quarta-feira, 30 de julho de 2014

SEPARAÇÃO

SEPARAÇÃO

Saudades que guardo de ti,
O mesmo que da terra molhada,
És o calor que sonho
Logo ao amanhecer,
Como o ar que respiro

Nas praias que invento
De águas calmas, suaves,
Sinto a brisa que passa
Tocando no meu rosto,
Pois de tantas saudades ter
Convenço-me serem beijos teus

Oh Terra que deixei um dia
Que de saudades não calo,
Não cortarei raízes minhas,
Nem a dor que nos separa…

Fátima Porto

Sem comentários:

Enviar um comentário

NÃO MOSTRO MEU OLHAR