quarta-feira, 8 de abril de 2015

DOR POR ENTRE OS DEDOS

Desfaço lentamente
Com mágoa, por entre os dedos,
A flor imaginada na entrega
Algum dia dada

Flor de sorrisos ocos,
De odor que embriagou sentimentos
E que se esmoreceu como o vento

Pétala a pétala, caiem por terra
Momentos lindos, de encantar,
Pisados, calcados,
Nesta tristeza incontida

Minha mão fecha-se
Derramando todo um sofrimento,
Não de raiva, nem de ódio,
Mas um sentido bem profundo
Que tudo faz doer

Porque me querem assim
E dói tanto na Alma?

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário