terça-feira, 24 de abril de 2012

MINHA LIBERDADE




Voo nas asas do amanhecer
Num planar de pensamentos
Atirando-me para o mar da saudade
De águas calmas mas doridas

Quero minha liberdade
Num horizonte aquecido pelo sol
Pois meu corpo está frio
De emoções num coração fechado

Deixem-me voar
Para além do infinito
Quero gritar, meus ais abafados
Que os calei sofrendo
Sem lágrimas…


Fátima Porto

Sem comentários:

Enviar um comentário

RENDER-ME AO CASTIGO