sexta-feira, 11 de julho de 2014

OLHAR SIMPLES

OLHAR SIMPLES

Em olhos calados
Para lá da distância,
Bate o mar nas pedras da praia
Nuas, molhadas

Quero-me assim
Na saudade d’um infinito,
Desnudando minha alma
Na transparência de um ser
Que entende a distância

Meu rosto sente a brisa,
Que passa ao redor do corpo em liberdade,
Numa praia imaginada
Em que me deleito em prazer,
Talvez um dia sonhado

Desejo essa realidade
No fundo da minha alma,
Sem mágoas gravadas,
Mas com um simples e límpido olhar…


Fátima Porto

Sem comentários:

Enviar um comentário

RENDER-ME AO CASTIGO