sábado, 17 de agosto de 2013

DESABAFOS


DESABAFOS

Penso,
E deixo fluir palavras
Que pelo silêncio escrevo

São sentimentos da Alma
Abafados, chorados
E que fazem doer

Deixem que grite bem alto
O que trago trancado
Num coração marcado de chagas

É uma voz de lágrimas,
Um olhar perdido
Na solidão de paredes frias,
Onde o Amor é apenas uma palavra
Na escuridão da esperança

Penso,
Nas palavras que são frias,
Como aquelas que sinto
Em noites sem brilho,
Sem tua presença…

Fátima Porto.
Texto registado e protegido pelo IGAC

1 comentário: