sábado, 31 de dezembro de 2011

LUZ




…”Quando ficaste à minha frente
Nunca imaginei que eu pudesse ser
…a minha própria sombra!”…

[...]




…”Ilusões ou sonhos
Quereres ou desejos
Ou simplesmente utopias vãs” …

CORTE E ESPINHOS




Botão de rosa em flor
Que mal desabrochou
São te arrancadas pétalas
Como de livro as folhas
Rasgadas uma a uma

Espalhas pingos de sangue
De dores e angústias
Que te cravam na alma
Mal despontas
Para a Vida

Cortaram-te ainda em botão
Espalhando tuas pétalas
Pelos caminhos da existência
Sofrida e cheia de espinhos

Que sangue derramado
De um coração ferido
Manchando o livro
Para suas páginas rasgar

Tiraram todo o perfume
Que exalava ti , rosa…

NOVO ANO




À beira do mar
Perfumado de flores
Duas taças
Estrelas a brilhar
O Ano Velho ficou
Vamos receber o Novo
Com Sonhos, Imaginação
Realização, Sucessos
Saúde e muita Paz!

PIANO CALADO




O piano está com pó
Teclas estragadas
Posto de lado
Num canto qualquer
Já ninguém toca
Melodias suaves
Que fazem encher a alma

Piano
Onde saíram acordes fortes
Trinados meigos
Em escalas ou oitavas
Trocando as mãos
Mostrando o sentimento de quem tocava

Ficou mudo
Num canto qualquer…

FOGO DE MIM



Meu corpo é fogo
Que incendeia ilusões
Assombra aves agoirentas
Com labaredas no olhar

Queima meu lado esquerdo
Profanado sem dó nem piedade
Com lanças certeiras
E me faz cuspir o fel nelas trazido

Solto cabelos ao vento
Fazendo arder tudo ao meu redor
Em rodopio de chamas
Num incêndio que alastra sem demando

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

ANOITECE



A noite vai caindo

Uma última réstia de sol esquecida
Pelas nuvens que o afaga
Vai escurecendo minha alma
Como o bater das ondas ligeiras
Quando morrem na praia

Mar que molhas minha solidão
Levas para bem longe as tristezas
Em lágrimas transformadas

Angústias profundas
Trazidas à tona
De um barco afundado
Sem âncora e arrasto…

ROSA NEGRA




Corpo marcado
Com simples rosa negra
Na mão que deu prazer
E no espírito que desejou

Prostrada
Em seus sentimentos
Nos lençóis enrugados
De um enlevo quebrado
Com alma apertada

Desnudo-me
Em termos de solidão
Sem sorrisos
Apenas com uma rosa negra
Na mão…

TAMBÉM SINTO




Aproxima-te
E rasga meu corpo
Dilacera sensações
Esventra minha alma

No sentir de teu gozo
De estável fulgor
As marcas são deixadas
Para meu desatino

À desmanda de quereres
Meus sentimentos não têm valor

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

NEGRO...




De negro me vesti
Pois meu olhar assim quis
E minha alma traduz
O que o negro encerra

De garras afiadas
Dilaceram meu peito
Chagas fundas
Ardor sem dó
Mas meu coração bate

Pancadas profundas
Que rasgam ao meu passar
Um olhar para além do que vêem
Sentimento acima das dores

Observo de negro
De negra vestida…

JANELA

…”A janela da minha esperança
Aberta onde brilham girassóis
Carrego-os na minha alma
Sobre a brisa da manhã
Das dúvidas de enlevo por viver”….

[...]

... " O mundo é grande, lindo e cheio de coisas maravilhosas,
a nós cabe-nos achá-las agarra-las e guarda-las "...

Autor:C.A.C.

VIVER




Entre vales e montanhas
Meus sonhos correram
De mãos dadas com a liberdade

Numa esperança que reluz
Olho apenas o passado
Trazendo desejos num futuro
Presente no tempo do momento…

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

RECORDAÇÕES




Lembranças de primaveras
Em risos de flores
De quimeras em mil sonhos

Transportados em carinhos
Num olhar que fala
De sorrisos desabrochados
Na alma encantada…

FRAGÂNCIAS

…”Pensamentos vão e vem
Por entre o perfume das flores que me rodeiam
E dizem-me baixinho
Para olhar as nuvens do céu e … sonhar!”…

.....


..."Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinhos, outras há que sorriem por saber que os espinhos têm rosas"...

ASAS PARA VOAR


Manhã fria como eu
Porque assim a vida me fez
Minhas asas aquecem
Dos tormentos que passo

Quero voar para longe
Para terras distantes
Dar calor à minha alma
Em voos de esperança

Erguer a cabeça ser forte
Secar as lágrimas e lutar
Ir por trilhos, saltar barreiras
Enfrentar o mar
Mas sempre a voar…

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

TEMPOS ESCRITOS




Tempos amarrotados
Esquecidos
Vão passando devagar
Como letras mal escritas
Sem pontos nem vírgulas

Folhas amarelecidas
Que viajam em ventos da idade
Carregando memórias
De minutos traçados

Troca-se as horas
Por folhas em branco
De uma vida mal esboçada
Desejada e querida
Mas nunca perdida…

AO ACASO

…”Rosa deixada ao acaso
Teu pé cheio de espinhos da vida
Murchas com o tempo
Morres na solidão”…

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

PÁREM




Não oiço meus gritos
Vagueio no espaço
Soltando penas de angústias sofridas

Como náufrago
Do barco da vida que afunda
Clamo e não escuto minha voz

Parem de aguçar lâminas afiadas
Alienem pensamentos loucos
Esventrando uma alma dilacerada

Meus brados espalham-se no tempo
Numa dor esmagada, pisada
Em eco que meus ouvidos não sentem…

BÚZIOS

…”Atirei ao mar
Angústias, dores, segredos meus
Mas as ondas devolveram
Guardados em conchas e búzios
Que ao ouvido sussurravam”….

TEMPO SÓ

…”Na solidão do meu quarto
As horas voam no tempo
Marcadas em relógio sem ponteiros
De minutos que se esvaem por janelas trancadas
Em segundos nas paredes vazias de nada”…

CHUVA

…”Chuva misturada de lágrimas
Escorre pelo meu rosto
Em murmúrios de silêncios afogados
De uma garganta sucumbida em gritos”…


VENTOS

….”Quando as esperanças
Foram levadas pelos ventos
Senti-me despida de mim
No calor de um abraço”…

..........

…”Subtilmente, deixo meus pensamentos
Navegarem nos mares da imaginação,
Sob a luz do farol da alma”…


domingo, 25 de dezembro de 2011

MEU JARDIM




Lembranças do meu jardim florido
Onde cada flor eram esperanças
Regadas de um amor sem fim

No mais profundo da alma
Existe um poço de águas límpidas
Onde lavo minhas dores
De cada espinho cravado

Cores multiplicam-se
Num desejo infinito
De quereres
Em canteiros perfumados
Rindo do passado
Olhando o futuro
Mas vivendo o presente…

AMIZADE




Um abraço
Um ombro
Um carinho
Um colo
Um dizer não
Um dizer sim
Ou até mesmo sem palavras
Perto
Longe
Sem barreiras
Sem distâncias
De coração aberto
Alma livre

Oferece
Sem pedir nada em troca
Sem cobranças
Espontâneo
Com Amor
Tudo isto que um Amigo é…
E muito mais…

...


…”Lembranças já ferrugentas
São deixadas ao acaso
Na fragrância de cada flor”…

OLHANDO...




Marés virão e irão
Deixando a areia molhada
Um rasto na solidão

Mar imenso
Ondas espraiando
Na minha alma aberta
De esperança sorrindo

Aguardo, só
Olhando ao longe

A brisa passa
Tocando meu rosto
Num carinho doce…

SENTI...

Fechei os olhos e senti
Recordei as mais doces lembranças
Que fizeram meus cabelos voar…

NAS NUVENS...



Sigo por entre as nuvens
Saboreando a brisa que me arrasta
… como flocos de algodão doce

sábado, 24 de dezembro de 2011

QUERIA TER...




Queria ter
Um pinheiro mesmo sem luzes
Mas que iluminasse a dor

Queria ter
Um pôr-do-sol no meu peito
Vermelho como a cor do sangue

Queria ter
Olhos fechados e sentir
O cheiro da terra molhada

Queria ter
Um Jesus sempre Menino
Na inocência de cada criança

Queria ter
O Homem que me deu o ser
Mas só no peito … o tenho!

PASSADO

…”Através dos meus olhos
Vejo uma menina do passado
Brincando com a alegria do futuro
Esquecendo as tristezas do presente”…

DESAPARECER



Calo os meus olhos
Silencio os sentimentos
Com lágrimas de culpa
Querendo voar na escuridão…

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

DESENCANTO



Do livro encantado
Soltam folhas
Letras, palavras
Molhadas em tristezas
Rios escuros de angústias
Derramando do leito
Mágoas ressequidas
Amarelecidas pelo tempo
Mas nunca esquecidas
Trazidas das profundezas da alma
Penas cravadas no peito
Que não deixaram voar
Despedaçado
Em feridas profundas
Pois nem a escrita
É capaz de curar…

(...)

…”Mesmo deixando o pensamento voar,
As grades em que nos fechamos
Perderam as chaves….
….e a solidão, faz doer”…


ORAÇÃO



Olho para o céu
Rogo ao Senhor
Na minha oração
Em silêncio da minha alma

Ponha Sua mão
Nos caminhos árduos
Da família e amigos
Que trago no coração

Minhas lágrimas rolam
Lavando minha súplica
Falando por mim
Para Ti oh Senhor

Alivia-lhe as dores
Os tormentos também
Porque as angústias
São o meu degredo

Peço-Te perdão
Simplesmente!

(...)

…”De passos lentos, até ao cair do sol
Com Amor no Coração e Calor na Alma,
Haverá sempre quem lidere a FAMILIA”…


(...)

…”Quantas vezes se quer voar
E apenas só os pensamentos
Tem esse poder”…

IMBONDEIRO



Tantas saudades que tenho
Um desejo tão grande
Voltar a palmilhar
Os trilhos que percorri

É imenso como tu
Majestoso e imponente
Que de teu tronco serviu
Um altar para Jesus

Visto pela savana
De manhã à noitinha
Árvore soberba
Com seus frutos suspensos

Múkua traz-me lembranças
Do meu tempo de criança
Do seu sabor acre-doce
Como posso algum dia
Não mais me lembrar


(Foto no Grafanil/Luanda-1964)

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

CAIS DE ABRIGO



Que gire o mundo
As tempestades se alterem
Com ventos de nuvens negras
Ou raios iluminem céus

Meu porto de abrigo
Perdeu-se no mar
Em águas mansas
Afundou-se

Todo o seu cais
Tinha tábuas podres
Carcomidas

Esventrando meu ser
Restou pouco
E naufragou…

(...)



…”Porto de abrigo deixado ao acaso
Numa praia abandonada,
Em redes perdidas no mar.”…




Fotografia de Fernanda Perdigão

FRAGÂNCIA EM SONHO



Meu sono é suave
Pensamento longe
Com aromas de flores

Calma e tranquila
Meu corpo ameno
Se deleita no repouso
Onde a alma sonha

Sonhos de quimeras
De desejos meus
Em mim sonhados
No desabrochar de flores

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

(...)

…”Soa pela brisa da manhã,
Uma melodia suave
Dum chilrear de pardais
No seu doce Amar”…

ATRAVÉS...



Uma palavra
Um coração
Um sonho
Um pensamento
Através do tempo…

Uma mão
Um abraço
Um corpo
Um desejo
Através da distância…

Uma alma
Um beijo
Um querer
Um morrer
Através dos sentidos…

ESTRELAS



Descem estrelas
Em versos que brilham
Suspensos nos braços
De ternuras a arder

Prazer e desejo
Rasgados no peito
Por uma estrela que brilha
Caída na minha mão
Em lágrimas nuas

Nem vento
E a chuva
Podem calar
As estrelas que brilham
Do afago num olhar

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

VERSOS DE SOLIDÃO



Roupa que arrasto
Ou roupa que me leva
Pois meus pensamentos fogem
De um corpo calado

Vou com direcção
Trémula
Ocultando medos
Mas sabendo o que faço

Deixem seguir
Meu rumo em silêncio
Sentindo minha alma
Chorar baixinho
De todo o penar
Que meu peito carrega

Em trilhos que palmilho
As feridas saram
A alma alivia
Caminho pelos restos do sol
Em versos de solidão…

PARA LONGE




Pássaro de encantos meus
Leva meus pensamentos
Para bem longe

Nem a beleza dos nenúfares
Me faz sorrir
Pois a tristeza
Prostrou em minha alma

Nuvens negras
Abalam o meu ser…

NUVENS

…”Ao entardecer
Com nuvens
Triste assim como eu
O sol não aquece minha alma
Nem sara feridas profundas
Que ainda doem”…

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

CONTRADIÇÕES



Dou laços
E desfaço
Na imaginação
De um corpo partido
Ausente
Perdido

Aperto
Alívio
De um grito abafado
Lamento sufocante
Num olhar quieto
Vago
Distante

RASAS E ESPINHOS