quarta-feira, 28 de novembro de 2012

SILÊNCIOS DO TEMPO





Olho o tempo
Que passa ligeiro
Rodando nos ponteiros
Fazendo soar tic-tac
Como o bater do coração

Gira e gira
Mas o tempo não passa
Como se os ponteiros voassem
Deixando o tempo parado
Numa agonia sem fim

Vejo e torno a olhar
Se algo de momento se transformou
Mas o tempo passou com a brisa
Leve de mansinho
Que nem em mim tocou

Oh tempo por onde andas
Que passas parado em silêncio
Conta-me teus segredos ligeiros
E fazendo tic-tac ao meu ouvido…


Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário