segunda-feira, 26 de agosto de 2013

REVOLTA


REVOLTA

Deixem que as palavras
Me saiam livres,
Sem correntes,
A amordaçar,
E amarrar,
Porque estrebucho

Nem me tapem os olhos
Para não ver,
Porque sinto,
Cheiro,
Pressinto,
Passo a passo

Parem!
Revolto dentro de mim,
Dou gritos,
“ais” sufocados,
Mas não choro!
Esse, engulo
Até não mais aguentar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário