calor
Do toque dos lábios
Onde línguas dançam
Pelo meu corpo
Voar em teus braços
Num espaço querido

Vem junto a mim
Rogaremos o beijo
Que consumirá o fogo
Em nós trazido.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

LENÇÓIS DE AMOR


Em sonhos
De mil cores
Beijos doces
Corpos enlaçados
Lençóis de cetim
Enrugados de amor
Sentido

Paixão
Colorida na tela
Onde amantes inquietos
Transbordam seu ardor
Nas bocas sequiosas
De mãos largadas
Ao afecto de querer

Corpos que vibram
Colados num só
Dádiva do instante
No prazer vivido.



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

IMAGINAÇÃO DE DESEJOS


Meus braços
Estão vazios de tudo
Espero
Por um momento
Um instante

Abro-os
Para um abraço
Envolver a dois
Encostar-te a mim
Sentir o teu coração
Perto do meu

Meu véu
Abre-se na imaginação
Incontida
De tempo e espaço
Deixando minha alma
Reviver desejos
Escondidos.



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

terça-feira, 4 de outubro de 2011

FUTURO


Pega na guitarra
Mexe tuas mãos
Faz um play-back
Blues bem cantados
Até sofridos

Artista compenetrado
Agradece aplausos

A música renova-se
No rock-on-roll
Mostra o vigor
Cantado
Vibrado

No slow
Calmo e terno
Exibe tua inocência
Em toda a melodia

O Futuro
És Tu
Agarra-o
Como seguras a guitarra.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

ENTREGA


Escorrem
Areias por entre os dedos
E algas tocam
Mansamente
Pois não planeiam acordar
Do sonho envolvido

Deixo corpo
Ao sabor das águas
Suave prazer
Me invade

Ah quisera eu
Tuas mãos
Em meu corpo
Percorrerem
Loucamente suaves
Por fascínio
Do desejo

Espraio-me
Em consolo
Traçando tua presença
Entregando-me
À ausência do vazio.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

EM DESCANSO


Descanso
Em pensamentos
No lago do espelho
Vendo
Olhos fechados
Em volta da minha alma.

Ando
Na imaginação
Por mim criada
Num filme de odores
Saboreados
Queridos.

Nenúfares
Vagueiam
Por entre as idéias
Reflectindo no espelho
Doces sentimentos
De uma paixão.

Sonhos largados
A deslizar
Num tempo perdido
Jamais esqueçido
Em descanso
No lago do espelho.

Poema esditado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

VOAR


Voem
Pombas brancas
Em brisas suaves
Soltando minha alma
Mágoas trancadas

Voem
Para bem longe
Desta amargura
Gritando ao vento
O desalento
Por mim chorado

Voem
Levando de mim
Lágrimas tristes
Vazias
Abrindo eco
Do pranto meu


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - BRASIL

VENTOS DE OUTONO


Pinto
Folhas minhas
Em cores de Outono
Que chegam
Em ventos mansos

Cheiro
Terra seca
Pois caiem
E apanho
Como tesouro meu

Em remoinhos
Esvoaçam
Em bailados
Suaves
Planando
Na brisa

Ventos de Outono
Que voltam
Em frias manhãs
Trazendo as folhas
Que caiem
Por mim pintadas



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

RASAS E ESPINHOS