terça-feira, 24 de janeiro de 2012

MOMENTOS




Pelos trilhos do tempo
Com ponteiros parados
Em rumos sem fim
Cheios de nada
Vazios de tudo

Vagueio na direcção do vento
Trazido pelos ramos despidos
Em folhas de uma vida num segundo
Voando na bússola do relógio
Em passos nos minutos acelerados

Gritos sem ecos
Braços num abraço sem fim
Linhas paralelas que nunca se cruzam
Mas um único horizonte
Na hora exacta…

Sem comentários:

Enviar um comentário

RENDER-ME AO CASTIGO