quinta-feira, 11 de abril de 2013

ESPERO




O tempo não gira,
E as horas,
Indiferentes à saudade
Desconhecem meu querer

Vem, não demores
Pois meus olhos almejam ler
A tristeza de tua alma
E o desejo escrito no teu rosto

Aconchegada ao teu peito
Não preciso de mais nada,
Apenas teu sorriso
E sentir o respirar
Numa fragrância enleante

Vem depressa,
E sem pressa de voltar
Esquecendo as horas,
Apenas o presente

Iremos soltar correntes
Que pendem da memória,
Entre risos e suspiros
Violando os sentidos

Vem,
Queremos um amanhecer
Numa noite ensolarada…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

SOU MULHER E MISTÉRIO