quinta-feira, 13 de junho de 2013

PRESENTE NA DISTÂNCIA



Tua imagem esfuma-se,
Misturada com lágrimas salgadas
Que teimosamente rolam,
Como a água à nascente
Rasgando caminhos

Sente a minha voz baixinha,
Como um sussurro,
E sente as minhas mãos
Que procuram tua boca
Em beijos nossos, meigos, sentidos

Desejos e vontades
Que ultrapassam distâncias
Voando no tempo
Sem limites nem espaços

Minha alma sente,
Estremece,
Porque mesmo estando ausente,
Estás sempre presente
Num tempo que não se mede…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário