sábado, 23 de julho de 2011

A LER


Oh quão doce e terno
meu amor
te vislumbro
em frases meigas
d'um livro que leio
Queria-te presente
e eternamente
a meu lado
como perfume
que exala d'uma rosa
Como sinto a dor da solidão
calando forte
um peito ferido
d'uma mágoa sofrida
Não consigo ler
os olhos marejados de lágrimas
e um soluço abafado
não me deixam continuar
a ler....

Sem comentários:

Enviar um comentário

RASAS E ESPINHOS