quinta-feira, 18 de abril de 2013

AGUARDA-ME




Acredito que me aguardes
Em um lugar qualquer,
Durante o luar das noites
Pelas madrugadas
Até o dia murmurar

Aguarda-me,
Porque estás em meus pensamentos
E enquanto houver esperança
Nenhum sonho está perdido,
Mesmo na lembrança de teus caminhos

Aguarda-me,
Apesar de todas as dificuldades
Nas manhãs tristes, és o meu sol a brilhar
E em teus braços me aconchego

Se me falta ânimo, transmites coragem
E o medo desfaz-se
Porque o amor é assim:
Início, meio e nunca tem fim

Por isso, aguarda-me…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

QUANDO NOSSAS BOCAS SE UNIREM