segunda-feira, 26 de novembro de 2012

DOR SOFRIDA




Destapa a cara da máscara
De muros corrompidos
Da dor

Com voz embargada
Lágrimas secas
Onde o vento trespassa

Num corpo oco
Com amor sofrido
Ninguém vê a angústia
O sofrimento

Apenas a indiferença
De um rosto de máscara
Onde dilacera em fuga
Um peito fechado
Trancado

Busca de uma luz
Que se apaga lentamente
Mas a máscara não mostra
Que os olhos também se fecham
Porque já nada vê
E calam em fuga...


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

ESQUECER-ME DO TEMPO