quarta-feira, 15 de abril de 2015

DESPEM OLHARES

DESPEM OLHARES

Tuas mãos ao tocarem de mansinho,
Fazem-me sentir arrepios

Teu olhar, em palavras doces,
Despem-me lentamente
Pelo silêncio da noite,
E meu corpo treme

Leva-me em ti
Com o aconchego d’um beijo,
Em deleite de afagos
No calor do teu colo

Estremeço à tua voz,
No sonho de tantos quereres,
E vontades que sussurram
Promessas secretas aos corações

Consagro-me às tuas mãos,
Para que mostres o céu,
Rendendo-me…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

A MUDANÇA ASSUSTA