sábado, 24 de março de 2012

SAUDADE INCONTIDA




O sol despede-se à tardinha
Entre nuvens e o vento
Na paisagem que suaviza que alma

Há nostalgia de quem vê
Mesmo que à distância
Pois o coração não esquece
O pulsar no cheiro da Terra Amada

Não há pincéis que pintem
Nas telas mais coloridas
De uma saudade incontida
Fazendo rolar lágrimas teimosas
Pelas rugas do tempo de tristeza

Gota a gota
Vão caindo no regaço
Como estrelas mais brilhantes
Nas noites enluaradas
Da minha querida Angola…

Sem comentários:

Enviar um comentário

DESCOBRIR-ME...