sábado, 9 de agosto de 2014

PROCURO EM NADA

PROCURO EM NADA

Passo a passo,
Pés marcados
Na fina areia molhada,
Procuro nada, na solidão da praia,
E num silêncio
Sem respostas

Como sombra que persegue
Nada sou em mim
No encontro do pensamento,
Que atordoa
Inebriando minha alma

Oh mar
De meu encantamento,
Não apagues as marcas que abandono,
Na fina areia molhada

Deixa rolar a espuma,
Como rendas de teu tear,
Fazendo soltar malhas
Pois são lágrimas da minh’alma...

Fátima Porto

Sem comentários:

Enviar um comentário

QUANDO NOSSAS BOCAS SE UNIREM