sábado, 12 de maio de 2012




(...)

...No poema, soltei meus sentimentos ao vento, gritei meu sofrimento
No poema, calei lágrimas de minh'alma secas na
solidão
No poema, silenciei amor querido mas nunca esquecido!..


Fátima Porto.

OLHARES




Cruzámo-nos…
Nossos olhares
falaram por nós
Onde mil palavras
não diriam tanto

Almas se abriram
bem fundo
deixando voar
bem alto
o sentimento
e o querer!

Olhos transparentes,
expressivos...
que não se fecham
transmitindo gostos,
sonhos...

Passaria por ti
para nossos olhares
se voltarem a cruzar,
de longe,
mesmo que fosse por instante...


Fátima Porto




(===)

‎...Quero que minhas lágrimas se misturem com a chuva,
serão teus beijos no meu rosto,
vindos do céu!..


Fátima Porto



(….)

‎...Momentos feitos de rosas,
com espinhos, doridos
e que pétala a pétala vão caindo
perdendo toda a fragrância...

Momentos que se acabam!..


Fátima Porto




(…)
‎...Oh meu coração, que vais sarando feridas, trancadas na solidão,
voa no pensamento dos sonhos
que um dia alcançarás!..


Fátima Porto

sexta-feira, 11 de maio de 2012





…..

Amor…
Quanto mais motivos tiverem para silenciar
Mais presente estará…


Fátima Porto

SEQUÊNCIA




Solto-me
Sem me perder nas palavras
Que deixo voar em sentimentos
Como cabelos ao vento

Voam vírgulas, reticências
Sem me afundar nas pedras que piso
Para não pôr pontos finais
Na solidão dos meus pensamentos

Tudo possui sequência
Numa alma calada em silêncio
Deixando ondular o corpo
Na maré dos devaneios na melancolia

E assim vou com o vento
Meu irmão na tristeza
Sem ter um ponto para parar…


Fátima Porto

SIM...




Sim,
Quero sentir o teu abraço
Leve, suave
Que me envolva

Sim,
Sentir as tuas mãos
Num aperto doce no meu corpo
Colando ao teu

Sim,
O desejo e a vontade
De dois seres se fundirem
Fazendo extravasar o amor

Sim,
Não quero perder nosso sonho
Que nunca fez ter promessas
Mas que nos une mais

Sim,
Como faz falta o calor do abraço…


Fátima Porto

quarta-feira, 9 de maio de 2012

MEDO




O medo é inimigo
Quando é imaginário
E vive dentro de nós

Temos
Medo de viver
de morrer
de acordar
de adormecer
de sofrer
de ser feliz

Por medo
Deixamos de viver
passamos a sobreviver
deixamos de lutar
tornamo-nos cobardes
não somos felizes
vivemos infelizes

Coisas que deixamos de fazer por medo
medo que existe dentro de nós

Nós próprios criamos e alimentamos
Pois na nossa vida algo correu mal
Ficamos com medos que volte a acontecer
Porque restam feridas difíceis de sarar
E muitas vezes deixa-se de lutar

Esse medo vive na nossa imaginação
Medo que nos faz sofrer

Deixa de sobreviver
E volta a viver...

Com este medo ninguém resiste…


Fátima Porto

DOR SOFRIDA




Destapa a cara da máscara
De muros corrompidos
Da dor

Com voz embargada
Lágrimas secas
Onde o vento trespassa

Num corpo oco
Com amor sofrido
Ninguém vê a angústia
O sofrimento

Apenas a indiferença
De um rosto de máscara
Onde dilacera em fuga
Um peito fechado
Trancado

Busca de uma luz
Que se apaga lentamente
Mas a máscara não mostra
Que os olhos também se fecham
Porque já nada vê
E calam em fuga....


Fátima Porto

OLHA...




Olha bem dentro dos meus olhos
Olha e procura o meu coração

Olha o espelho da minh’alma
Olha a nossa vontade calada

Olha meu grito que sinto abafado
Olha é silenciado com um beijo teu

Olha como sinto o calor d’um abraço
Olha e descanso a cabeça no peito teu…


Fátima Porto

terça-feira, 8 de maio de 2012

QUERO-TE




Quero-te para mim
No total do fascínio
Mansamente degustado

Quero-te para mim
Como se sentisse teus beijos
Percorrerem meu corpo

Quero-te para mim
Em devaneio desejado
Num passado presente

Quero-te para mim
Na descoberta de trilhos
Desvendados para o futuro

Quero-te para mim
De verdade e sempre
Mesmo que ausente…


Fátima Porto

CHUVA D'AMOR




Chove gotas de tristeza
Que invade minh’alma
Pois esventra mágoas de ansiedade

Sinto teus carinhos na distância
Sussurrando palavras meigas
Como sedento de meu corpo

Oh chuva que me invade
Serenando como beijos teus
Em sorriso leve e doces
Da vontade de tua presença

Tuas mãos em carícias mil
Em meu cabelo solto, molhado
Corpos colados, que se encaixam
Pelo amor extravasado…


Fátima Porto

segunda-feira, 7 de maio de 2012

CRUZ DA VIDA



Oh vida
Que nos fazes
Tropeçar
P’los teus caminhos
Tentando
Que as quedas
Atenuem nossas dores...

Oh vida
Que nos fazes
Subir
Ao mais alto monte
Carregando
A nossa cruz...

Liberta-nos das angustias,
Dos sofrimentos,
Das lágrimas secas,
E da voz
Embargada
Num grito sufocado!

Cruz da Vida...

Alivia-nos...


Fátima Porto

MORTE NA PRAIA




Vidas cruzadas
Horizontes sem medidas
De encontros e desencontros

Numa praia deserta
Sem que âncoras os parassem
Ficaram frente a frente sem alma
Em histórias perdidas no tempo

Cascos mortalhados no ondular
Ou nas areias finas onde se afundam
Perderam-se na idade
No sal das lágrimas de mágoas que os corrói

Semelhante juntos tivessem amado em vida
Assim morreram lado a lado
No silêncio de uma praia qualquer, abandonada…



Fátima Porto
Fotografia : Adalberto Gourgel

JANELAS DA MINHA TERRA




Vejo-te por janelas sem vidro
D’uma imaginação real
De portas abertas à paisagem imensa

Meu pensamento voa em ti
Nas noites iluminadas pelas estrelas
Até ao raiar de um novo dia

Da minha janela contemplo o mundo da minha terra
Onde saboreio odores inebriantes
Sulcando trilhos encarnados
Descendo rios agitados
Na direção do arco-íris no horizonte

Janela da minha terra
Quero-te sem vidros para sentir na alma
O viver de um povo ressurgir
Como bálsamo de tanta tristeza

Janela onde vejo minha terra
Que dá vida e esperança…


Fátima Porto
Fotografia : Adalberto Gourgel

domingo, 6 de maio de 2012

PARA TI MÃE




Mãe palavra suave ao coração
Que encanta e traz alegria

Mãe significa paz e amor
Sua dedicação, sofrimento
Que tudo vence e tudo perdoa

Mãe, Mulher corajosa
Que luta sem medir esforços
E não se curva diante das dificuldades
Para as vencer

Mãe, amor que encanta
Força que dá orgulho

Privilegiado de quem ainda a tem
Para poder retribuir todo o Amor
E força que um dia nos deu!...

Obrigada Mãe…


FÁTIMA PORTO

DESEJO




Que nunca se acabe
O desejo que há em mim
Nem o teu cheiro
Os beijos na avidez de lábios suaves

Pois minha pele aqueça
E que a tua extravase
O que neste momento
Desejo de teu desejo

Quero sentir o sabor
De um amor crescente
Vivo, sentido

Sempre presente
E consentido…


Fátima Porto