domingo, 7 de julho de 2013

DESNUDANDO-TE

DESNUDANDO-TE

Oh corpo,
A alma despiste-a

Eu, apenas te dispo a roupa
e desnudo,
Corpo quente,
De homem louco
Perdido nos anseios
Que me entregas
e fazem perdida

A minha língua deleita-se,
Num peito,
e desvenda do teu âmago,
Os desejos escondidos

À vontade,
Os suspiros em murmúrios
Que me doas…
Devagar,
As minhas mãos conquistam-te,
Nas palavras caladas que soam,
Quentes,
Dormentes,
Porque tudo é palpitar de silêncios,

És,
O meu encaixe perfeito,
Ninho das minhas mãos,

Deixa-te ficar...

Eu visto-te,
Para te voltar a despir outra vez!


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

FAZ FALTA OUVIR O CORAÇÃO