segunda-feira, 17 de junho de 2013

VAZIO DE NADA

O dia amanheceu
Sem vestígios de ti
Tive estrelas por companhia

Cama desfeita do nada
Num corpo à espera
Do teu anseio em palavras

Rasgaste o último pedaço de alma
Que nem as lágrimas lavaram

Dor que cega meus pensamentos
Atraiçoa minha vontade
Num quarto de palavras surdas

Amanhece frio meu corpo
Em lençóis amarrotados
Nos braços vazios de ti

Ainda vislumbro tua sede
Num deserto
Que chamas de meu corpo…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário