segunda-feira, 1 de julho de 2013

QUE SAUDADES


QUE SAUDADES

Tarde triste,
A chegar ao fim
Faz-me recordar,
Que saudade

Abro a janela
Depois da tempestade,
E eu aqui só
No silêncio e na distância,
Que saudade

Olho o infinito
Na noite escura,
Querendo tua presença
Num abraço meigo,
Que saudade

Procuro a luz
Dos teus olhos em mim,
Que ilumine nossas almas,
E o ondular do mar
Se espraie com o amor,
Que saudades….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

É NA PENUMBRA