quinta-feira, 7 de julho de 2011

REDES


Sinto-me enredada
por redes que me envolvem
revolvem
sem saber da ponta
Deixam ver a luz
mas que escureçem a alma
dão voltas
sem saber porquê
deixando cada vez mais envolta
Redes como armadilha
que se cai e nao se sai
grita-se
e ninguem ouve
a voz embargada
esvai-se
Nem uma lágrima cai
nesta dor amargurada
Luta-se ate ao fim
entre redes
enredada...

Sem comentários:

Enviar um comentário