sábado, 8 de junho de 2013

CORRENTES SEM TER




Aqui estou
Presa a ti,
Nua daquilo que sou
Em correntes,
Elo a elo
De emoções vibrando

Aproxima-te,
Quero saborear teu cheiro
Da paixão e do desejo

Meu corpo é tua guarida
Da insensatez do prazer
Não quero sentir pudor
De te ter por inteiro

Dá-te na fúria do ímpeto
Para além do que possas imaginar,
Pois é no meu corpo e no teu
Que te amarro,
Sem te ter...


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

PEDRAS DA CALÇADA