sexta-feira, 4 de julho de 2014

ORVALHO DE SAUDADES

ORVALHO DE SAUDADES

Guardei o mar das saudades
Para nunca o perder,
No sótão das memórias
E calei profundo

Abro-o,
Quando tristezas apertam o peito
E sufocam a voz,
Num embriagar da nostalgia,
Como cheiro de flores secas,
P’lo tempo que passou

Guardei a madrugada
Em gotas de orvalho,
Para que em silêncio e só,
Se confundissem com as lágrimas
Que derramavam da minh’alma

Pois que o orvalho,
São lágrimas ao amanhecer…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário