quarta-feira, 23 de novembro de 2011

VAGUEIO


Ventos açoitam
Tranquilidade da alma
Como tornados
Em dias de vendavais

E a chuva que cai
No peito dorido
São lágrimas minhas
Pesadas
Sofridas
De um coração perdido

Vagueio
Suportando meu penar
Exposto ao vento cruel
Procurando uma luz
Que alegre infeliz vida…



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

Sem comentários:

Enviar um comentário

QUANDO NOSSAS BOCAS SE UNIREM