segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

ALMA DE ANGÚSTIA



Lembranças de ti
Um tempo que eu invento
Em tempestades
Clarões, raios

Parem vendavais
Assombram minha existência
Minha imagem calma
Reflecte a alma de angústia
Em olhos que já não choram

Sonhos de um imaginário
Que caminham em trilhos do pensamento

Sem comentários:

Enviar um comentário

É NA PENUMBRA