sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

MENINA/MULHER



Dia triste sombrio
Sem o sol que me aquece
Fazendo reviver lembranças
Que tiradas de um baú
Há muito esquecido
Enquanto apoiada numa árvore
Admirava nuvens que levemente passavam

Recostada fecho os olhos
Começando fazer a película a girar
Com uma menina risonha feliz
Crescendo na alegria da mocidade
De amigos e amores primeiros
Colocando seu pobre coração a vibrar

Nas palavras caladas
Escondeu seus desejos e queres
Fazendo da caneta e papel seu desabafo
Sonhando de olhos abertos seus anseios
Guardados na alma sem despertar

De súbito, vê-se arrancada aos amigos
E sentindo-se perdida
Em sítios e gentes que nada lhe dizem
Relembra as folhas mal escritas
Para voltar a rabiscar suas dores e lágrimas escondidas

A mulher/menina cresceu
Fazendo-a provar as escarpas da Vida
Escondendo e apenas escrevendo
E chorando os amigos perdidos

Foi longo o caminho
Os anos passaram
Pouco a pouco na alegria imensa
Voltou a descobrir amigos
Perdidos no tempo e na distância
Outros desaparecidos no sempre

Menina/Mulher chora a separação
Pois sua alma parou no tempo
Que descalça sorria para o Mundo
Mas tristemente
O mundo deixou de brilhar para ela

Oh, que arrepio senti
Pela doce e suave brisa que passou

Abri os olhos e reparei
Que a tarde chegava ao fim
Recordando a Menina/Mulher
Apoiada num ramo de uma árvore

Sem comentários:

Enviar um comentário

RASAS E ESPINHOS