segunda-feira, 7 de julho de 2014

ETERNIDADE

ETERNIDADE

Olhá-mo-nos num silêncio tão doce,
Em que um mar de palavras foi dito,
Sem que os lábios se mexessem

E o abraço de tanto afago, e carinho
Como que a suavizar da ausência
Na dor da longa distância

Mas naquele preciso momento,
Os corações próximos e acelerados,
Inevitáveis juras de amor se fizeram,
Tão breve quão a eternidade...

Fátima Porto


Sem comentários:

Enviar um comentário

RENDER-ME AO CASTIGO