segunda-feira, 17 de junho de 2013

AI COMO DÓI...

AI COMO DÓI…

Lágrimas que lavam meu rosto
Com gemidos abafados
Em silêncios surdos, tapados

Quero secar minha tristeza,
Toda a dor que aperta o peito
Numa solidão de canas secas
Do tecto da minha cubata

Cresço de olhos vazios
Sufocando “ai uiê!”
Num regaço de nada
Rogando esperança

Ai como dói
Minha alma de criança…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

PEDRAS DA CALÇADA