terça-feira, 8 de julho de 2014

TERRA VERMELHA

TERRA VERMELHA

Oh terra vermelha,
Que quando fechei os olhos,
Minh’alma sentiu teu cheiro


Embargou-se a voz
Nas lágrimas que rolavam,
Levando para bem longe
Meu grito abafado

Apertei as mãos,
Para que o punhado de terra
Se embrenhasse,
Até ao mais profundo do meu âmago


Mas lentamente,
Deixei escorrer por entre os dedos
O pó da saudade
Do vermelho da terra que me viu nascer


Mas da minha mão,
O sentir,
O odor,
Jamais desaparecerão...



Fátima Porto
Fotografia de: Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

ESQUECER-ME DO TEMPO