domingo, 9 de junho de 2013

AREIAS NO TEMPO




Tempo,
Que passou no tempo
Sem nunca parar
Trazendo à memória
Um tempo esquecido,
Mas nunca perdido

Remoinhos aos ventos
Tentando parar
O tempo presente
Com areias no ar,
Em escritas sem tinta
Nas folhas dum livro futuro

Do fio que corre
Marcando o tempo,
Vai apagando um passado
Na existência pelo destino
Da presença do verbo Amar…



Fátima Porto
IN “Ecos d’Alma”
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

PEDRAS DA CALÇADA